Segunda-feira, 20 de Maio de 2013

O atestado com reservas

Recebi no telemóvel uma mensagem informando-me que até ao dia xis o meu carro teria que ir à inspecção periódica.

 

Embirro com esta modernice pateta: a ideia de que os automóveis podem ter condições deficientes das quais os condutores não se apercebem mas um mecânico apressado e distraído, cuja consulta é obrigatória, sim. Excluo o caso de uma minoria de senhoras e cavalheiros de idade provecta, em geral portadores de chapéu, que regra geral não fazem a menor ideia de condução, segundo análises empíricas que o tempo consagrou.

 

Há por certo automóveis que circulam com pneus em condições deficientes ou os travões em mau estado. Mas isso tem que ver com a idade dos veículos e a falta de recursos dos proprietários, não com a falta de desvelo do Estado a impôr inspecções, fiscalizações, conselhos e multas. E o que custa toda essa parafernália de controlos, papeletas e inspecções teria melhor uso no bolso dos contribuintes, que não são nem suicidas nem tão estúpidos quanto o legislador e as associações de consumidores os fazem.

 

Cidadão moderadamente cumpridor, sobretudo em havendo a perspectiva de multas terroristas, pedi a um colaborador (cujas funções nada têm que ver com automóveis, numa pequena manifestação concreta daquela gestão abusiva que é a marca d'água de alguns pequenos gestores) que levasse à cerimónia da revisão o veículo em questão.

 

Assim foi. Mas - ó desgosto! - no regresso o funcionário vinha pávido, e disse-me cavamente, ao mesmo tempo que me apontava uma linha num papel verde: pode circular mas puseram reservas.

 

Baixei os olhos para os dizeres e lá vinha, como uma condenação ao degredo: Código 840 - Matrículas - Materiais deformados ou deteriorados.

 

Mas que p. de merda é esta? - berrou a minha costela popular do Vale do Ave. E a resposta veio, cortante: o fundo amarelo na indicação do ano na matrícula está descolorido. Se não substituir as matrículas e for apanhado parece que a multa não é pequena.

 

A indicação do ano de registo nas matrículas serve apenas para denunciar aqueles que importam carros usados, protegendo abusivamente os concessionários locais; o fundo amarelo não é mais do que a manifestação do gosto piroso de um qualquer legislador com a mania que é designer; e o fundo azul e as estrelinhas na outra ponta são propaganda europeísta.

 

São grandes, as matrículas portuguesas. E precisam: para nelas caber tanta asneira.

publicado por José Meireles Graça às 19:02
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Caríssimos, compreendo a V. perplexidade e indigna...
não há p+pachorra para ler um post com tanto palav...
Creio que não tem noção da complexidade da investi...
Ao contrário do que pensava o prof. Cavaco, num di...
É (muito) raro ter alguma coisa a apontar-lhe no q...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter