Terça-feira, 1 de Maio de 2012

As apostas

(Originalmente publicado no Senatus, em 3 de Março de 2012)

 

 

Hoje em dia vejo as apostas com muito maus olhos. Antigamente as apostas eram um jogo saudável de virilidade. Os amigos juntavam-se para apostar. Podia ser no número de ovos cozidos que conseguiam ter na boca ao mesmo tempo, na duração de um negócio de importação de arenques, ou no chinquilho. O tipo de aposta variava consoante a natureza do grupo.

 

Os intelectuais, por exemplo, gostavam de apostar quem é que conseguia primeiro deitar-se com a mulher de um deles. Se apesar de intelectuais tivessem livros publicados, apostavam quem é que se deitava primeiro com o filho de um deles. E se fossem académicos, apostavam quem era o primeiro a conseguir convencer uma galinha a deitar-se com eles. Eram momentos inocentes de confraternização entre a rapaziada. E o máximo que se podia perder era o bigode, uma propriedade no Douro, as jóias da avó ou a própria vida. Nada que cada apostador não estivesse em perfeitas condições de perder. E as apostas sucediam-se, com alvos mais ou menos criativos, montantes variáveis, mas sempre em ambiente de grande jovialidade. Essas apostas acabaram-se.

 

Agora aposta-se na internacionalização, aposta-se na tecnologia, na bio-diversidade, na divulgação ou num cluster qualquer. Aposta-se na cozinha de autor, na cidadania, no cinema português, na integração e no multi-culturalismo. Aposta-se em coisas que ninguém sabe o que são, mas sobre as quais os especialistas estão de acordo. Já ninguém quer apostar sozinho. Quando é para apostar, temos que apostar todos. Na mesma coisa. Como se isso garantisse o sentido do resultado.

 

Por isso as televisões encheram-se de apostadores, cada qual mais chato, a esforçar-se em directo por nos convencer a nós, que somos brutos e sisudos, a apostar alegremente naquilo que eles decidiram. Como se isso não chegasse, já de si, para me fazer perder o interesse, agora já ninguém aposta com aquilo que tem. Nem seria bem visto pelos outros apostadores.

 

Agora é suposto apostar com aquilo que não se tem: o futuro dos nossos filhos, a soberania do país, as pensões dos velhos, o conhecimento das universidades ou o dinheiro dos alemães.

 

Tags:
publicado por Margarida Bentes Penedo às 13:59
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Belo post; são muitos anos a virar frangos ?
Senhoras donas Carina Quintas DA Costa e Ana Rosa ...
Olá,eu sou a Carina Quintas DA Costa ,conheci um f...
Como é possível que uma pessoa que escreve tolices...
Cabeça socialista ? vexa tem mesmo em muito má con...

Arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter