Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

Os professores não vão à escola...pública.

Na sequência do que escrevi aqui, fiquei inquieta com uma nova reflexão que de seguida enunciarei.

 
Surgiu da circunstância de estar em casa a ver as notícias - em particular aquela em que a FNE anunciava que "vai aderir à greve de professores às avaliações e no primeiro dia de exames nacionais do ensino secundário" - no mesmo momento em que uma das minhas filhas, que está no 6.º ano e vai fazer exames nacionais, me entregava uma carta do colégio onde estuda, a dar nota das aulas de preparação para esses mesmos exames, precisamente nos dias de greve.

 

Vamos então por partes:

  1. Sou consciente da dureza das opções que estão a ser colocadas aos professores e às escolas. Concordo com algumas das medidas, de outras dúvido da eficácia, mas, de fundo, percebo que num cenário de redução do peso do Estado este setor não poderia - nem seria justo - que ficasse incólume. 
  2. Aceito - nem poderia ser de outra forma - que se utilizem meios legítimos como a greve, para fazer valer posições, embora prefira a mesa de negociações para o mesmo fim;
  3. Escolher como datas para o exercício desse meio legítimo justamente aquelas que põem em causa o trabalho de um ano parece-me estranho. Mais ainda quando os principais visados não são os próprios, mas os alunos que estes acompanharam durante um ano ou um ciclo, os seus alunos, os seus educandos, a sua razão de ser na missão como professores.


E eis que chego então à reflexão de ontem à noite: os alunos das escolas privadas estão salvaguardados. Só os alunos da escola pública - estatal, para ser rigorosa - serão potencialmente afetados. 
 

Gritante desigualdade. Será esta greve anti-constitucional?...

publicado por Ana Rita Bessa às 09:48
link do post | comentar
3 comentários:
De Filipe Carmo Ferreira a 22 de Maio de 2013 às 20:02
O decreto da greve não é exclusivo para professores da escola pública ou estatal - serve para todos os professores qualquer que seja o empregador.

Maldita a vontade de confrontação público/estatal e privado, demo e deus, defeito e virtude, indigência e inteligência...

Deve ter havido algum equívoco ao escrever "Será esta greve anti-constitucional?..."
De Ana Rita Bessa a 22 de Maio de 2013 às 20:19
Olá Filipe,

O decreto serve, é certo, mas veremos qual a incidência da adesão num caso e noutro. Se se provar igual, retiro a pergunta :)

De resto, como sabes, não tenho esse estigma de público vs privado. Mas convoco essa tentação aqui porque costuma ser usada em defesa da escola pública justamente por aqueles que aqui estão - caso se verifique o meu pressuposto - a prejudicá-la.

E não houve equívoco. Houve ironia :)
De Filipe Carmo Ferreira a 22 de Maio de 2013 às 22:19
Olá, Ana Rita.

Claro que a adesão de professores da escola pública será bem maior do que a dos seus colegas - não têm a espada de Dâmocles sobre a sua cabeça. A relação empregador-trabalhador é ainda mais desigual. Aqui não há novidade.
O que não quer dizer que não tenham razões (até mais e há mais tempo) para fazer greve...

Tenho duas filhas, uma no 4º ano, outra no 6º ano. Uma já fez os exames nacionais, outra ainda os fará em junho. Não fazer o exame em determinado dia ou não o fazer de todo não é, não será e nunca foi o fim do mundo.
Desde o século passado que não havia exames nacionais nestes anos e, no entanto, "Eppur si muove!" sem traumas para as criancinhas....

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Só falta mesmo é a Ordem das Sopeiras, quero dizer...
O jornalismo cairá, por cá, como vai caindo por lá...
O conselho que costumo oferecer aos meus correspon...
Não percebo a admiração. O jornalixo cá do burgo m...
Sim, tem razão, é a frustração de quem pagou a últ...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter