Quinta-feira, 23 de Maio de 2013

Uma entrevista viçosa

 

 

O irmão Nuno acaba de perpetrar uma entrevista na TVI. Sobre o último livro, "Em Nome do Pai". "Tu" cá, "tu" lá, José Alberto Carvalho enlevado como uma adolescente lasciva. Leu excertos daquela "literatura", possidónios sem excepção, ignorantes sem misericórdia. Lobo Antunes considerou "estranho" o que tinha escrito (alguns espectadores também), e desabafou: "Pensar que aquilo saiu de mim".

 

Bufou com as bochechas cheias, para ilustrar, naquela espécie de teatralidade de grupo experimental da província, como era profundo, introspectivo, e penoso ocupar-se daquelas matérias tão fundamentais. Disse que não tinha "pudor dos afectos" (algum, não lhe faria mal). Que "amava muito" a mulher dele, e que a achava "linda" (abençoada senhora). Que tinha com o filho mais velho "uma relação de grande cumplicidade" (de ser cúmplice de Nuno Lobo Antunes, já Deus me livrou). E desfiou pomposo, sobre a religião católica, uma abundância de "reflexões" tão idiotas quanto erradas. Por exemplo: "Nunca ninguém antes se lembrou de escrever sobre S. José". Se fosse num programa de humor, era a deixa para a plateia "presente em estúdio" arremessar contra ele todos os livros que já foram escritos sobre S. José.

 

Apoquentei-me ao saber que, a dada altura do livro, Jesus resolve sair do sítio onde está e abalar "de encontro ao deserto" (sic). Temi que Jesus, na fantasia de Lobo Antunes, acertasse nalguma acácia perdida e esmurrasse o nariz. Mas depois sosseguei: afinal é (pasme-se!) "um deserto interior", e "não podia deixar de ser" porque há "poucos relatos daquelas paisagens". Antes assim.

 

Daquele fenómeno tão fascinante de pertencer a uma família em que "todos são médicos e todos são escritores", disse que "cada um tem o seu percurso, e cada um escreve o seu livro". Informou que não tinha fé em Deus, mas sim que tinha "fé no privilégio de viver". À pergunta sobre se "as dúvidas de S. José eram as dúvidas dele" (aqui abateu-se sobre José Alberto Carvalho um tijolo de originalidade, talvez proveniente da régie) respondeu, após um silêncio prolongado: "Não podia ser de outra forma". E à pergunta sobre se o processo tinha sido "duro", respondeu: "Não; fui corajoso".

 

A presunção dos irmãos Lobo Antunes, especialmente na proporção do asneirol que escrevem, e do tédio que provoca a maneira como usam a língua, em Portugal dá direito a prémio. Deve estar por dias.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 03:33
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Simples e sentido: a minha felicitacao e agradecim...
«Onze dos 24 infetados são funcionários de saúde»V...
Direi mesmo mais, senhor Pinto, é tanta a ignorânc...
Lamento a morte da rapariga, obviamente, mas se os...
É tanta a ignorância revelada pelo autor do texto,...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter