Sexta-feira, 24 de Maio de 2013

Um par de morcões não faz um galheteiro

 

Não conhecia a peça, nem de nome. Mas tendo lido: "O Secretário de Estado da Agricultura defende a proibição do uso de galheteiros, diz ser uma medida com impacto positivo e considera que seria 'positivo' alargar a decisão a toda a União Europeia" - fui ver quem era o intrometido.

 

Mais um iluminado albardado de diplomas, cuja biografia na wikipédia diz que "fez o curso de formação avançada no programa de doutoramento de Alterações Climáticas e Desenvolvimento Sustentável da Universidade Nova de Lisboa, com a colaboração da Universidade de East Anglia (2010)".

 

Uma formação temível, doutorado em fantasias. E este é o burocrata local, que sabe o que convém aos produtores de azeite, aos donos dos restaurantes e aos clientes deles.

 

Já o burocrata Capoulas, europeu de nacionalidade, que é o relator do Parlamento Europeu para a reforma da Política Agrícola Comum, considera o recuo de Bruxelas nesta matéria "tão absurdo quanto seria a declaração de obrigatoriedade da venda de whisky a granel".

 

Absurdo, é, Rastapopoulos? Pois olha, a tua comparação não faz sentido, porque invocas uma inexistente obrigatoriedade para justificar uma proibição, embora, por ínvios caminhos, tenhas razão num ponto: são ambas inadmissíveis numa sociedade livre, onde o Estado não se senta à mesa, não se deita na cama, e não regula relações entre cidadãos senão na exacta medida do necessário para defender interesses legítimos da comunidade ou de terceiros, ou dos próprios apenas quando seja razoável supôr que o legislador sabe o que o cidadão ignora.

 

Queres fazer trabalho útil, Rasta, para compensar a fortuna que o contribuinte gasta contigo e os outros parasitas bruxelenses?  Dedica-te a revogar legislação - um quarto de quilo ao ano já seria precioso.

 

A vossa pesporrência, ó legisladores da bugalha, não tem limites: um cidadão íntegro tem direito aos seus gostos, às suas escolhas e à sua liberdade, que não consiste apenas no direito de dizer o que lhe vem à cabeça ou ir passear pelas ruas com tachos e panelas a protestar a favor da sobrevivência da raposa do Ártico, em risco por causa do aquecimento global, ou contra a legislação laboral, por causa de Abril.

 

Consiste também em deixar espaço para aqueles, mesmo que sejam poucos, que reservam para a opinião dos outros respeito mas indiferença, e para a própria modéstia mas independência. E que, confrontados com uma garrafa de azeite balsâmico e um livrinho a explicar as maravilhas da iguaria, de um lado, e um galheteiro sem livrinho nem petulância, do outro, provam primeiro do galheteiro.

 

publicado por José Meireles Graça às 12:28
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter