Domingo, 16 de Junho de 2013

Presidentes de calções

 

 

Uma das reformas mais saudáveis e urgentes que podiam fazer-se em Portugal era a extinção de todas as juventudes partidárias, sem excepção. A tendência não é essa.

 

Pelo contrário, "os jovens" são referidos com desvelo. Como se em comum tivessem mais do que a inclinação histórica, biológica, e proverbial para "pensarem" asneiras definitivas. E dizerem-nas, com um arzinho tão néscio quanto triunfante. Paralelamente, ninguém ensina "os jovens" a duvidar, a discutir, a argumentar, a formar opiniões próprias, e a avaliar da pertinência do que lhes enfiam gelatinosamente no cérebro.

 

Vi miúdos com 10 anos ensaiados para recitar odes ao Império. Certinhos, engraçados, com os olhos piscos e a precisão de um realejo. Ouvi os aplausos no final do espectáculo. E o orgulho da plateia de pais, que não percebeu uma única palavra nem deu conta que os seus filhos também não. Vejo as notas luminosas desses miúdos em impressos fechados (suponho que o Quadro de Honra tenha sido abolido por motivos de "exclusão social").

 

Os "bons alunos" progridem neste modelo arrepiante, programados para "aprender" o que não têm idade para perceber. Espíritos subidos do Ministério da Educação decidem quem são os "grandes nomes da língua portuguesa", e à força de martelar as crianças com textos impenetráveis esperam desenvolver nelas o "gosto pela leitura". Nos dias de festa dá-se-lhes à manivela e as escolas sobem no ranking.

 

O Plano Nacional de Leitura existe para pôr ordem nas letras. Assente nos "valores fundamentais" da "liberdade", da "lusofonia", e da "portugalidade", estabelece uma lista de obras "literárias", ocupado em aprovar oficialmente os "grandes nomes" cuja "irreverência" seria censurada nos tempos da Ditadura, quando as leituras dos portugueses eram vigiadas. Isso agora acabou, porque os seus "responsáveis" discutem previamente (e em total liberdade, note-se) quais são os livros "adequados" à "formação" das crianças, o que deve ou não ser "incentivado", quais são as obras "de referência", e como é que os "educadores" devem "ajudar" os jovens a "desenvolver" o gosto pela leitura, fornecendo-lhes a indispensável "orientação".

 

Desconfio que deixar as crianças ler o que quiserem, alternando lixo com uma ou outra coisa bem escrita; permitir-lhes que escolham textos sobre os assuntos que lhes interessam; esperar que elas percebam sozinhas quem escreve melhor e quem lhes dá mais prazer - seria visto como uma leviandade sem nome. No limite, seria forçar os "educadores" portugueses a enfrentar o risco de que ninguém lesse as pasteladas acéfalas que eles próprios escrevem.

 

Por isso, no entender (ou interesse?) dos "responsáveis", e em matéria de pensamento, a liberdade é "fundamental" desde que devidamente "orientada". Compreende-se. De outra maneira, o seu papel passaria de deletério a nulo. E teriam de pegar neles e arranjar uma profissão.

 

Destes "estabelecimentos de ensino", os mais inclinados ao "pensamento" seguem para as juventudes partidárias onde se demoram a aprimorar a sua "formação" (os mais frágeis saem determinados a nunca mais pegar num único livro). Daí, com algum jeito para a intriga, para a bajulação, e para o domínio das banalidades orais, chegam à esfera pública e cometem entrevistas. As "questões fracturantes" são estridentes, mas não passam da superfície do sólido onde as suas "opiniões" grotescas se tornam mais visíveis. E o carácter (caso venham a lembrar-se dele) está irremediavelmente perdido no passado, diluído no peso das "responsabilidades" e no empenho de algum "orientador".

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 19:34
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!
Tenho tentado perceber este conserto gadal da tsu,...

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter