Segunda-feira, 26 de Agosto de 2013

Paz à sua alma. As ideias estão vivas.

Este post de Samuel Paiva Pires tocou-me, apesar de não ser directamente dirigido para os lados do Gremlin. E fê-lo porque de facto hoje instrumentalizei a morte de um homem para avançar a minha agenda política.

 

Primeiro enfiei a carapuça e depois vi que não tinha de o fazer. Não tinha, porque penso que a melhor honra que se pode prestar a qualquer homem falecido é discutir as suas ideias que por enquanto e até prova contrária, são a única coisa que aqui fica, além dos justamente pesarosos familiares.

 

As ideias de um homem, se ele for capaz de as deixar vincadas nos contemporâneos e vindouros, serão o maior orgulho póstumo (se tal é possível) para alguém que já tenha partido. Sendo Borges um democrata, um homem da luz, das luzes e também do espectáculo, tenho razoável certeza de que a ele não incomodaria que usassem as suas ideias, mesmo na ocasião da sua morte, para discutir temas que lhe fossem caros. 

 

O assunto da permanência no euro era muito caro a Borges, como se pode constatar no artigo linkado e penso que, repetindo-me, ele gostaria que alguém discutisse o tema com base nas suas posições públicas.

 

A pura e simples comiseração, mesmo por um homem que não conhecemos, de um RIP ou de um "que a sua memória descanse em paz", não basta. Não é uma homenagem. Homenagear é considerar válidas "a posteriori" as suas ideias, a sua personalidade, e claro, discuti-las sem entrar no valor estritamente pessoal com juízos subjectivos emocionais.

 

Claro que houve mais aproveitamentos à esquerda e direita. Manifestações populares nas redes sociais com júbilo incluído, mas essas são "vozes de burro que não chegam aos céus", como bem saberia Borges e não sentiria mover-se-lhe um fio de cabelo, ao ouvi-las.

 

Vivo directamente a evolução da participação no euro em dois países e indirectamente nos restantes da zona. Tenho visto as dificuldades pessoais de milhões de pessoas em Portugal e Itália aumentarem quotidianamente sem fim à vista. Penso que pelo percurso que seguimos, uma vez que não seremos capazes de nos reformar (tal como explicado abaixo) iremos perder soberania. Quer isto dizer que ficaremos sujeitos ao arbítrio de pessoas, repito, pessoas, não estados que esses são uma abstração e necessariamente amorais, estrangeiras que não são nem melhores nem piores que nós. Apenas pessoas mais organizadas colectivamente e mais disciplinadas governativamente que passarão a decidir em aspectos muito importantes de nossa anterior independência.

 

Isto é muito grave, do meu ponto de vista. Gostaria de ter conhecido directamente Borges  e fazer-lhe algumas perguntas que naturalmente agora são impossíveis, mas poderei sempre interrogar a sua memória escrita, pois foi dos poucos defensores do euro em Portugal, capaz de esboçar duas ou três ideias em sequência lógica. Não é pouco.

 

Paz à sua alma e oxalá usemos muito do seu registo para nos interrogarmos sobre o nosso futuro e dos nossos filhos. 

publicado por João Pereira da Silva às 21:01
link do post | comentar
3 comentários:
De Samuel de Paiva Pires a 26 de Agosto de 2013 às 23:32
Caríssimo João, como bem aponta, não era dirigido para estes lados, e concordo com os seus posts e posições. Era preferível que houvesse mais gente a discutir as ideias de António Borges, mas parece que é outro tipo de discussões que tem mais interesse para a generalidade da opinião publicada, blogs e redes sociais.

Cumprimentos
De João Pereira da Silva a 27 de Agosto de 2013 às 05:28
Caro Samuel,

Obrigado por ter respondido. A morte tem de facto um efeito agitador da tranquilidade das consciências. Será o medo?
De Samuel de Paiva Pires a 27 de Agosto de 2013 às 13:07
Caro João,

Ora essa. Talvez seja o medo, sim, entre outros factores. Feliz ou infelizmente, estes tempos que vivemos em que a internet potencia estes fenómenos.

Cumprimentos

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Muito bem.
O que me espantou foi o elevado número de político...
As conclusões são simples, se houver honestidade, ...
Belo post; são muitos anos a virar frangos ?
Senhoras donas Carina Quintas DA Costa e Ana Rosa ...

Arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter