Sexta-feira, 30 de Agosto de 2013

“Jovem” Democracia

A decisão dos juízes do tribunal constitucional, guardiões ideológicos de uma constituição virtual, não é mais que a simples continuação da mistificação nacional. Desta vez, os juízes “decidem”, ainda, que podemos ser ricos sem instalar em ambos sub-sistemas, público e privado, uma cultura de verdade, exigência, responsabilidade, eficiência e eficácia com um enquadramento conceptual do trabalho que privilegie a competência, o rigor e o mérito.


Não foi feita uma sondagem, fora do universo dos funcionários públicos, mas se o fosse, penso que a maior parte das respostas, seriam contrárias à decisão dos juízes, pois é de senso comum que a igualdade de despedimento no sector público e privado é um valor reconhecido, como positivo, para a organização do trabalho e eficácia da administração pública da qual todos beneficiamos e para a qual somos contribuintes.


Considero que os dois momentos introdutores de desequilíbrio mais profundo da nossa história recente foram: a revolução de 1974 e a entrada no sistema Euro.


Qualquer desequilíbrio de um sistema aumenta a resistência à mudança, e o ajustamento gradual a novas condições de equilíbrio é natural.


Estamos nesse processo que não nos é imposto pela troika como alguns nos querem fazer crer, mas sim, imposto por nós próprios, a vontade mais forte dos que querem evoluir como sociedade e aumentar a abundância de recursos próprios para melhor viver. E já decidimos internamente e estamos a fazer a reconversão. Apenas parece imposta de fora, mas a sua necessidade é interna e tem raízes sociais profundas. Porque o decidimos? Simplesmente, porque queremos viver melhor, numa sociedade mais justa, equilibrada e satisfatória.


O desequilíbrio de 1974 transformou-nos, por vontade popular, numa sociedade muito mais inclusiva. O analfabetismo funcional e absoluto foi reduzido, a sociedade em geral enriqueceu, os níveis de consumo aumentaram e a felicidade material instalou-se como regra e objetivo ao alcance da maior parte da população.  Esta ruptura com o passado trouxe à órbita do poder democrático muita gente antes excluída, cujos ancestrais, há tão pouco tempo como em 1940, andavam descalços. Naturalmente, quando os descalços alcançam o poder, a sua primeira preocupação não é salvar outros sem sapatos, mas calçar os próprios pés. E estamos nisto há 39 anos. São poucos, para calçar pés com 870 anos de calos provocados pelo chão duro e frio.


Nos ombros dos juízes, como em todos nós, pesa esse lastro da história, e a sua acção agora em causa, parece-me pura e simplesmente determinada por critérios materialistas fundamentados em medos herdados, esquecendo o ideal de sociedade subjacente ao inevitável ajustamento, pretendido pela população. Se queremos ser uma sociedade democrática rica, e assim o decidimos, poucos quererão voltar atrás.


Os juízes fazem parte dos componentes do sistema que faz a resistência que devemos considerar natural. A sua decisão é apenas um contratempo contornável e faz parte da inevitável desordem e desorientação dos sectores que pensam conservar eventuais conquistas, que não o são.


Os trabalhadores a recibos verdes na função pública, durante cinco ou dez anos, estão aí para demonstrar como o sistema se ajusta naturalmente para contornar as condicionantes ideológicas.


O desequilíbrio da entrada no Euro, colocou-nos por opção própria (recordo que impulsionada também por um dos actuais guardiões 1), numa camisa-de-forças que agora devemos continuar a usar se queremos evoluir economicamente, ou abandonar para voltarmos ao ciclo de défice, dívida, desvalorização, re-estruturação e manutenção numa pobreza terceiro-mundista que permita um estado caro, ineficiente e demagógico. Se nem mesmo os gregos aceitam sair do euro e estão em pior situação que nós, porque aceitaremos nós?


A manutenção no Euro parece-me consensual e os motivos óbvios: queremos impor aos nossos governantes, empresários e trabalhadores, uma disciplina e critérios de organização e produção, que no outro modo não teríamos, se estivéssemos isolados e fora da moeda única. Temos consciência disso? No fundo, penso que sim.


A resistência à mudança é inevitável, natural e aceitável. Há modos alternativos de reformar a função pública e a sociedade2 encarregar-se-á de os implementar com ou sem guardiões do passado.


Preste-se atenção às recentes notícias de crescimento do PIB e evolução positiva do emprego que resultam de uma vontade civil e não estatal. Não dependem do estado ou do governo (quanto muito, o estado pode estar menos ou mais no caminho, o que é o caso agora) e resultam do ajustamento que as empresas e trabalhadores estão a fazer por uma inevitável necessidade de sobrevivência3 e por isso também, o próximo governo, seja ele do PS ou do PSD, continuará a facilitar o ajustamento.

 

1Será que ele tinha consciência? Provavelmente, não.

2 Não acredito numa “consciência colectiva” mas sim na agregação impulsionadora de vontades individuais.  

3 Não pega a “historieta” da decadência civilizacional. Sou, por inerência do que sei da evolução da história do Homem, um notável optimista que ainda não morreu de lepra, tuberculose ou sífilis. 

publicado por João Pereira da Silva às 14:53
link do post | comentar
2 comentários:
De escudo-cplp a 4 de Setembro de 2013 às 15:57
"O desequilíbrio da entrada no Euro, colocou-nos por opção própria (recordo que impulsionada também por um dos actuais guardiões 1)"

- Sabia! Fora avisado por muitos. Antes de 1995 a maioria dos economista muito dificilmente pensavam possível que Portugal pudesse abandonar a moeda única. Condudo a dois anos da entrada entraram todos os doutos numa espécie de delírio futebolístico, e quem mantivesse a postura cientifica, João Ferreira do Amaral e Miguel Cadilhe foram ridicularizados em praça pública. Tudo o que JFA dissera que se iria passar aconteceu. É supreendente como aconteceu e durou tanto tempo.

"devemos continuar a usar se queremos evoluir economicamente, ou abandonar para voltarmos ao ciclo de défice, dívida, desvalorização, re-estruturação e manutenção numa pobreza terceiro-mundista que permita um estado caro, ineficiente e demagógico."

- Depois da clarividência do texto anterior fiquei triste em ouvir algo tão absurdo e propagandista. Não haverá desenvolvimento com o euro, acabou. Nem a constituição se irá manter no mais básico que promete, igualdade. O que vem ai é que é terceiro-mundo, um mundo onde os com acesso a recursos podem ter tudo e onde os que não têm vão ser desprotegidos. E que os déficites serão eternos, e que é a permanência no euro que permitiu o abuso dos recursos públicos porque durante 10 anos os recursos públicos se endividaram ad eterno em função de uma economia que não crescia e que instigava todas a actividades económicas a viver à sombra dos recursos do estado. A pobreza dentro do euro é o que nos espera, assim como a revolta, dos que não podem emigrar e perderam a esperança na vida.
- A zona euro se não muda o que estamos a viver é a normalização que se espera da zona euro, e Portugal será isto, um país sem esperança que continuamente hipoteca as suas riqueza na promessa vã que será dessa vez que as coisas melhoram.


"Se nem mesmo os gregos aceitam sair do euro e estão em pior situação que nós, porque aceitaremos nós?"

- Os gregos têm uma situação confortável dentro do euro. Nem vale a pena perder tempo a perceber porque o é. Portugal tem muito pouco a ver com a Grécia. Portugal tem o mar, a promessa de sempre e a única que vinga, já sabemos disso há séculos. Os gregos nada! Os gregos também são uma miragem de si há demasiado tempo, para querer ser alguma coisa mais. Não está na identidade Portuguesa ser-se servo da história.

"A manutenção no Euro parece-me consensual e os motivos óbvios: queremos impor aos nossos governantes, empresários e trabalhadores, uma disciplina e critérios de organização e produção, que no outro modo não teríamos, se estivéssemos isolados e fora da moeda única. "

- Essa foi a promessa da UE, foi a promessa do Euro, é a na verdade a pseudo-promessa. O euro fez da economia ainda mais dependente do estado. Mesmo agora o estado continua refém da promiscuidade com o capital, que continua preso hoje mais que nunca ao lucro fácil e seguro das negociações de monopólios e rendas fixas obtidos com legislação do estado. Mas só em Portugal, em toda a UE isso aconteceu, e vai continuar.


- A UE não vai deixar o estado libertar-se do parasitismo da produção e da alta finança. Aliás foi o euro que subjugou o estado à alta finança internacional.


"Temos consciência disso? No fundo, penso que sim."

- Engana-se 35 a 40% dos Portugueses já abertamente dizem não ao euro.

Quando a União Bancária, cujo nome diz tudo, começar a fechar bancos portugueses em detrimento dos depósitos dos Portugueses, a população revolta-se...

há que perceber o que é um sistema monetário, perceber o que de estranho existe na concepção do Euro, que o euro destrói a economia nacional porque esvazia o país de liquidez e por isso não é possível existir investimento interno. Pesquisar sobre EEE, OMC, possível reintegração na EFTA, possível criação de uma Zona Especial de Comércio Preferencial na CPLP. há mais mundo para além da Europa. A fixação com a UE já não pega.

A actual UE não foi a que fora referendada com a eleição de Cavaco Silva. A promessa de desenvolvimento, que você reproduz, dos anos 80 não se concretizou.
De João Pereira da Silva a 4 de Setembro de 2013 às 16:06
escudo-cplp, gosto muito do seu comentário e concordo na totalidade das críticas ao sistema-euro. Não vejo qualquer esperança na manutenção no euro para as economias do Sul da Europa. No post anterior não defendo a manutenção. Digo apenas que é, por enquanto consensual, na maior parte da população a manutenção.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Se calhar não percebeu.E o seu interesse por espre...
A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...
Kamarada Makiavel, sua pergunta é muito important...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter