Sábado, 7 de Setembro de 2013

O bifinho

Em minha casa, éramos 8 à mesa. Não se falava alto, não se discutia, e quaisquer conversas dos adultos implicavam automaticamente o silêncio respeitoso da filharada, a menos que fosse directamente interpelada. Insistências para comer eram desconhecidas, cada um dos seis rebentos tinha a sua ração tácita, as ocasionais e raras faltas de apetite (mais frequentemente repulsa idiossincrática por certos pratos) eram ignoradas.

 

Quando comecei a frequentar outras casas, estranhei a barulheira e os dramas: se o menino comia ou não comia a sopa, se era bem alimentado, e olha que a cenoura faz bem aos olhos, só comes sobremesa se acabares o que tens no prato - toda uma parafernália de regras, regrinhas e invencionices, um tédio.

 

Ainda hoje, fico pasmado com a quantidade de treta que envolve as refeições: as minhas categorias são salgado e insosso, doce e azedo, fresco e passado, canónico ou criativo (a designação simpática para a modernice culinária incompetente e internacionalista), e apetite ou falta dele. E tudo isto justifica pouca conversa: está bom, óptimo, assim-assim ou uma merda - eis tudo. Que alguns dos meus amigos mastiguem a alcachofra porque "faz bem ao fígado" ou ingurgitem quantidades inconfessáveis de fígado de cebolada porque "tem muito ferro", em vez de simplesmente porque lhes apeteça, releva para mim de impenetrável mistério.

 

Uma vez antes de muitas, ouvi em casa alheia um argumento que me deixou meditabundo, atirado à cara consternada de uma criança indefesa: o menino tem que comer porque há muitas crianças em África que morrem de fome. Levei algum tempo (demasiado porventura, alguns de nós são de raciocínio lento) a concluir que a fome dos meninos em África não fica saciada pelo efeito de as crianças mimadas comerem ou deixarem de comer o que quer que seja na Europa. E encalhei nessa conclusão de irrepreensível lógica.

 

Lembrei-me desta história por causa do que li aqui hoje: um maduro fretou um avião para transportar de costa a costa, a fim de lhes evitar a morte prematura, 1150 galinhas velhotas para um santuário onde os nobres bichos se vão poder espolinhar à vontade. Isto num país onde, nas grandes cidades, se tropeça frequentemente nos sem-abrigo a dormir nos umbrais das portas. Não me passa pela cabeça negar o direito ao benemérito de fazer com o que lhe pertence o que bem entenda, e menos ainda defender, com o que não é meu, generosidade pública - não sou de esquerda.

 

Mas lá que este menino grande americano era um daqueles aos quais, para comer o bifinho, se tinham que contar historinhas - era, de certeza.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 23:54
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Não disse que a formação em filosofia o desqualifi...
Palavras e campanhas levam-as o vento, talvez seja...
de ferias em porttugal e a gozar algum descanso re...
Eu cheguei a ponderar escrever tudo num só parágra...
Caro Manuel, tenho este blogue como leitura diária...

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter