Terça-feira, 24 de Setembro de 2013

Acidez gástrica

O meu colega Carlos Fiolhais (colega porque somos ambos físicos e professores, excepto eu, e ambos com opiniões abalizadas sobre política, excepto ele) não gosta do CDS mas aprecia muito o PSD. É um direito dele, e podia aliás ser muito pior: não faltam em Coimbra professores (inclusive de economia, possivelmente por serem muito económicos de senso) que navegam nas águas do BE.

 

Pois Fiolhais censura asperamente o recente aumento da importância do CDS no Governo, que acha uma "perversão da democracia". E, baseando-se na vitória de Merkel, que varreu do parlamento o Partido Liberal e não permitiu a entrada do AfD, faz um paralelo com a situação portuguesa e sugere uma grande coligação entre o PSD e o PS, "naturalmente com outros líderes", cujos nomes, com louvável franqueza, revela aos leitores.

 

Talvez tenham passado despercebidas ao senhor Professor algumas partículas que tornam a tese um tanto, vá, discutível: i) O SPD alemão não é o PS português - na década em que entre nós se aprofundaram políticas expansionistas, a Alemanha de Schroeder, esse traidor aos verdadeiros ideais socialistas, pôs o seu eleitorado a apertar o cinto, tal como a sua sucessora no lugar de chanceler, e o SPD tem um sagrado horror ao défice, que o PS não partilha; ii) A CDU, tal como o SPD, é fortemente europeísta, e nisso não se distinguem nem do PSD nem do PS. Sucede porém que o PS quer a "Europa" da solidariedade, ou seja do plante que o Fritz garante; e o PSD tem dias, dependendo da clique que o governe - Passos não é a dra. Ferreira Leite, os dois diferem muito do dr. Rio, e os três não são iguais a cerca de 137 putativos primeiros-ministros de que o PSD dispõe nas suas coudelarias; iii) O bloco central já foi experimentado e não deixou boa memória.

 

Acresce que as duas personalidades que são sugeridas para a solução salvífica do País são tão diferentes, e com tão distantes opiniões sobre o que deve ser feito que, salvo uma situação catastrófica, que aliás não é impossível, não se vê como poderiam juntar-se num composto estável.

 

E, com catástrofe ou sem ela, de táxi ou até de lambreta, o CDS não pode ficar "irrevogavelmente de fora". Ou melhor: pode ficar fora do Governo; mas não pode ficar fora do país.

 

Não gostam? Paciência.

publicado por José Meireles Graça às 21:30
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Ainda bem que o leio (de volta).Andava a matutar s...
O importante é que a permissão não contitui uma ob...
Eu fui bem educado por meus Pais e pelos meus Prof...
Confesso que não entendo o que o surpreende em os ...
O seu comentário é muito importante para nós. Mas,...

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter