Quinta-feira, 3 de Outubro de 2013

Por favor, não digam o que pensam

As três pessoas que leem com assiduidade e interesse os meus escritos sabem que não morro de amores por Cavaco: nem ideológicos (ele é estatista); nem sobre economia (ele entende que se três prémios Nobel estudarem a realidade portuguesa a fundo chegarão à mesma conclusão, que é a dele, e por conseguinte à mesma terapêutica, sobre a natureza dos nossos problemas); nem sobre a UE, o BCE e o Euro. Na realidade, estou mesmo convencido que, excepto pelo amor ao caldo verde, se o tem, em poucos assuntos poderíamos estar de acordo. E vou mesmo a ponto de dizer que, nele, a dicção, os discursos e as gravatas - detesto tudo.

 

Sucede porém que Cavaco resolveu, no estrangeiro, dizer, em Português, uma aldrabice - e eu acho que fez muito bem.

 

Um político - mais, um estadista - que seja sempre coerente, e que diga sempre a verdade, é um perigo. O exemplo clássico é o da autoridade com competência para desvalorizar a moeda, em países independentes, vai fazê-lo, e que é inquirida sobre se tem essa intenção - deve mentir com tantos dentes quantos tem na boca. E Deus nos livre se todos os ministros dos Negócios Estrangeiros desatassem a dizer o que realmente pensam sobre os países que visitam ou os estadistas que conhecem.

 

Aliás, mesmo que os eleitos não digam, porque não são suicidas, o que pensam sobre os eleitores, mas isso não afecte a nossa liberdade de os cobrir de vexames, ninguém esperaria que nós, que não passamos de privatus, desatássemos, nos velórios, a dizer o que nos vai na alma sobre os falecidos: o seu marido era efectivamente um filho da puta, minha Senhora! - afirmação realista e justa em muitos casos, mas realmente insusceptível de cair bem nos ouvidos da viúva.

 

Nós, que conhecemos Cavaco bem, como aliás os outros políticos da praça, sabemos distinguir e traduzir: uma coisa é o que se diz numa mensagem de Ano Novo, que pouca gente entre nós ouve, e nenhuma no estrangeiro; e outra o que se diz no estrangeiro, onde as paredes têm ouvidos.

 

Cavaco fez bem. E não carece deste lembrete, embora seja eventualmente útil para outros. Ele, isso, deve saber. Não saberá como se descalça a bota, mas ao menos não quer agravar a coisa - já é muito.

publicado por José Meireles Graça às 21:14
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Não disse que a formação em filosofia o desqualifi...
Palavras e campanhas levam-as o vento, talvez seja...
de ferias em porttugal e a gozar algum descanso re...
Eu cheguei a ponderar escrever tudo num só parágra...
Caro Manuel, tenho este blogue como leitura diária...

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter