Terça-feira, 1 de Maio de 2012

Eventos, liberdade, religião e balancetes

(Originalmente publicado no Senatus, em 19 de Agosto 2011)

 

 

O Nuno Santos Silva escreve um post curioso em que, classificando a visita de Bento XVI a Madrid como "um evento" (os adjectivos "mediático e comercial" são, na prática, indissociáveis do substantivo "evento"), encontra uma maneira de defendê-la. Até diz que também gostava de ter uma na terra dele (Portugal).

 

A explicação vem bastante direitinha, percebe-se muito bem, assim disposta por ponto um, ponto dois, etc., e no fim a devida conclusão, condicionantes incluidas. Linguagem dentro dos limites do tédio, uma coisa como eu gosto.

 

O ponto quatro diz assim: "As manifestações religiosas que colidam com a liberdade de outras pessoas e com as leis de cada país não devem ser admitidas".

 

Lamento que o Nuno não perceba que não existe "liberdade" e que, não existindo, defendê-la é pueril.

 

Porque existem "liberdades". Várias e específicas. E é impossível evitar todas as "colisões", porque se as liberdades de um tiverem sempre que terminar onde começam as liberdades do outro, ninguém exerce liberdade nenhuma. Para isso inventou-se a "tolerância". E as liberdades de uns não devem poder ultrapassar certos "graus de tolerância" tornando-se, a partir daí, "abusos". E os abusos, esses sim, devem ser previstos legalmente e punidos. Por isso, colidir com a liberdade ou colidir com a lei não é a mesma coisa. O Nuno considera que não houve colisão com "a liberdade de outras pessoas". Ou que, pior, essa colisão não é grave se atentarmos aos proveitos comerciais da visita de Bento XVI.

 

Eu considero que houve colisão com várias liberdades das outras pessoas. O trânsito alterou-se, com transtorno para muita gente. O centro da cidade encheu-se, houve zonas de acesso proibido, os transportes públicos devem ter estado insuportáveis e as televisões dedicaram ao tema horas infindas. Isto para referir apenas as mais visíveis. Agora a dúvida está na legitimidade dessa colisão. Ou seja, onde é que se coloca o risco que desenha o limite do abuso?

 

Talvez se possa falar de "abuso" quando são agredidas as "liberdades" que são consideradas "fundamentais". Parece-me que até estão listadas num documento qualquer. Se assim for, a liberdade de exercício do meu culto religioso deve ser limitada a partir do ponto em que eu agrida alguma liberdade fundamental de outra pessoa. Nunca antes. E sempre depois.

 

Não vi qualquer abuso em Madrid, mas o Nuno não se interessa por estes detalhes. Desenha o risco unindo os pontos do balancete a partir dos quais o valor em euros é positivo.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 13:27
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, ignorava. Obrigado.
Muito bem! De referir apenas que já não existe, de...
Nem a proposito... ainda ontem lia esta noticia......
O autor deveria saber que para o Estado não ir á s...
Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter