Sexta-feira, 6 de Dezembro de 2013

Socialismo falhado condenado a falhar

Porque é que a tentativa de implementar a social-democracia está a falhar clamorosamente nas sociedades sulistas da Europa? Provavelmente porque a Sul temos um muito maior sentido de Família que de Comunidade. O sentido de Família implica uma maior individualismo em confronto com indivíduos estranhos ao clã, e o de Comunidade uma maior sensibilidade ao impacto das nossas acções fora do clã.

 

Em Itália, Portugal e Espanha, o estado de limpeza das ruas é bem demonstrativo da falta de senso comunitário da maioria das gentes. Como o espaço é menos entendido como comum, o respeito por ele é menor. "O meu espaço é o do meu clã, dos outros não quero saber" e as regras de limpeza e civismo têm de ser sempre mais impostas por estados cada vez mais fiscalizadores.

 

Em contrapartida ao mais elevado sentido de comunidade, o senso apurado de Família proporciona maior solidariedade e entre-ajuda, entre os seus membros, enquanto a Norte esse conceito menos apurado, empurra, por exemplo, os filhos para fora de casa dos pais muito mais cedo que os "mammoni" do Sul que sabem poder contar com o apoio familiar. No Norte o "apoio" é no sentido de os correr de casa o mais cedo possível.

 

A dificuldade é que na base da solidariedade socialista está o senso de comunidade, e a Sul, um individualismo acentuado impede realizar esse ideal. O maior individualismo sulista tem enormes implicações ao nível das éticas e morais sociais e económicas e por isso não é de estranhar que a Sul convivamos com uma enorme diferença entre os discursos sociais-democratas de defesa do Estado-Social (apoiado num forte senso comunitário) e a prática profundamente individualista dos clãs (grupos de interesse, partidos e etc.) que pugnam, sempre e em primeira mão, pelos seus próprios interesses específicos. "Falta de sentido de Estado" não é uma expressão comum nas nossas políticas?

 

A Sul, estados grandes e reguladores, nas mãos de clãs/grupos minoritários, controladores da maior parte da sociedade, e muito representantes dos seus próprios interesses, dificilmente poderão implementar sociais-democracias de carácter nórdico. Por mais que se tente, interesseiramente, vender a ideia de que isso iria reduzir desigualdades, assimetrias e iniquidade, falta aos cidadãos, senso de Comunidade: o respeito pelos indivíduos fora da nossa Família/Clã/Grupo.

 

A cultura é uma sacana difícil de destruir e a ideologia uma arma eficaz de controlo de massas.

publicado por João Pereira da Silva às 08:02
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Obrigado eu por o ler.
De facto, o orgulho em nós próprios, nas nossas es...
Os comunas ou marxistas são assim em todo o lado...
Pura corrupção xuxa-kostista
Senhora dona Sonia Mark, por favor vá publicar os ...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter