Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2013

A Itália também é uma figura de mulher, guardiã da tradição, mas louca e sem esperança

Este é um post à Pedro Arroja, que fez recentemente o livro "F: Portugal é uma figura de mulher", mas ao contrário, não sobre Portugal, mas sobre a Itália, o berço da cristandade, onde Pedro criou e desenvolveu a Igreja, e da elevação (pela Igreja) da mulher ideal ao altar de Maria.

 

Vivo há três anos em Itália e julgo que agora começo a entender a superficialidade de uma cultura que na aparência é muito semelhante à nossa, mas que no fundo é muito diferente, apesar de ter aspectos comuns.

 

Este é o país onde as patentes são geradas, a uma velocidade impressionante, e onde elas são muito símiles a outras desenvolvidas noutros países. À genialidade reconhecida italiana, adiciona-se a enorme facilidade com que se replica e copia o que é feito lá fora. Como a economia é muito fechada, os italianos preferem, por princípio comprar produção própria, e as novidades externas são lançadas internamente, mais tarde, muitas vezes por italianos "inspirados" no trabalho original de outros.

 

Este é o país que tem a pior penetração de banda larga e acesso à internet da europa comunitária. A rede de cobre impera na maior parte do território, o gestor está falido e o investimento de fibra ao nível nacional não está sequer previsto fora do papel. A reacção ao desenvolvimento é bloqueada em primeira mão pelo próprio governo e cliques partidárias pois o acesso livre à informação contraria o controlo apertado que os media impõem ao que é oficialmente comunicado.

Este é o país onde tudo é dobrado na televisão, onde se fala menos línguas estrangeiras na europa comunitária e onde a cultura tradicional é mais mantida de modo fechado.

 

Este é o país machista onde as mulheres mandam nos homens. É o país onde, depois de milénios de subjugação da mulher ao homem (relembrar a pater potestas, romana) a mulher encontrou um papel determinante de refúgio, tornando-se a "mamma", o colo seguro, onde os homens, que vivem num inferno social extremamente instável, encontram na figura materna a única segurança sem condições. É o país da Europa em que os filhos saem de casa mais tarde e profundamente dependentes.

 

É o país de um enorme choque geracional e civilizacional. Onde os papeis tradicionais de comportamento da família já não fazem sentido mas ainda não foram encontrados outros. Não há mãe que em perfeito juízo pense ser possível criar uma filha para o papel tradicional feminino (gerando uma potencial dependente para toda a vida) e não há pai que pense poder criar um filho para o papel macho conservador, pois já não haverá mulher que o ature, dependente, autoritário e todo-poderoso.

 

É o país onde o primeiro-ministro nomeado vai em primeiro lugar pedir a bênção e apoio político ao Papa para evitar, que nas igrejas cheias, algo de contrariador possa ser dito pelos sempre presentes e importantes padres.

 

É o país de Maquiavel, de muitos príncipes e de muitos mais servos, onde o poder político resulta de enormes manipulações sociais e políticas .

 

É o país que depois do império romano, subjugador, deu ao mundo as heranças enormes da igreja católica e da mafia. O país da união conseguida por Garibaldi com enorme derramamento de sangue e dor para o sul do país, onde agora os do norte, netos dos conquistadores, reclamam a separação. Onde os do sul, os "briganti" em reacção ao poder do norte, criaram o estado paralelo que depois se expandiu na enorme emigração italiana, com nomes como a "mafia", a "camorra", o "sacro cuore".

 

É o país que tem a mais alta taxação da Europa. Onde as taxas, suportadas por uma burocracia imensa, alimentam uma classe política das mais bem pagas no mundo.

 

É o país controlado por homens subjugados a Maria. Um país matriarcal onde qualquer decisão importante de qualquer homem é feita em conselho familiar presidido pela mulher predominante.

 

É o país da religião. Da maior mentira alguma vez elaborada no mundo ocidental, sobre a  qual se construiu um pretenso castelo de cartas de "verdades" (perdoem-me os amigos católicos dogmáticos).

 

É o país onde as mulheres, durante gerações, enlouqueceram de sofrimento. De dor, após gerações de controlo masculino por parte de primogénitos obcecados pelo poder, secundados por segundos que partiram para a solução de recurso: o trabalho eclesiástico.  O país onde as mães não têm como ver futuro para os filhos, que ou singram fruto de relações familiares favoráveis, ou então minguam toda a vida não interessando o mérito que tenham, ou ainda emigram.

 

É o país onde a justiça não funciona e é instrumento. Onde Berlusconi ficou rico depois de ser primeiro-ministro (apesar do mito de que já o era) e onde o seu principal adversário (De Benedetti) é o expoente sombra do principal partido contrário a Berlusconi (o PD). Quando ouvirem dizer que Berlusconi é perseguido (e apesar de muitos disparates que ele tenha feito) pode ser verdade. 

 

É o país com uma das maiores dívidas públicas do mundo que continua há 4 anos sem fazer qualquer austeridade, afundando-se sempre mais, na esperança de uma retoma que ainda não aconteceu. Onde as contas públicas no ISTAT (nosso INE) são publicadas com 3 ou mais anos de atraso.

 

Sim, tal como Portugal, a Itália também é uma figura de mulher, guardiã da tradição, mas louca e sem esperança. A loucura dos filhos, não será, também, à medida da das suas mães? Porquê? Porque as mulheres são o receptáculo do sofrimento da humanidade: a única que sofre a vida do filho como o filho, ou mais, é a mãe. O sofrimento deixa marcas, por gerações.

publicado por João Pereira da Silva às 17:01
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Se calhar não percebeu.E o seu interesse por espre...
A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...
Kamarada Makiavel, sua pergunta é muito important...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter