Sexta-feira, 4 de Maio de 2012

A miragem teimosa

Aprecio o equilíbrio orçamental (e até o superavit, quando seja necessário, como é, reduzir a dívida pública), não sou adepto da desvalorização artificial da moeda (como não sou, aliás, da valorização artificial) e reconheço os males da inflação.


Não ignoro que a indústria exportadora tem dado sucessivas lições ao país oficial e economês de como sobreviver, e até prosperar, com o Euro, um Estado gordo e incapaz de se reformar, uma fiscalidade predatória e penalizadora dos criadores de riqueza, uma opinião pública educada nos princípios da economia vudu, outrossim cainesianismo tuga, e uma opinião publicada geralmente sobranceira, quando não hostil, em relação aos empresários que temos, se não estiverem albardados de diplomas e tretas, e que fazem o seu caminho com algum sucesso sem precisar do Estado que trazem dependurado ao pescoço. Uf.


Fui contra a adesão ao SME, primeiro, e o Euro, depois. Acho mesmo que essa adesão foi o maior erro perpetrado contra a Economia depois do 25 de Abril, mais grávido ainda de consequências negativas do que as nacionalizações e os outros delírios do PREC. Porque o Euro retirou a válvula de segurança contra tolices de política económica que a moeda própria é, e fez-nos bater na parede com um nível de dívida pública e privada sem precedentes. Tivéssemos o cansado e desvalorizado Escudo, em vez de estarmos protegidos por uma moeda alemã (Euro foi o nome que o Marco tomou) e os emprestadores teriam fechado a torneira muito mais cedo.


Meridiano bom senso, a mim modestamente me parece o meu discurso - o óbvio é muitas vezes o mais difícil de ver.


Mas há mais: o Euro foi uma opção política deliberada para tornar a Europa federal inevitável - não é preciso ter uma visão conspiratória do mundo para o supôr. E ainda que a maior parte dos meus concidadãos estivesse, ou esteja, disposta a trocar a pertença a uma casa arruinada por um clube de ricos (cada vez menos ricos, aliás) é uma evidente ilusão imaginar que esses ricos estariam dispostos a sustentar os consócios caloteiros.


Não vamos, é claro, sair do Euro. Será antes o Euro a sair de nós ou, pior, a, por milagre, sobreviver. E, se for o caso, deixaremos em herança à geração seguinte um patrão exigente, irascível, autoritário e distante. Já sucedeu antes, há muito tempo, quando a Europa estava semeada de tribos celtas. Agora não, que as tribos diferenciaram-se, as línguas separaram-se, as fidelidades ganharam fronteiras definidas e o sentimento de pertença ganhou raízes dentro delas. Não atiraremos a canga ao ar talvez - outros o farão por nós.


E a que vem este arrazoado? Ora, foi despoletado por isto. Comme quoi, com tanta análise divergente, pressupostos diferentes, e propósitos tão distantes, se pode chegar à mesma conclusão - deve ser verdade que o Euro une.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 23:00
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

E já agora e ainda que não tenha directamente a ve...
Virólogo queria eu dizer.
O virólogo e bacteriólogo de nome Dr. Stefan Lanka...
Bom dia!Primeiro de tudo, quero esclarecer que o m...
Como é que se pode afirmar que o vírus do sarampo ...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter