Quinta-feira, 30 de Junho de 2016

There is no such thing as public money, it's your money

Como é que vão ser pagos os cinco mil milhões de euros que o governo português vai injectar na Caixa Geral dos Depósitos para cobrir as imparidades resultantes da utilização do banco público como porta-moedas dos governos socialistas para financiar a economia e projectos estratégicos, reforçar os rácios de capital do banco e, porque não, deixar lá um ou dois mil milhões de sobra para gastar com os amigos financiar a economia?

  1. Por um aumento de impostos?
  2. Pelo que resta da almofada financeira constituída pelo governo anterior para fazer face a adversidades imprevisíveis que afectassem o acesso aos mercados?
  3. Por novas emissões de dívida pública?
  4. Passando pelo OE e contribuindo para o cálculo do deficit público?
  5. Passando por baixo da mesa e não afectanto o deficit publicado?

A resposta certa é "Vão ser pagos com o vosso dinheiro".

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 13:00
link do post | comentar
Quarta-feira, 29 de Junho de 2016

Três europas

Acho - a sério que acho - a maior parte dos meus concidadãos um bom feixe de totós: qualquer óbvio parlapatão, como Sócrates ou Costa, para referir apenas dois dos mais recentes, lhes come as papas na cabeça, um e outro apoiados contra ventos, marés e a evidência, até ao ponto em que a porca realidade bate à porta, o que sucederá também com a segunda destas personagens; caso em que mudam de cavalo, em geral para um tipo dito de direita que vai colar os cacos, após o que regressa outro socialista que embrulha a mesma velha receita numa nova girândola de promessas e facilidades.

 

Quando, volta e meia, a direita chega ao poder, faz o que pode para não hostilizar nenhum grupo dos que quarenta anos de democracia dependuraram no Estado, ao mesmo tempo que introduz um módico de racionalidade nas contas. Receita infalível para nem as equilibrar duradouramente, nem segurar o eleitorado, nem introduzir qualquer dinâmica permanente de crescimento económico: porque o que faz, no esforço impossível de conservar o Estado Social como o desenharam os seus numerosos pais, é aumentar os impostos dos ricos (na realidade a classe média, que ricos verdadeiros já não há nem em quantidade nem em volume) e fazer cortes - poucos e a eito, que distribuindo-os pelo maior número impactam menos.

 

As coisas pareceram diferentes nos consulados cavaquistas, que ao mesmo tempo deram a impressão de enterrar o PREC, promover o crescimento, expandir o Estado e afastar os demónios da esquerdização do país - um milagre que a cornucópia dos milhões da CEE e um módico de realismo na gestão do erário público, depois de mais de dez anos de loucura, engendraram.

 

Depois veio o Euro. E como nada mudou profundamente nem nas convicções do eleitorado, nem nas práticas de governo, nem nas clientelas e dependentes do Estado, e a tudo se somou o crédito fácil porque a dívida externa havia deixado de ser, na esclarecida opinião de, entre muitos outros, o celebrado Vítor Constâncio, um problema, aterramos na falência de 2011 - que só não teve lugar mais cedo porque as instâncias europeias estavam elas próprias, como ainda estão hoje, enxundiadas de constâncios de vária forma e feitio.

 

O país ficou desde então esquizofrénico: de um lado a esquerda comunista, a genuína e a do facelift, a primeira a defender a saída do Euro, sempre sem explicar de que forma é que o país se financiaria depois, decerto porque tem uma solução à la Ceausescu, e a segunda a dizer umas coisas ternas que implicam que os países credores passem a ser governados por gente da estirpe de frei Anacleto; no meio, a esquerda socialista a defender precisamente as mesmas políticas que conduziram ao desastre, numa versão mais palatável para os credores, e confiante em que os países do Sul acabem por impôr ao Norte a política do gaste agora e pague num dos próximos séculos; e do outro a direita, confiante em que as instâncias europeias exijam ao eleitorado português o juízo que este não tem, porque o dinheiro é deles, e nosso é apenas um modo de vida que não temos meios para sustentar.

 

É neste caldo que cai a notícia do Brexit. E, pelas razões erradas, uns se confessam a favor e outros contra. Isto na opinião publicada, que a pública está naturalmente preocupada com as verdadeiras condições físicas de Moutinho, o estado de espírito de Ronaldo e a possibilidade de tirar uma selfie com Marcelo.

 

A esquerda comunista gosta, oficialmente porque o povo falou e, desta vez, falou bem, na realidade porque a UE capitalista sai enfraquecida e se quebrou o tabu da irreversibilidade da permanência.

 

A esquerda socialista detesta: o fonds de commerce do PS sempre foi o Serviço Nacional de Saúde, o sistema de pensões, a obra pública, o Estado pletórico, o Euro, o crédito barato, os fundos de coesão, os boys, a retórica (e os proveitos) da Europa Connosco, e a esperança de que um dia nos Estados Unidos da Europa houvesse um mecanismo permanente de transferência dos ricos para os pobres, com o louvável propósito de ficarem estes igualmente ricos e, entretanto, se sustentarem todos estes avanços civilizacionais. Isto para não falar dos prémios de carreira oferecidos pelo Parlamento Europeu a políticos particularmente dotados, dos excelentes lugares que a burocracia reserva a gente empreendedora albardada de diplomas, das numerosas oportunidades de lobbying, e das avenidas abertas por fundos públicos para as mais diversas, e generosas, oportunidades de corrupção e negociatas. O Brexit estraga este suave arranjo, por pôr a nu o facto incontornável de, algures numa Europa unsufferably variada, haver eleitorados que prezam ideias ultrapassadas como quererem responsabilizar os seus eleitos directos pelas decisões que tomam, não admitirem escolhas, tomadas por estrangeiros, que afectem as suas vidas, não aceitarem a prevalência do direito comunitário, quererem ter uma palavra decisiva sobre política externa, acordos comerciais, fiscalidade, banca, tratamento a reservar para imigrantes, comidas e comportamentos, incluindo a capacidade dos autoclismos e a vida de todos os dias - que os técnicos do Estado Central Bruxelense regulam de forma superiormente competente, decerto, mas em obediência ao estúpido princípio de que one size fits all.

 

O PSD, suposto que haja apenas um (o que é discutível: o de Passos Coelho não é certamente o mesmo partido que o de Manuela Ferreira Leite ou do intelectual Pacheco, o qual pouco terá a ver com o Presidente dos afectos) diverge muito do PS sobre o que fazer na ordem interna, mas no que toca às relações com a UE a divergência reduz-se à escolha do método para espremer a teta europeia: o PSD quer ser um bom aluno e o PS um aluno aldrabão, mas muito temperamental e simpático. No PSD, portanto, o Brexit não caiu bem: não há por lá falta de federalistas, que entendem estarem as instâncias europeias recheadas de cérebros das melhores extracções, que no Parlamento Europeu se reúne a fina flor dos democratas europeus, e que aquela parte, de resto infelizmente crescente, de eleitores xenófobos, retrógrados e reaccionários, em vários países, é apenas uma vaga passageira, assustada com os imigrantes, a globalização e a modernidade, que se pode conter com algumas cedências, à espera que morram ou diminuam - são sobretudo velhos, desempregados, desapossados e gente sem formação.

 

Uma parte do CDS gostaria de ser independentista, e outra não morre de amores pela Europa socialista, nem por quaisquer socialismos de toda a pinta, mas o país deixou há muito de ter até mesmo aquele pequeno grau de autonomia que podem ter os pequenos países, se não dependerem de credores. E vai por isso mantendo a chama acesa de algum conservadorismo em questões sociais, à espera de melhores dias, almejando no intervalo chegar ao Poder com o recente parceiro, cuja ocasional deriva socialista quer moderar.

 

Temos então que o país oficial não vê o Brexit com bons olhos. E os meus concidadãos, dos quais falava a princípio? A minha suspeita é que se estão nas tintas: há muito tempo que o reformado se preocupa com a sua pensão, o funcionário público com o seu lugar, o empregado com o seu emprego, o doente com a data da consulta ou da operação, alguns pobres ou ciganos com o RSI, os desempregados com o tempo que falta para acabar o subsídio, os empresários com as empresas, o sem-abrigo com a próxima refeição e todos com o Campeonato Europeu. Intuem confusamente, com razão, que o que conta para o país não se decide cá, que na dúvida é melhor apoiar quem lhes põe alguns euros no bolso, mesmo que poucos, e que entre uma gente sorridente que lhes promete um futuro radioso em que não acreditam e outra sombria que lhes promete sangue, suor e lágrimas já a seguir, mais vale ir pelos primeiros - pode ser que dure. Quando for preciso virar o bico ao prego, cá estarão: ninguém votou no eng.º Sócrates, não é verdade?

 

Com o que se passa nas Ilhas Britânicas preocupam-se os emigrantes lá, que supõem que o fim da livre circulação de trabalhadores os pode prejudicar. Pode, de facto, se as autoridades locais resolverem auto infligir-se danos. Há sinais disso? Não vejo. E também não vejo que nas negociações de saída não seja possível salvaguardar os interesses dos trabalhadores portugueses - já lá vamos.

 

Restam aquelas pessoas que se dão ao trabalho de pensar a UE, o nosso país e o futuro. Deixemos de lado os comunistas, e o arco-íris do BE - essa gente não conta, por muito barulho que faça e muito espaço que ocupe na comunicação social: uns comem consabidamente crianças ao pequeno-almoço e outros são uns espécimes suspeitos que nem têm a competência que o eleitor imagina ao PS para gerir o Estado Social nem a do PC para revolucionar. Se a uns acabarem com a chupice dos sindicalistas e a clientela das câmaras do Alentejo e a outros fecharem os cineclubes, as cervejarias, as manifestações gay e contra os toiros de lide - apagam-se.

 

Deixemos de lado também a gente enfarinhada nos restantes partidos: conquistar e conservar o eleitorado e defender ao mesmo tempo ideias escorreitas é tarefa que em Portugal é ainda menos possível do que noutros lugares: o dr. Medina Carreira andou anos a dizer que o país ia bater na parede, como bateu, e a verberar a classe política por não dizer a verdade, sempre lhe tendo escapado o detalhe óbvio de que, se fosse candidato a alguma coisa, a verdade dele teria ainda menos votos do que os recolhidos pelo seu amigo Henrique Neto nas presidenciais. O que diz a gente dos partidos é o que cada partido acha, em nome da táctica eleitoral, que se deve dizer - e está bem assim porque um partido não é uma associação de suicidas nem um grupo de escuteiros.

 

Mas a quem não é de esquerda, não papagueia linhas de partidos, e não é federalista, tenho ouvido coisas extraordinárias: que a saída do Reino Unido implica a secessão da Escócia, e talvez do País de Gales; que o Reino Unido, sozinho, perderá influência no mundo; e que foram os velhos, e não os jovens ambiciosos, modernos, aguerridos e desempoeirados, os responsáveis pela vitória do Brexit.

 

Comecemos pelo fim: a ideia de que os jovens, e nunca os velhos, têm razão, filia-se não sei em que estranha análise sociológica. Acaso foram velhos que levaram o partido Nazi, ou Mussolini, ou os Bolcheviques, ao Poder? Aquele jovem com aspecto de tísico que lidera o Podemos é mais lúcido do que Rajoy, cuja barba está semeada de brancas? E não está entre nós a bancada do BE estrelada com umas jovens, e uns moços, dos quais é legítimo suspeitar que têm, entre as orelhas, uma forte corrente de ar, e não foi sobretudo gente nova urbana que os escolheu?

 

O Reino Unido foi sempre, nas instâncias europeias, a pain in the ass, e sempre negociou cedências e excepções. Mesmo assim, e para quem não puder com Nigel Farage (um político que em Portugal é tão conhecido, e tão divulgado, como o governador do Delaware, não obstante as suas frequentes intervenções no Parlamento Europeu, o tal que os europeus conhecem e os representa) basta acompanhar Daniel Hannan para perceber as razões de queixa que pode ter quem não tem para com o seu país a mesma atitude de desdém que nós justificadamente temos para com o nosso.

 

Sobre a influência do Reino Unido no mundo talvez seja útil lembrar que a União Europeia se tem distinguido, precisamente, por não a ter: nenhuma guerra começou ou acabou, dentro e fora da Europa, por causa da UE; assim de repente não sou capaz de dizer como se chama a senhora ministra dos Negócios Estrangeiros da UE, se é que ainda é uma senhora; e nem o problema dos refugiados (os autênticos, não os imigrantes económicos) a UE consegue resolver, porque para a solução das guerras que lhes deram origem a UE contribui com declarações, mas não com o Exército que não tem nem, salvo na cabeça de alguns alucinados, virá a ter.

 

E não será despiciendo lembrar o que o Reino Unido pode ganhar comercialmente não estando na UE, já que não falta quem enumere o que pode perder. Ver aqui.

 

Resta a secessão. O argumento segundo o qual seria necessária a unanimidade dos 27 países para admitir na UE uma Escócia independente, e que a Espanha nunca concordará, por causa da Catalunha, é pouco convincente. Uma UE vingativa decerto encontraria formas imaginativas de punir o eleitorado inglês pelo atrevimento, contornando a objecção espanhola. E por isso cabe perguntar: deve a UE ser vingativa, como por esta desastrada iniciativa se percebe, ou pela grotesca ideia de eliminar o inglês das línguas de trabalho (a benefício, supõe-se, do esperanto), ou pelas insolentes declarações de Juncker, o liliputiano apparatchick europeu que já conseguiu o prodígio de fazer Durão Barroso parecer um estadista?

 

Não, não deve - punir eleitores pelas escolhas democráticas que fazem é coisa que pertence ao destino, se as escolhas forem erradas, não é castigo que uns eleitos (mesmo que o fossem: a legitimidade de Juncker, Tusk e Schultz é uma construção ficcional) possam impôr a outros, porque não existem uns de primeira e outros de segunda: os totós a que me refiro no início deste post são-no de facto, na minha opinião, mas não têm menos legitimidade do que a minha na hora de votar.

 

A vingança é má conselheira, e é-o mesmo do ponto de vista dos interesses de quem a exerce: a liberdade de circulação de bens, capitais e pessoas (pessoas, entenda-se, originárias e naturais do espaço europeu, e liberdade de circulação, não liberdade de aproveitamento de benefícios sociais), que devia ser a pedra angular da UE, não foi a razão pela qual tantos ingleses votaram pelo Brexit - mas sim o furor legislativo, anti-identitário e supra-nacional. E o acordo de saída a que se vier a chegar deveria assim, pelo menos, não apenas ser semelhante ao que regula as relações com a Noruega ou a Suiça, mas mais europeísta, na medida que o governo inglês o deseje e entenda ser do seu interesse. O argumento segundo o qual os ingleses não podem ter os benefícios do mercado único sem terem os custos é, além de repugnante, estúpido: a liberdade de comércio, bem como quaisquer outras liberdades mutuamente reconhecidas, funciona a benefício das partes.

 

É porém duvidoso que venha a acontecer: os europeístas foram sempre, como todos os construtores de impérios, uma malta arrogante, fiados na superioridade das suas crenças e na inevitabilidade da realização das suas engenharias de pátrias; ao mesmo tempo que os eurocépticos foram sempre uma tropa prudente, desconfiada de avanços bruscos em nome de ideias redentoras e de terraplanagens de passados históricos, que não existem menos por serem mal conhecidos e mal interpretados.

 

A ironia triste de tudo isto é que os eurocépticos merecerão, provavelmente, ficar como os verdadeiros europeístas, porque sempre tiveram a ideia de que a Europa que vale a pena tem tantas formas geométricas quantos os graus de harmonização que os países que a integram livremente quiserem; que a liberdade de comércio faz mais pelo entendimento entre os povos do que todos os tratados; e que a interdependência é uma inevitabilidade do acelerar dos meios de comunicação e do progresso tecnológico, não alguma coisa que uns burocratas pagos a peso de ouro possam decidir no silêncio dos gabinetes, presenteando depois os cidadãos com as suas decisões democráticas.

 

Esta Europa possível, da qual o Reino Unido não se teria evadido, já existiu, e chamava-se CEE. É certo que os “pais fundadores” inscreveram nos tratados a superioridade do direito comunitário, com isso plantando o vírus que destruiria a prazo o edifício. Mas não era inevitável que, sem tanto euro-entusiasta, se tivesse chegado a Maastricht.

 

Porque Maastricht e o Euro são possivelmente a razão porque o acordo com o Reino Unido não será um bom acordo. Explico: é hoje mais ou menos pacífico que a moeda única implica políticas orçamentais e fiscais unificadas, ou seja, mais integração; a pulsão para essa integração ser extensiva aos países que não estão no Euro será permanente porque não o fazer implica a existência de uma Europa a duas velocidades, uma ideia antipática para o monolitismo da burocracia; um bom acordo com o Reino significa na prática que este ficaria na CEE renascida, 19 no Euro e 8 na UE sem Euro - três europas, portanto. Acresce que o possível sucesso do Brexit sinaliza àqueles que não estão no Euro, e que por isso teriam mais facilidade em sair, que a permanência não será talvez a melhor das escolhas. Isto, por sua vez, reforçaria a convicção de que o Euro é uma espécie de núcleo duro da UE, o que choca com eleitorados crescentemente cépticos e que querem menos, e não mais, integração.

 

A tentação será assim grande de punir os ingleses, não tanto por eles mas, sobretudo, pelos que ficam, para não lhes dar ideias.

 

São previsões, hipóteses e lucubrações - a possibilidade de falhar é sempre maior do que a de acertar. De adquirido temos que a face risonha da União Europeia, a versão não-comunista do amanhã cantante, está desfigurada com a falha de um incisivo que caiu, vendo-se agora melhor as cáries que havia lá para trás; que o Euro, uma invenção de economistas patetas e políticos visionários, consegue ser um problema até mesmo para quem nele não participa; e que o cerrar fileiras que a burocracia imperial pode ter a tentação de fazer não deixará de confirmar aos velhos, aos ignorantes, aos retrógrados, aos timoratos, aos xenófobos e a todos que, em vários países, que não o nosso, não são nada disso mas confiam pouco nas ideias que os bem-pensantes propalam, que é sempre possível mudar.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 12:57
link do post | comentar | ver comentários (7)

O palhaço pobre

Talvez os assessores do António Costa receiem que a popularidade estratosférica do presidente Marcelo, baseada na sua capacidade de construir "afectos", na simpatia natural e na piada fácil e carregada de inegável sentido de humor, lhe possa vir a fazer sombra se um dia a relação esfriar, e acreditem que a relação há-de esfriar, e talvez lhe tenham aconselhado a ser também afectuoso e engraçado? Talvez lhe tenha saído da sua própria cabecinha que consegue ser engraçado e vale a pena aumentar a sua popularidade à custa do humor que Deus lhe deu?

A verdade é que, de há uns tempos para cá, o primeiro-ministro tem vindo a desempenhar quase diariamente números de stand-up.

Começou pela oferta pública ao presidente, durante o fim-de-semana idílico e cúmplice que mantiveram em Paris, e eles terão sempre Paris, de um postal do quadro "O salto do coelho" do Amadeo de Souza Cardoso, acompanhado da explicação "Há uns que saltam, outros não", não fosse o presidente ser incapaz da atingir sem ajuda a piada da coisa, baseada, e eu presto aos leitores o serviço público de a explicar, na vaca voadora e no apelido do líder da oposição. Coelho, voador. Percebem? As comitivas riram-se, as comitivas riem-se sempre, quanto mais não seja por passarem uns dias a passear em Paris à custa dos contribuintes, mas o presidente não se chegou a rir. Coitado, o preço de manter relações de cumplicidade com morcões é encorajá-los a partilharem as suas anedotas, e ter que as ouvir.

Seguiu-se, no São João passado no Porto, o remake do lançamento do microfone da CMTV pelo Cristiano Ronaldo, em que o folião do primeiro-ministro pegou, mas não chegou a lançar, o microfone, e explicou, e a explicação ajudou a esclarecer quem não conseguisse atingir sem explicação o alcance da piada, que "Isto afinal lança-se bem, não é preciso muita força", e a comitiva, como não podia deixar de ser, riu-se.

Não se dando ainda por satisfeito com a exibição de tanto humor, ou encorajado pelo sucesso junto da comitiva, chegou às jornadas parlamentares do PS nos Açores e decidiu brincar com o Brexit, desta vez com uma estatística que não teria ficado deslocada ao Américo Tomaz que, no entanto, em parvoíce, estava longe do que se faz hoje em dia, que os tempos eram outros, com a piada "Agora que a Europa vai perder algumas ilhas atlânticas, há 13 ilhas atlânticas que só Portugal pode dar à União Europeia", que desencadeou, naturalmente, risos na comitiva.

Não se sabe se, satisfeito com o sucesso, hoje repetiu a piada em Bruxelas, aos ingleses e aos europeus. Se repetiu, só há uma coisa certa nesta vida: a comitiva riu-se.

Só há uma coisa que os assessores se esqueceram, ou não tiveram coragem, ou tempo, de lhe explicar. É que o exercício do humor exige cultura, inteligência, rapidez de raciocínio, capacidade de contar em simultâneo histórias diferentes se vistas de pontos de vida diferentes, de ironia, de surpreender o receptor. Qualidades que ele, "vamoláver", na sua figurinha de brutamontes que nem consegue articular frases completas em português corrente, não tem. No esforço por acompanhar o palhaço rico, não consegue fazer melhor do que fazer figura de palhaço pobre. Mas está bem assim, que é isso que se quer.

E, do mal o menos. Podia ser bem pior se ele se sobre-entusiasmasse com as competências no bailado, que certamente lhe vêm dos anos no Conservatório. Não percamos a esperança que ele se mantenha no ramo do humor.

 

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 00:24
link do post | comentar
Segunda-feira, 27 de Junho de 2016

Relembrando Cavaco: quem te avisa teu amigo é

"Em 40 anos de democracia, nunca os governos de Portugal dependeram do apoio de forças políticas antieuropeístas, isto é, de forças políticas que, nos programas eleitorais com que se apresentaram ao povo português, defendem a revogação do Tratado de Lisboa, do Tratado Orçamental, da União Bancária e do Pacto de Estabilidade e Crescimento, assim como o desmantelamento da União Económica e Monetária e a saída de Portugal do Euro, para além da dissolução da NATO, organização de que Portugal é membro fundador.", disse o presidente Cavaco Silva na Comunicação ao País do dia 22 de Outubro de 2015 em que indigitou como primeiro-ministro o vencedor das eleições de 4 de Outubro Pedro Passos Coelho.

Foram, nos mais de 20 anos de desempenho de funções institucionais ao mais alto nível, como ministro das finanças dos governos da AD, depois como primeiro-ministro de governos de maioria absoluta e com mais de metade dos votos do PSD e, finalmente, como presidente da república, cargos que sempre desempenhou sem ter procurado construir "afectos", nomeadamente com os políticos, jornalistas e comentadores que pensam que fazem a opinião pública, as palavras mais odiadas por todos eles. Até o Pacheco Pereira, zombie que politicamente regressou da clandestinidade anti-fascista ao mundo dos vivos pela mão do cavaquismo, ficou danado e decretou que tudo o que corresse mal a partir daí seria consequência deste discurso. E correu, está a correr, e há-de correr ainda pior.

E odiaram-no porque estava carregado de razão.

As posições antieuropeistas do PCP são demasiado conhecidas e demasiado coerentes com toda a história de luta política do partido para as repetir aqui. O projecto europeu surgiu para travar a expansão do comunismo através da democracia e da prosperidade, e eles sabem disso, e nós sabemos que eles sabem.

Já o BE, apesar das origens na esquerda mais radical inspirada em modelos de sociedade como os da China maoista ou da Albânia enverhoxhista, quando não do Camboja khmer, que para se distinguirem do revisionismo soviético elevaram a extremos a barbárie baseada no fanatismo ideológico, vestiu como o Podemos, ou o Pacheco Pereira, a pele de "social-democrata", e tem sempre afirmado que todas as posições de defesa de confronto com as instituições europeias as toma em nome de uma Europa melhor e mais democrática. Ou, por outras palavras, enquanto a UE nos pagar para termos a ilusão de sermos mais ricos do que realmente somos, o BE é europeísta. Mas Convenção do BE decorreu debaixo de uma forte euforia, provocada pela conjugação do referendo do Brexit, que o BE tem esperança de constituir um passo determinante para a desagregação da UE, e das encuestas espanholas, que colocavam a coligação do Podemos, da Izqueirda Unida e do método de Hondt, em segundo lugar nas eleições à frente do PSOE, fazendo dela o maior partido de uma possível coligação da esquerda, com a possibilidade teórica de o Pablo Iglésias vir a ser indigitado como primeiro-ministro de um governo de maioria de esquerda. E a euforia deu-lhes o sentido de urgência e de invencibilidade necessários para mostrar o jogo.

E o que tinham nas cartas?

  • Vaias aos que caíram em luta ao serviço da mesma guerra que o BE trava, a de conseguir que a UE financie ad-eternum políticos demagógicos que, em vez de adoptarem nos estados-membro que governam políticas que promovem o crescimento económico e a prosperidade dos seus povos, os arruinam em guerras à economia e deixam à UE a responsabilidade de os voltarem a pôr de pé. Quem crê, acredita que quem não consegue concretizar o que a sua Fé lhe promete o faz por traição, e não por ser fantasioso, e o BE trata os mártires da sua causa como perdedores, e mesmo traidores.
  • Aplausos entusiásticos aos que pensavam que estavam prestes a conquistar a Espanha, os ideólogos do regime bolivariano da Venezuela, que ambicionam abrir na Espanha mais um laboratório para testar mais uma vez com o povo espanhol as suas políticas na esperança que, ao contrário do que é  mais do que evidente nos resultados das experiências venezuelana ou grega, para não ir buscar os resultados miseráveis de todos os comunismos nos últimos cem anos, desta vez resultem.
  • Referendar a saída de Portugal do euro.
  • Referendar a saída de Portugal da Europa.

No fundo, o que defendem é mesmo a saída de Portugal de circulação, o que é amplamente provado pelos aplausos que dispensaram aos demolidores da CGTP ou da Fenprof.

Infelizmente, para eles, porque quem mostra as cartas sem poder assegurar as vazas que reclama é obrigado a jogar o resto da mão com as cartas à mostra e a sujeitar-se a não conseguir cumprir o que exigiu, e faz figura de parvo, a euforia foi prematura. A Europa parece ter, tanto em países periféricos como Portugal, como no próprio centro das grandes decisões europeias da actualidade, a Alemanha, estadistas capazes de gerirem o Brexit sem deixar de respeitar os múltiplos interesses comuns da UE, e dos cidadãos comunitários, e do Reino Unido, e dos seus cidadãos. A implosão é um sonho de sempre de alguns, mas parece muito longe de se poder concretizar. E os resultados das eleições espanholas, não apenas não deram ao Unidos Podemos mais votos que ao PSOE, como anularam com uma redução de votos a vantagem de mandatos que o método de Hondt poderia ter dado à coligação de extrema-esquerda, como consolidaram a vitória de Dezembro do PP sem enfraquecer o PSOE, ou seja, reforçaram o bipartidarismo. A ejaculação foi precoce, mesmo que a semente tivesse lá todo o DNA que eles têm para transmitir.

Além de, e uma vez não são vezes, mas há limites que são para não deixar ultrapassar, o presidente Marcelo, pela segunda vez, ter largado a sua posição de afecto permanente com a maioria que apoia o governo, e se se ter sentido obrigado a esclarecer pela segunda vez (a primeira tinha sido a propósito da nobreza solidária do trabalho voluntário) os bloquistas que a afectividade tem limites, e as decisões de convocar referendos são da exclusiva responsabilidade do presidente, que não tem obrigação de lhes aceitar sugestões, e não do parlamento nem do governo, onde o presidente não coloca qualquer obstáculo às sugestões que eles façam e sejam aceites.

Posto isto, quem nos defende do ímpeto furioso e antieuropeísta do PCP e do BE oportunamente denunciado pelo presidente Cavaco? Os palermas da ilustração. Estamos em boas mãos.

 

 

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 19:49
link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 24 de Junho de 2016

E não se podem trocar?

O Reino Unido tem para a troca um primeiro-ministro que vinha de férias a Aljezur, viajava na Easy-Jet, e ganhou todas as eleições a que concorreu desde que começou a liderar o seu partido, mas se demitiu por ter perdido um referendo. Moço bem parecido, mesmo de t-shirt, calções e mocassins, e europeísta convicto, mas que nunca cedeu um cêntimo dos contribuintes britânicos à voracidade da máquina de gastar dinheiro de Bruxelas.

 

Portugal, em troca, ganhou um primeiro-ministro que passa a vida em Paris como emplastro da Selecção, viaja de Falcon, perdeu todas as eleições a que concorreu desde que lidera o partido, e só sai se for corrido à paulada. Moço burgesso, mesmo de casaquinho de basebol no banco de trás de um Falcon, fala grosso sobre Bruxelas e tem na manga a interpretação inteligente dos tratados, mas acaba por comer tudo o que põem no prato.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 22:14
link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 23 de Junho de 2016

Sair ou não sair, eis a questão

Discussões sobre a União Europeia, o Euro e o Brexit são, em Portugal, inúteis, porque o terreno está minado e ninguém, ou quase, tem outras opiniões que não sejam as dos seus interesses próximos.

 

O que se chama a direita, isto é, o CDS e o PSD, conta com as instituições europeias para impôr ao governo do dia algum equilíbrio nas contas. Sem este garrote, nada, a não ser a falência, impedirá a geringonça de pagar promessas com o dinheiro que o país não tem, mas que o BCE disponibiliza, mesmo que elas fiquem aquém do prometido.

 

O PS, que com Costa parece, mas na essência não é, igual à esquerda do PREC, conta com a solidariedade europeia, tenha ela a forma que tiver, para manter o exército de funcionários públicos, reformados, boys, empresários amigos e eleitorado, até ao dia em que possa ganhar eleições, após as quais aplicará o programa que as instituições europeias impuserem, mesmo que com isso a geringonça se estraçalhe.

 

A parte do eleitorado que não é cativa da esquerda está agradavelmente surpreendida porque com o governo actual as previsões, às quais ninguém liga, são todas más, mas o presente é melhor do que nos tempos da troica - ao contrário desta, em cuja vigência as previsões passaram a ser surpreendentemente boas a partir da fase terminal do programa, para um presente que continuava igualmente mau - pelo que vai dizendo para os seus botões que enquanto o pau vai e vem folgam as costas.

 

O PCP conserva e reforça o seu poder nos sindicatos, na maquinaria do ensino, na comunicação social, nas autarquias, na Justiça e na sociedade - nada mau para um partido que seria em qualquer outra sociedade desenvolvida uma curiosidade histórica. E mesmo que defenda a saída do Euro, e que provavelmente seja favorável ao Brexit, por ver enfraquecida a UE (esta pode vir a ser muitas coisas mas comunista não), nem por isso se dá a grande trabalho na defesa destas suas damas, porque elas não são populares.

 

O BE, a despeito das aparências, e para lá das causas fracturantes, não existe. De resto, por muito que as nossas sociedades sejam governadas pelos humores de uma opinião pública que pede a felicidade, o bem-estar, a segurança e o progresso ao Estado, por acreditar que esse Estado são os outros, e por muito que as universidades e a opinião publicada atordoem os ares com versões politicamente correctas do marxismo, não se chegou ainda ao ponto de levar excessivamente a sério uma agremiação de moços e moças moderninhos, o mais das vezes simpáticos, o mais das vezes inócuos, revolucionários de café que seriam cilindrados pelos seus primos comunistas se um dia houvesse a revolução que pretendem fazer por via legislativa.

 

A população acha confusamente que essas coisas de que falam na televisão, a dívida pública, a falência dos bancos, a dívida externa, o défice e essas merdas são lá coisas deles - uma boa cambada de gatunos, por sinal - e que a Europa, de uma maneira ou de outra, resolverá. De resto, é para a Europa que os desempregados e os jovens emigram, e é de lá que vieram as autoestradas, o Serviço Nacional de Saúde, a liberdade, a democracia, os subsídios e a moeda forte. Portanto, que os bifes ponham a hipótese de saírem é mesmo coisa deles, que lhes faça bom proveito.

 

Os bifes - uma parte deles - acham absurdo que a soberania que pela história deles mora no Parlamento há séculos tenha sido transferida para Bruxelas e Estrasburgo, para as mãos de uns senhores que ninguém conhece, não respondem directamente perante ninguém, nem foram eleitos com programas que tivessem que defender perante quem suporta as consequências das decisões que tomam: democracia representativa OK, democracia de bastidores ou num Parlamento com múltiplas traduções simultâneas, recheado de foreigners com origens, histórias, percursos, convicções, ideias sobre o que todos os países devem ser - não.

 

Uma parte dos bifes. Que parte? Isso só saberemos logo à noite, que as sondagens dão empate.

 

Para mim, e mesmo que perca, será sempre a parte melhor. Porque se em nome de razões de índole económica, mesmo que essas razões fossem, o que não é o caso, de betão, se abre mão do direito de escolher directamente quem nos governa, podemos estar a falar de um regime qualquer - democracia não é certamente.

Tags: ,
publicado por José Meireles Graça às 01:12
link do post | comentar
Quarta-feira, 22 de Junho de 2016

O Rossio na Betesga

Sabem quantas pessoas participaram na Meia Maratona de Lisboa de 2013, onde foi tirada esta fotografia que mostra uma parte dos participantes? A corrida teve 37 mil inscritos. A fotografia mostra uma parte deles, ou seja, menos de 37 mil. O tabuleiro da ponte tem cerca de 40 mil metros quadrados, um pouco mais que a área do Terreiro do Paço.

A banalização da formação à esquerda de grupos de linchamento mediático de jornalistas ou comentadores com apelo à censura, ao despedimento, ou ao recurso a métodos ainda mais definitivos para os calar, de que o último se formou no sábado para tratar de uma jornalista por ter sido intoleravelmente tendenciosa ao ter citado, numa notícia sobre uma manifestação da Fenprof, e por esta ordem, as estimativas de manifestantes da Fenprof, organismo isento e objectivo a dimensionar manifestações, e da PSP, braço armado dos partidos neoliberais que nos desgovernaram, e a evidência de que o controle, à força, se necessário, à forca, em casos extremos, da comunicação social, faz parte do ADN da esquerda, quase faz esquecer os motivos específicos que, caso a caso, originam estes movimentos. E às vezes vale a pena percebê-los.

Este foi originado pela dúvida, introduzida pela jornalista ao citar também a estimativa da PSP de 15 mil manifestantes, de que teriam estado na manifestação os 80 mil manifestantes contados pela Fenprof. E este é um tema sobre o qual vale a pena reflectir.

Um bom amigo, antigo comunista e militante do PSP que teve o azar de ter sido encarcerado, no mesmo dia que a mulher, o que não constituiu alívio nenhum, em Caxias antes do 25 de Abril, e a sorte de o 25 de Abril ter acontecido apenas uma semana depois de ele ter sido encarcerado, diz que a maior surpresa, no sentido político, da vida dele, que já leva mais de 70 anos, foi o resultado das eleições de 25 de Abril de 1975 para a Assembleia Constituinte, em que o partido dele, que dominava a política, a comunicação social e a rua, com especial ênfase para a rua, e que ele estava convencido que ganharia as eleições, teve uns míseros 12,5% dos votos. Com a capacidade de aprendizagem que Deus lhe deu, acabou por abandonar o PCP depois de mais 15 anos de militância, e, logo nessa época, percebeu que a batalha da rua está muito longe de ser determinante na guerra da política.

Mas nem toda a gente tem esta percepção do relativismo da capacidade de mobilização de manifestações de rua, nomeadamente a esquerda, que sempre ultrapassou a direita nessa capacidade, com a provável excepção da manifestação da Fonte Luminosa de 1975, mas que há-que reconhecer que também foi organizada pela esquerda. Como nem toda a gente tem a percepção de que a manipulação da comunicação social pelos jornalistas ou comentadores, que distorcem as notícias para lhes encaixar as conclusões que pretendem ilustrar com elas, tem muito menos sucesso do que eles pensam, ou a coligação PàF teria tido uma derrota esmagadora nas eleições de 2015, que parecia evidente até surgirem sondagens que diziam o contrário, tamanha era a narrativa de maldades e insucessos que lhes eram esmagadoramente atribuídos por ela. Aliás, acredita-se tanto mais nestas hipóteses, quanto mais se acreditar que o povo é manipulável nas suas opções políticas pelo que vê e pelo que os jornais lhe mostram.

Resumindo, a esquerda tende a acreditar na força da rua e na força da manipulação da comunicação social.

O problema é que, à força de acreditar na capacidade de manipular os eleitores através da força demonstrada na rua e da colaboração da comunicação social, a esquerda meteu-se numa alhada de que linchamentos mediáticos, censura e demissões de jornalistas não a conseguirão retirar.

Sabem quantos manifestantes estiveram na manifestação da CGTP no Terreiro do Paço de Fevereiro de 2012? O secretário-geral da CGTP disse que lá estiveram 300 mil pessoas, "a maior manifestação jamais vista em Lisboa nos últimos 30 anos" nas palavras dele em português de sindicalista que consegue conciliar o ilimitado "jamais" com o limitador "nos últimos 30 anos". Adiante. Oito vezes mais que participantes na meia-maratona de 2013. O Terreiro do Paço tem 35 mil metros quadrados.

Em Setembro de 2012 a primeira manifestação inorgânica organizada pelo movimento "Que se Lixe a Troika" reuniu, mais uma vez de acordo com a organização, apesar de a manifestação ser inorgânica, 500 mil pessoas nos 180 mil metros quadrados que vão da Praça José Fontana à Praça de Espanha. Mais 100 mil nos 20 mil metros quadrados da Avelina dos Aliados. Treze mini-maratonas em Lisboa e 3 no Porto. Nesta encenação dos grandes números, a esquerda radical inorgânica ultrapassava, e por muito, a esquerda ortodoxa da CGTP e do PCP, e estabelecia um novo nível de referência para grandes manifestações em Portugal.

Nada que durasse muito. Em Março de 2013, o mesmo movimento conseguiu, de acordo com as suas próprias medições, ultrapassar 1,5 milhões de manifestantes, 40 meia-maratonas, dos quais 800 mil, 22 meias-maratonas, em Lisboa, no tradicional trajecto Marquês de Pombal, Avenida da Liberdade, Terreiro do Paço. Nesta caso, o movimento inorgânico já se posicionava noutro campeonato que não aquele onde podem ambicionar concorrer o PCP e a CGTP, já combatia corpo a corpo com o milhão e meio de votos do PS nas eleições legislativas de 2011.

Este sucessivo bater de recordes foi um dos maiores sucessos mediáticos da história de democracia portuguesa. Infelizmente, chegados a eleições, nas legislativas de 2015, o partido onde se juntaram alguns dos organizadores mais emblemáticos deste movimento, o PTP/MAS, não conseguiu mais do que 20 mil votos. Ainda assim, meia meia-maratona, o que não é nada mau atendendo ao tamanho da multidão que encheu a ponte.

Mas, além de o sucesso na organização de manifestações, ampliado pelos incríveis recordes sucessivamente reportados, não ter podido ser canalizado para um resultado eleitoral sequer mínimo, criou um problema, que era expectável, à esquerda das manifestações. Estabeleceu-lhe níveis de referência tão elevados quanto, por serem baseados em números falsos, inatingíveis.

Pelo que qualquer grande manifestação que hoje em dia junte 15 ou 20 mil pessoas, uma multidão enorme, como se pode atestar pela fotografia de cima onde representaria cerca de metade dos participantes, nos rankings que passaram à história sem grande sentido crítico de quem os tomou por bons e noticiou, não representa mais do que um miserável um por cento do nível de referência da manifestação de Março de 2013 que passou a constar dos arquivos.

Não é problema nenhum, porque não é a dimensão das manifestações nem a boa imprensa que arrastam o eleitorado. Mas, para a esquerda das manifestações, que acredita que grandes manifestações arrastam grandes votações, e que boas notícias de jornal orientam a opinião das populações, isto é um grande problema. E não se resolve censurando, saneando ou sovando um jornalista de vez em quando. Ter-se-ia resolvido se, em devido tempo, a esquerda tivesse denunciado os números fabulosos que iam sendo anunciados pelos organizadores das manifestações. Agora não tem solução. Manifestação com menos de 300 mil não entra nos rankings.

Amanhem-se!

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 15:19
link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 19 de Junho de 2016

Não somos sequer parecidos

 

NYC-Vago-640.jpg 

A direita "dos negócios" deixou cair Ricardo Salgado e o grupo Espírito Santo. A esquerda da "transparência" limpou o BANIF com dinheiros públicos e tratou de o entregar ao Santander.

 

A direita "trauliteira" quer saber como e quem estoirou a Caixa Geral de Depósitos. A esquerda "unida" levanta obstáculos à comissão de inquérito, em nome da "estabilidade" do sistema financeiro e da "reputação" do banco do Estado. E assim mesmo, às escuras, subiu para 19 o número de administradores, aumentou-lhes os ordenados, e prepara-se para lá meter mais 4 mil milhões dos nossos euros.

 

A direita "determinista" quer que as crianças pobres tenham escolas com qualidade. A esquerda "das pessoas" quer ter os seus filhos nos colégios privados e atirar com os pobres para a bagunça do sistema público. E argumenta: “a liberdade existe", quem quer melhor "que pague do seu bolso".

 

A direita "autoritária" quer dar às famílias pobres o direito a escolher o ensino dos filhos, laico ou religioso, público ou privado, comunista, clássico ou experimental. A esquerda da “diversidade” quer as crianças pobres “protegidas” da Igreja e do “lado errado da história”, impondo a FENPROF, o sr. Nogueira, o Plano Nacional de Leitura (uma lista de livros “certos”), e as matérias politicamente correctas escritas com os pés. Explicando que a liberdade de ensino deve ser distribuída com precaução, reservada aos esclarecidos, uma vez que nem todos estão “filosoficamente preparados”.

 

Curiosamente a Igreja, que devia ter neste assunto uma posição oficial, pede licença para vir aos jornais gemer baixinho a sua perda de influência.

 

A esquerda chega ao poder aos encontrões e faz o que quer, com uma cartilha infantil. A direita espera quieta pelo resultado. Ou apresenta a sua cordura, a sua “moderação”, sem perceber que escolhe o caminho mais curto para se diminuir; a “moderação” não é um plano nem uma identidade, é uma maneira secundarizada de reconhecer a virtude da esquerda.

 

A natureza de uns e outros é hoje visível, talvez mais do que alguma vez foi nos últimos 40 anos. Quando a direita apanhar os restos da sua decepção tem de interpretar o país, descrever o arranjo que está a mandar nisto, explicar os riscos, fabricar uma proposta clara e construir uma retórica para se definir. Não existe “centro” (nem “moderação”) quando as pessoas estão aflitas e precisam de escolher a quem entregar os seus sacrifícios.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 13:51
link do post | comentar

Em defesa da escola pública, mantenham o Mário Nogueira a tempo inteiro na Fenprof

Para quem é, bacalhau basta, mas...

Hoje, o ministro da Educação em exercício, o professor Mário Nogueira, demonstrou a maior das vantagens da existência da Fenprof: manter afastados da rede do ensino e do contacto com os alunos professores ignorantes, incompetentes e desonestos como ele, mesmo que, sendo requisitados ao ministério, os seus salários continuem a ser pagos pelo orçamento do Estado e a onerar os contribuintes.

E porquê especialmente hoje? Porque hoje, para além das lenga-lengas da retórica demagógica habitual, da defesa da escola pública à subsidio-dependência dos colégios privados, aventurou-se pelos números que, ao contrário da retórica, que é atestável por meras opiniões, são sindicáveis com factos.

E que números usou o Mário Nogueira? Os do Tribunal de Contas, entidade mais séria que ele e o seu sindicato, como ele próprio sublinhou no discurso, que, em 2012, publicou o relatório nº31/2012 "Apuramento do Custo Médio por Aluno" da auditoria realizada durante o ano de 2011, com referência ao ano escolar de 2009/2010, para responder à solicitação originada pela Resolução da Assembleia da República n.º 95/2011, de 28 de Abril.

E que números foi ele buscar ao relatório do Tribunal de Contas? O custo médio por aluno de todo o ensino público, do 1º Ciclo do Ensino Básico até ao Ensino Secundário, que é de 3.890€.

E esse número é comparável com o custo médio por aluno das turmas em colégios abrangidas por contratos de associação? Não, porque essas turmas não cobrem o 1º Ciclo do Ensino Básico. O custo médio por aluno nas escolas públicas nos níveis cobertos pelos contratos de associação, o 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e o Ensino Secundário, é de 4.648€

Já é mais elevado que o custo de 4.522€ que ele apresentou para os alunos de turmas abertas em colégios ao abrigo de contratos de associação. E como é que ele calculou este número? Como o custo de cada turma é de 80.500€, seria o custo médio por aluno se as turmas tivessem em média 17,8 alunos. Mas como a dimensão média das turmas destes ciclos é de cerca de 23 alunos, o custo médio por aluno nos colégios com contrato de associação é de 3.500€. Ou seja, cerca de 25% abaixo do custo dos alunos a frequentar as escolas públicas.

Ou por ignorância, ou por incompetência, ou por desonestidade, o Mário Nogueira partiu de dados reais para chegar a uma conclusão radicalmente oposta à realidade, que os alunos a frequentar colégios com contrato de associação custam mais 16% do que se estivessem em escolas públicas. Outro tema interessante, para uma discussão futura, que não aqui e agora, é ver um sindicato a defender a solução que, segundo os seus cálculos, fica mais barata, um indício de que os sindicatos não serão tão insensíveis como aparentam aos encantos do economicismo. Aprendam eles a fazer contas, e ainda os veremos um dia a defender o aumento do número de alunos por turma, ou dos horários dos professores, para poupar 16% aos contribuintes. Mas não aprendem, não vale a pena sonhar alto.

É verdade que, para a multidão acéfala e ululante que vai ouvir sindicalistas como ele nestas manifestações, mais de 80 mil almas segundo a aritmética dele, o dobro da manifestação dos amarelos, cerca de 15 mil segundo a da PSP, menos de metade da manifestação dos amarelos, a adesão dos números à realidade é completamente irrelevante. Não estão lá para pensar e analisar, estão lá para aplaudir e ecoar palavras de ordem.

Mas, para quem faz as contas, um aluno a frequentar o 2º ou 3º Ciclos do Ensino Básico ou o Ensino Secundário numa escola pública custa em média ao Orçamento de Estado 4.684€ por ano, mas custa apenas 3.500€ por ano se estiver a frequentar um colégio com contrato de associação.

Conclusões?

Cada aluno a frequentar o ensino público num colégio com contrato de associação custa em média menos 25% do que se estivesse a frequentar uma escola pública.

Uma boa medida de defesa da escola pública é manter o Mário Nogueira até à reforma a tempo inteiro na Fenprof, longe dos alunos, e esta medida vale bem o custo para os contribuintes do salário dele, que continua a ser pago pelo ministério.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 00:57
link do post | comentar
Sexta-feira, 17 de Junho de 2016

Sobe e desce

A subir: os juros.

A descer: a economia.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 21:55
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Nem a proposito... ainda ontem lia esta noticia......
O autor deveria saber que para o Estado não ir á s...
Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...
Não, não sou tão mau, Terry. É só retórica.
Não percebo como é que leio as suas alternativas e...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter