Quarta-feira, 11 de Abril de 2012

O princípio dos vasos não comunicantes

Eram cinco rapazes e uma rapariga. À mesa não se falava alto e, a menos que num contexto de conversa que o Pai autorizasse, não se falava de todo.

 

A comida era racionada implicitamente, em particular os bifes, que apareciam com uma frequência muito inferior à que os vorazes apetites exigiam.

 

Um dia foi deixado em depósito um primo rico. Vinha de Angola em férias e os pais ausentaram-se por uns dias, confiando o garoto aos cuidados da parentela.

 

A Tia fartou-se de fazer recomendações: tinha muito fastio, o menino, era terrível para comer - olha que há uma criada que tem muito jeitinho e ela consegue, conta-lhe histórias, já vês.

 

A Mãe via. Da primeira vez, deparando-se com a cara fechada e entupida de choro do pimpolho, foi dizendo que era preciso comer tudo, havia meninos pobrezinhos a morrer de fome...

 

E a choradeira que vinha a caminho foi sufocada no ovo, com um olhar gélido do Pai, no meio do silêncio desaprovador dos comensais.

O primo não ficou excessivamente impressionado com o argumento dos meninos pobrezinhos, não saberia com nitidez o que era fome, e menos ainda morte - não comeu.

 

E pouco comeu na refeição seguinte, embora no intervalo não houvesse nada: o conceito de comer fora de horas esbarrava na inexistência do que fosse, pelo que era razoavelmente desconhecido.

 

No dia seguinte, o jovenzinho, aleluia!, alimentou-se; e na próxima despachou-se porque quem fosse lerdo corria o risco de ficar a ver os melhores bocados em navios.

 

O intelectual meditativo da família (literato de merda, alguém haveria de o rotular, com propriedade, anos depois), porém, ficou com a memória do argumento dos pobrezinhos a morrer de fome.

 

E só muito mais tarde percebeu que o argumento deixava a desejar: as sobras nunca poderiam impedir meninos de morrer de fome lá longe porque não haveria maneira de as fazer chegar, e os pobrezinhos ficavam na mesma quer comesse quer não comesse.

 

Hã, e a historieta vem a propósito de quê? Ora, a propósito disto; e como se liga tudo deixo para o leitor astuto, que eu agora não tenho vagar de explicar.

publicado por José Meireles Graça às 00:25
link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 11 de Abril de 2012 às 09:12
Zé Maria, post uma foto sua o galinhame está curioso.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Thank you so much for the information you have sha...
Acho que é necessário corrigir aqui vários pontos....
Excelente. Agradeço a partilha deste pensamento, c...
Como diz Ricardo Araújo Pereira, no seu tom de sát...
E já agora e ainda que não tenha directamente a ve...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter