Segunda-feira, 11 de Junho de 2012

Um homem distinto

 

 

Gosto muito de assinalar datas, e o 10 de Junho ajuda-me sempre. No ano passado aconteceu puézia, porque o dr. António Barrete fez um discurso lindo, a tratar Portugal por tu, "óh Portugal, tu isto tu aquilo", e "os teus filhos não sei quê", e foi muito comovente; todas as senhoras choraram, mesmo as mais acostumadas às câmaras da televisão.

 

Este ano o dr. Barrete foi medalhado, encontrando-se agora na companhia de todos os artistas do PREC, e nessa qualidade não pôde repetir o momento espiritual. Foi substituido, quanto a mim com vantagem, pelo dr. Sampaio da Nóvoa. Estou certa que rebentaram os índices de audiências, atingindo os níveis mais baixos desde a transmissão, na RTP 2, em Junho de 2004, da totalidade do Festival de Dança de Roda Silenciosa Nijemo Kolo, da Croácia. Refiro-me às últimas duas horas do festival, transmitido em simultâneo com as meias finais do Campeonato Europeu de Futebol, de saudosa memória, no canal do lado.

 

Sampaio da Nóvoa é um homem sóbrio. Não se vê o dr. Sampaio da Nóvoa sempre a pôr-se em bicos dos pés, aparecendo por tudo e por nada a perpetrar entrevistas, ou a carimbar com as suas reflexões qualquer programa de "mesa redonda". Sampaio da Nóvoa reserva as suas presenças para situações onde ela é, efectivamente inescusável. Como em Março de 2011, pela inauguração da exposição de arte (credo, o teclado até rangeu) lusófona "Caras e Citações: uma interpelação estética sobre Universidade, Cultura e Desenvolvimento", da talentosa Ana de Macedo, patrocinada pelo Instituto de Investigação Científica Tropical, presidido pelo pai da rapariga, e em parceria com o projecto Saber Continuar. Com o "apoio" da Faculdade de Letras que comemorava assim o seu centenário.

 

A obra apresentada constava de uma série de enormes painéis revestidos com colagens (uma técnica ainda desconhecida dos portugueses) onde, numa combinação de génio cromático com astúcia literária, podiamos observar pretinhos a brincar com computadores Magalhães, intercalados com lixeiras, edifícios de escritórios, salas de aulas, manifestações estudantis, e frases irreverentes como "A lusofonia pode ser aplicada a qualquer parte do mundo", ou "O espaço de parcerias alargou, e muito", ou ainda "Português não é assim um conceito de raça, mas antes uma 'unidade de sentimento e de cultura', que aproximou homens de várias origens". Esta última vinha assinada "O.R.".

 

No discurso que reservou para esta ocasião, Sampaio da Nóvoa foi inflexível. Disse que "este centenário fica marcado pela criação, mobilidade e cooperação que existe nos dias de hoje nos países lusófonos, que vai muito além das universidades". Concordo. Vai muito além das universidades. Já vai nas "artes". E disse também que "é preciso criar condições concretas para que os estudantes de países Lusófonos possam estudar em Portugal e para que haja dinâmica efectiva de cooperação nos estados lusófonos". Pronto, dr. Sampaio da Nóvoa, já tínhamos ouvido.

 

Pelo 10 de Junho, Sampaio da Nóvoa voltou a abanar os portugueses com afirmações polémicas e originais. Desta feita, alertou para o "aumento das desigualdades sociais", observou que os portugueses "vivem hoje pior do que viviam ontem", e temeu que esta sociedade fosse "vencida pelo medo e pela radicalização". Depois ilustrou o discurso com mais um sortido de finuras da mesma natureza e, lá mais para o fim, disse que "Precisamos de transformar estes movimentos numa acção sobre o país, numa acção de reinvenção e de reforço da sociedade. Chegou o tempo de dar um rumo novo à nossa história. Portugal tem de se organizar dentro de si, não para se fechar, mas para se abrir, para alcançar uma presença forte fora de si." E acabou, tão entusiasmante como começou, concluindo que "Não temos tempo para hesitações. As universidades vivem de liberdade, precisam de ser livres para estarem à altura do que a sociedade lhes pede. É por aqui que passa o nosso futuro, pela forma como conseguirmos ligar as universidades e a sociedade, pela forma como conseguirmos que o conhecimento esteja ao serviço da transformação das nossas instituições e das nossas empresas".

 

O que Sampaio da Nóvoa não disse foi nada de concreto. Efectivamente, não disse nada que interessasse aos portugueses. Como, por exemplo, que tipo de acção é preciso exercer "sobre o país", ou qual o "novo rumo" a dar "à nossa história", ou de que forma pensa ele que o conhecimento pode passar a estar "ao serviço da transformação das nossas instituições e das nossas empresas". E não o disse porque Sampaio da Nóvoa não alinha em "facilitismos", e desengane-se quem pensar que Sampaio da Nóvoa nos vai servir a papinha toda feita. Além de que um feriado, como toda a gente sabe, serve para os portugueses dormirem o meio dia da manhã, e Sampaio da Nóvoa respeita o descanso dos portugueses.

 

Sampaio da Nóvoa distingue-se das restantes figuras do pensamento pátrio, cujo dinamismo só encontra paralelo na vastidão da sua irrelevância. Sampaio da Nóvoa poupa-nos o dinamismo.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 01:23
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...
Não, não sou tão mau, Terry. É só retórica.
Não percebo como é que leio as suas alternativas e...
http://maquinadelavax.blogspot.pt/2017/12/portrait...
Curiosamente, estes inquisidores modernos, quando ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter