Quarta-feira, 25 de Julho de 2012

A insolação do estio corrente

Viriato Soromenho Marques é federalista e de esquerda. Eu sou nacionalista e sensato. Não sei se Viriato é há muito federalista, ou apenas desde que constatou que o Euro obscureceu a real performance de muitos países a tal ponto que a certos Estados, e aos cidadãos deles, foi concedido crédito muito para além do razoável. Mas sei que nunca fui federalista, e estou seguro que aqueles que sempre o foram não têm consciência que uma tal crença, se levada à prática, seria uma asneira ainda maior que o estúpido voluntarismo do Euro. Como cidadão, a minha opinião e o meu voto valem, na hora de escolher, tanto como o do Sr. José, meu empregado, que sobre estas matérias declara sobriamente que "eles estão lá é p'ra se encherem, que vão todos para a puta que os pariu". E o que eu digo, o que diz este excelente homem, e o que diz Soromenho, no que toca a escolhas básicas, vale o mesmo.

 

Sucede porém que, pese embora o estado de zanga permanente em que a classe dirigente vive com o País há gerações, somos estrangeiros em qualquer outro sítio que não naquele que se designa por Portugal; e, com excepção de lunáticos, literatos iberistas e cosmopolitas, que sempre houve, nunca seriamente, há muitos séculos, se pôs o problema de acabar com a nacionalidade. Põe-se agora, e de maneira caricata: o País deve o que não pode pagar, porque uma geração inteira de dirigentes políticos inventou a forma de comprar votos com despesa pública e privada sem que, aparentemente, houvesse limites; os hoje credores acreditaram na engenharia porque eram políticos e banqueiros, uns interessados nas grandes construções sociais que lhes compraram notoriedade e lugares, os outros em lucros rápidos e prémios gordos, todos crentes, com razão, que para eles, pessoalmente, não haveria consequências negativas.

 

Vem agora a segunda vaga: já que nem todos os países europeus perderam de vista que nem todo o empréstimo é virtuoso, nem todo o investimento reprodutivo, nem todo o crescimento são; já que a Europa, no seu conjunto, é uma economia ainda forte e equilibrada, e certamente em melhores condições que a Americana: adoptemos o princípio dos vasos comunicantes aplicado à Economia - com o crédito, as taxas de juro e o rigor e sobriedade nórdicas, voltamos à estrada do crescimento induzido pela dívida e esquecemos esta sombra negra da austeridade.

 

Os dirigentes dos países que não estão encalacrados respondem perante os respectivos eleitorados, não perante o eleitorado europeu, em si mesmo uma ficção apenas útil para o ritual das eleições para o "Parlamento" Europeu. Esta indignação do iluminado Soromenho contra a "gente pequenina", o "cínico Weidmann" (um "Torquemada monetarista", nada menos) e os "cobardes" que estão em silêncio, além de primária na sua crença de que a realidade objectiva se muda a golpes de inspiração de políticos que ocupam cadeiras temporárias e periclitantes, é também quase doentiamente cega: o caminho seguido pôs-nos de joelhos, exangues e pedintes? Pois então, em vez de mudarmos de caminho, digamos aos credores que eles é que devem mudar, adoptando a nossa maneira de estar.

 

Não vai ser assim. E que os Soromenhos abundem, e tenham audiência e prestígio, faz parte dos nossos problemas; não das nossas soluções.

publicado por José Meireles Graça às 16:24
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

A Sra. Bastonária esqueceu-se de uma coisa. Não só...
Acho que a Sra. Bastonária terá sido porventura po...
Nem mais, os minhotos com razão.Ppq
Nos hospitais portugueses há 50 anos havia mulhere...
Só falta mesmo é a Ordem das Sopeiras, quero dizer...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter