Quarta-feira, 25 de Julho de 2012

A marcha de um líder

 

 

Em 1980 a economia britânica estava em recessão. Os números do desemprego tinham subido para 2 milhões, em relação aos 1,5 milhões no ano anterior. E continuariam a subir até ultrapassar os 3 milhões em 1982, ano em que acabou a recessão. Margaret Thatcher era chefe do governo desde 1979, e a oposição à liberalização da economia gritava por uma "inversão de marcha" (U-Turn). Ted Heath, ex-primeiro-ministro, protagonizava essa oposição dentro do Partido Conservador, que também tinha liderado até 1975 - ano em que perdeu as eleições internas para Margaret Thatcher, tornando-se um dos seus críticos mais activos.

 

No dia 10 de Outubro de 1980, durante o Congresso do Partido Conservador, Margaret Thatcher fez um discurso longo. E respondendo aos seus opositores, disse:

 

"To those waiting with bated breath for that favourite media catchfrase, the "U turn", I have only one thing to say: You turn if you want to. The lady's not for turning. I say that not only to you, but to our friends overseas as well, and also to those who are not our friends."

 

A frase "The lady's not for turning" passou a designar o discurso completo. E tornou-se um dos lemas mais conhecidos de Margaret Thatcher, que se manteve à frente do governo até 1990.

 

No passado dia 23, o Primeiro-Ministro reuniu-se com os deputados do PSD. Além destes, estavam presentes alguns ministros, a presidente da Assembleia da República, e mais uns quantos figurões do PSD.

 

Considerando que havia quem sugerisse que "já chega de ser bom aluno" e de "fazer sacrifícios" porque se aproximam actos eleitorais e não convém perder votos, Pedro Passos Coelho disse aos presentes que "a verdade é que nenhum dos senhores ou das senhoras foi eleito para esse mandato". E que "nenhum dos que aqui estão foi eleito para ganhar as próximas eleições, ou para ajudar a ganhar autárquicas, nem as regionais deste ano nos Açores, nem as europeias que aí vêm a seguir, não foi para isso que fomos eleitos. Foi para responder ao país."

 

Foi simples, foi directo e tem toda a razão: os deputados não são eleitos para voltar a ganhar eleições. São eleitos para fazer o que tem de ser feito pelo país. Quando a presente maioria foi eleita, sabia-se da situação trágica em que que o país se encontrava, sabia-se que era necessário pôr ordem nas contas, e era conhecido o programa da troika. E toda a gente sabia, porque foi afirmado repetidamente durante o período eleitoral, que o governo concordava com o programa e tencionava cumpri-lo até ao fim.

 

Para que não ficasse qualquer dúvida, Pedro Passos Coelho esclareceu ainda que "se algum dia tiver de perder umas eleições em Portugal para salvar o país, como se diz, que se lixem as eleições, o que interessa é Portugal".

 

Ou seja, não basta pôr ordem nas contas. Para isso, é necessário pôr o PSD na ordem, e foi isso que o Primeiro-Ministro se mostrou na disposição de fazer. Para bem do país e para grande surpresa minha.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 16:35
link do post | comentar
2 comentários:
De Miucha a 26 de Julho de 2012 às 11:14
muito bom
De Margarida Bentes Penedo a 27 de Julho de 2012 às 02:33
Obrigada, Miucha.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter