Sexta-feira, 3 de Agosto de 2012

O postulado sexista

 

 

Há um aspecto decepcionante no entusiasmo com a competição olímpica de voleibol de praia feminino. A sugestão de que se o clima britânico fizer o que lhe compete em Agosto (e chover) as jovens núbeis vão sentir-se inclinadas a vestir-se como as atletas da equipa saudita, ou seja, embrulhar-se em roupas, tem sido recebida com uivos de angústia. Aparentemente, "os homens" estão indignados com esta perspectiva, tendo antecipado o pratinho de ver quatro pares de mamas a abanar para cima e para baixo, como cachorrinhos irrequietos, durante umas tardes.

 

Ai sim? Se eu fosse homem, e se o "evento" tivesse lugar no meu quintal de trás, suponho que era capaz de espreitar pela janela de vez em quando. Mas se o fizessem no quintal do meu vizinho acho que não levantava o rabo da cadeira para ir ver. Talvez dissesse à rapaziada que "ia andar por ali", só para parecer normal - "Uuuui, e tal, voleibol de praia feminino, pá, acho que vou lá pedir muitos raminhos de salsa nos próximos dias, etc. etc." - mas a ideia não me excitava muito, com toda a franqueza.

 

Onde eu seria mais estereotipicamente normal é que um campeonato de voleibol de praia feminino disputado entre jovens copiosamente revestidas me interessaria menos do que é possível expressar. Seria um programa tão atraente como, por exemplo, uma conferência perpetrada por Boaventura Sousa Santos sobre as "Causas Económicas das Carências Sociais". Não é sequer passível de ser registado como "interesse". No entanto, se Boaventura Sousa Santos estivesse vestido de biquini e aos saltos para cima e para baixo com as mamas dele a andar à roda, nesse caso eu era capaz de alinhar por uma questão de curiosidade. O que quero dizer é que o único interesse (se é que o tem) do voleibol de praia é a porção de carne feminina deixada a descoberto pelos reduzidos equipamentos da modalidade. Só Deus sabe como é que se transformou num desporto olímpico.

 

Este é o outro lado da ideia (que agora agita os movimentos "das mulheres" e a esquerda bem pensante) de que as Olimpíadas são sexistas porque as mulheres não são tratadas como os homens. Competem, na totalidade, por menos medalhas. E a participação delas é, em muitos casos, levada menos a sério do que a dos seu equivalentes masculinos. Uma das razões possíveis é que em competições que envolvam força, velocidade, e capacidade de reacção, as mulheres não são nem de perto tão boas como os homens. E não são nem de perto tão boas por uma margem muito larga. Para dar dois exemplos, o tempo mais rápido estabelecido por uma mulher nos 1.500 metros é de 3:50:46, da chinesa Yunxia Qu. O record masculino é de 3:26:00. No lançamento de dardo a disparidade é ainda maior - 80 metros para as mulheres, 104,8 para os homens.

 

Estou convencida que a maior parte das pessoas percebe isto e consegue, mesmo assim, ficar emocionada com a excelência do atletismo feminino. No fim de contas, cada um só pode jogar com as cartas que lhe foram distribuidas. Mas isto explica bastante porque é que existe uma tendência para favorecer as competições masculinas; elas representam o melhor do mundo, sem necessidade de qualificações. Devo acrescentar que o mesmo argumento se aplica ao ténis feminino ou ainda, pior que todos os outros, ao futebol feminino. Estou convencida que uma equipa formada exclusivamente por deputados à Assembleia da República ganharia facilmente à equipa feminina nacional, se contasse com Abel Batista na baliza, e optasse por um moderno 4-4-2, com Bernardino Soares a meio-campo atacante, armado em bandido.

 

Mas esta verdade evidente não é aceite, por razões certamente delirantes. Na página da Peter Tatchell Foundation está um manifesto chamado "London 2012: Justice for Women - End gender discrimination at the Olympics" que lamenta a desigualdade nos jogos olímpicos, e alega que isso se baseia no "postulado sexista de que as mulheres são o sexo mais fraco". Presumo que estão cientes de que, sexista ou não, este postulado está absolutamente correcto. Ou não?

 

O manifesto inclui coisas como "acabar com os estereótipos de género, homofobia, transfobia", e o "fim da prostituição", e "um mundo de paz, e harmonia, e igualdade", a ser estabelecido "imediatamente e sem discussão". Penso que todos podemos concordar com isto.

 

Também há grandes protestos contra a equipa olímpica feminina da Arábia Saudita, ou a efectiva falta dela. No que tem sido visto por alguns como um compromisso histórico, os sauditas concederam em enviar duas mulheres a participar em Londres - apesar de nenhuma das duas viver no pardieiro desértico islamista medieval. Além disso, as autoridades sauditas exigiram que estas duas mulheres competissem enfiadas no sambenito do costume, como os homens sauditas gostam de ver vestidas as suas mulheres. Escusado será dizer que as suas mulheres não vão competir no voleibol de praia.

 

Isto tem que acabar, diz Tatchell - bem como a exigência das autoridades iranianas de que as suas beibes se cubram um bocado. Com certeza que sim. Isso é uma coisa que nós aqui vemos como tremendamente ofensiva e incivilizada, e como uma evidência clara de uma atitude perniciosa em relação à igualdade das mulheres.

 

Mas em quantos países do médio-oriente é que as mulheres são discriminadas - todos excepto Israel? Devemos banir todos os árabes de participar nos jogos olímpicos até terem posto a casa deles na ordem que nós gostamos? Ou talvez todos os países Islâmicos? Não consigo ver alguém tão politicamente correcto como o Tatchell, ou neste caso o macacal do Justice for Women, assinar este tipo de proposta. E ainda podemos ir mais longe: será que os desportistas gay são tratados (digamos assim) com igualdade no Uganda, ou na Nigéria, ou no Zimbabwe? Ficaríamos com umas Olimpíadas disputadas entre a Suécia e a Dinamarca.

 

De qualquer maneira, para aqueles que estavam ansiosos pelo voleibol de praia feminino, deixem-me que vos sugira uma fonte de prazer alternativa. Deitem uma olhadela à nadadora australiana Stephanie Rice, que vai sem dúvida usar muito poucas roupas e até talvez o fato de banho com que posou para uma revista recentemente. É uma jovem muito atraente que há pouco tempo se meteu num sarilho por descrever os sul-africanos como "bichonas". Mas não digam ao Tatchell.

 

______________

 

Nota:

Este post foi inteiramente plagiado do Rod Liddle, colunista do Spectator e membro do Partido Trabalhista. Quem não gostar, pode pôr na beirinha do prato.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 02:05
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O professor Rebelo de Sousa, se lhe pedirem para d...
Só um povo como os portugueses´consegue gerar polí...
Muito bem.
O que me espantou foi o elevado número de político...
As conclusões são simples, se houver honestidade, ...

Arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter