Quarta-feira, 5 de Setembro de 2012

O umbigo

 

(Onde está o António-Pedro?) 

 

Conheço gente que, nos dias em que Vasco Pulido Valente publica, começa o Público pela última página; e que diz, no fio das discussões: VPV acha que...; ou: Já leste o que diz VPV?

 

É um caso singular: nenhum outro colunista tem o mesmo grau de influência, há décadas a fio, sem filiações partidárias recentes nem amizades conhecidas, zurzindo com implacável ecumenismo personalidades do espaço público, da esquerda à direita, e sempre com um infalível faro para descortinar o interesse oculto, o raciocínio ínvio, a ignorância petulante e o ridículo, sobretudo o ridículo - das pessoas e das situações.

 

Muitas vezes faz paralelismos com o passado, explicando que somos o que somos e agimos como agimos porque temos uma História, que nos condiciona e nos faz, mais vezes do que a modernidade imagina, morder o próprio rabo, na roda infernal do País atavicamente atrasado e zangado consigo mesmo por isso. Tudo isto numa prosa em que, como uma marca registada muito difícil de copiar, diz muito com pouco - precisamente o oposto do que faz quem, por interesse, necessidade ou simples desejo de intervir, se manifesta no espaço público.

 

Esta, imagino que consciente e trabalhada, capacidade de condensação, faz com que tenha níveis de leitura: há a personalidade, o fait-divers, o caso do dia; pode haver o innuendo, a insinuação, a referência implícita; às vezes, a perspectiva histórica; e, no final, a moral da história, quando não a deixa para nós.

 

Neste plano é fácil granjear inimigos - basta que onde o caso ou a personalidade do dia sirva de pretexto para fundar uma certa visão das coisas se queira ver, ou não se vá além, da fulanização.

 

É o caso deste texto de António-Pedro Vasconcelos: é óbvio que VPV não estava a pensar nele - por que raio haveria de ser nele - quando escreveu o que escreveu sobre a RTP. Mas estava, evidentemente, a pensar em todos os que sairão materialmente prejudicados pela resolução do problema do sorvedouro de dinheiro que a RTP é - uma multidão, dentro e fora dela.

 

Que haja quem defenda com unhas e dentes a inevitabilidade do custo público de um serviço público cujo perfil aliás ninguém define, é perfeitamente legítimo; que António-Pedro Vasconcelos esteja em numerosa companhia, e nessa companhia haja gente de boa-fé e sem interesses de ordem material na manutenção do status quo - não é contestável.

 

Mas VPV é, na ordem civil, um opinion-maker de peso e um académico respeitado; e António-Pedro é, na mesma ordem - qualquer coisa. E não precisa de fazer grandes-planos sobre o seu umbigo; ficou a saber-se que é enorme.

 

publicado por José Meireles Graça às 00:51
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Já chega!ZONAS DE SEGURANÇA:-» dinheiro mal gasto....
Caríssimos, compreendo a V. perplexidade e indigna...
não há p+pachorra para ler um post com tanto palav...
Creio que não tem noção da complexidade da investi...
Ao contrário do que pensava o prof. Cavaco, num di...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter