Segunda-feira, 10 de Setembro de 2012

A casa escangalhada

 

 

O nosso Governo decidiu e falou. E como os outros dos países que estão ou vão ser intervencionados, persiste em macaquear os efeitos da saída do Euro, tendo aliás a comunidade dos alquimistas da Economia um nome para isto: chama-se desvalorização interna.

 

Esta desvalorização, que inclui uma redução do salário mínimo, é em si positiva: muitas (?) empresas que iriam fechar ou sobrevivem ou duram mais tempo; alguns (?) despedimentos que teriam lugar serão poupados; e alguns (?) postos de trabalho serão criados, por o custo do trabalho ter descido.

 

O preço para isto, porém, é alto: alguns patrões serão tentados, sem que seja necessário para a viabilidade da empresa, a empochar a redução dos custos salariais. E mesmo que isso não prejudique o ambiente de trabalho (o que aliás é um problema do empresário e não da comunidade) ficará um lastro de percepção pública de que o Governo quis, numa situação de crise, poupar o patrão e esmagar o trabalhador. Num País com uma tão consolidada e difusa convicção de que há pobres porque há ricos, isto é o que se chama um tiro nos pés, e terá o seu preço em votos. De resto, a comunistada, a da Bayer e a das fracturas práfrentex, já esfrega as mãos, e, no lugar deles, também esfregava as minhas, porque o aumento violento da contribuição do trabalhador é um bodo para o discurso do "eles comem tudo".

 

Mas isto ainda é o menos. Porque um aumento de impostos com data marcada e uma redução da despesa pública sem data e sem credibilidade, de tanto se falar nela e tão pouco se fazer. E há também a percepção de que nos rentismos das PPPs e da energia, bem como na tolerância aos oligopólios, aos abusos da Banca e ao aparelho do Poder Local, para já não falar na RTP, ou nas múltiplas excepções aos cortes de subsídios - tudo permanece igual.

 

Desvalorização interna, é? A moeda que temos não é a nossa moeda, é a moeda da economia que não temos e o écran por trás do qual nos endividamos tanto que a dívida pública, mesmo que exangues de tanto imposto, continua a crescer.

 

Temos pela frente uma interminável guerrilha do ressentimento: os socialistas de velha ou fresca data já falam de mais impostos sobre o capital (a ver se ele foge ainda mais) e sobre o património (a ver se o que resta de construção civil morre de vez). E isto porque, num barco a afundar, a percepção de que o grau de aflição não é o mesmo para toda a gente é letal.

 

Há uma maneira de perdermos todos, ou quase todos, e lambermos as nossas feridas em conjunto enquanto restauramos a casa escangalhada: é sair do Euro.

 

O sucedâneo nunca é tão bom como o original.

 

________

 

Nota: A fotografia é da Margarida.

 

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 23:54
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Don’t try to have the last word. You might get it....
Se calhar não percebeu.E o seu interesse por espre...
A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter