Domingo, 16 de Setembro de 2012

Entender a manifestação

 

 

Margaret Thatcher começou a cair por causa da poll tax - os colegas de partido tiraram-lhe a cadeira porque nenhum partido político permite, conscientemente, que o seu líder o enterre. A poll tax não podia ser engolida pelo eleitorado britânico, tal como o aumento da TSU para os trabalhadores, em conjunto com a redução para as empresas, não pode ser engolida pelo eleitorado português. Não pretendo discutir os méritos da poll tax, que existem, nem da redução da TSU, que também existem. Mas também há argumentos a favor da poligamia (e da poliandria, já agora) e nem por isso um governo sensato decide remover do Código Penal a criminalização da bigamia. Nenhum governo pode, mesmo que tenha, ter razão contra a razão das pessoas, porque os governos, em regime democrático, dependem delas - e não o contrário.

 

Como foi que Thatcher pisou essa mina, que ela própria colocou, é para mim um mistério. E como na cabeça de Passos, ou de quem gizou o disparate, germinou a ideia peregrina de diminuir os salários líquidos dos trabalhadores, e ao mesmo tempo a contribuição dos patrões, desafia o entendimento. Não há políticos no Governo?

 

Com uma pitada de vindicta pessoal, e possivelmente outra de encomenda do Presidente da Republica, é a esta luz que devem ser vistas as declarações de Manuela Ferreira Leite: quando um líder claudica, a oposição interna vem ao proscénio oferecer-se para salvar a Pátria em perigo. Manuela deu assim o seu contributo ao sucesso da manifestação de ontem, e não terá sido muito pequeno.

 

Todavia, convém que haja, no meio da excitação geral, algum discernimento: a maior manifestação nos tempos recentes teve lugar em 5 de Junho de 2011, e deixa a de ontem num canto envergonhado: mais de cinco milhões de pessoas na rua é obra. E mesmo que os quase três milhões que então compraram o Poder actual já não sejam tantos, em caso de esboroamento os herdeiros nunca seriam nem os bons dos comunistas, que ontem andaram disciplinada e discretamente a ajudar, nem os indignados profissionais da agremiação de Frei Anacleto. Seria o PS, com Seguro ou outro qualquer socialista que se tome por predestinado, provavelmente o edil Costa (um ou outro, aliás, sólidos como uma rocha - o poder de distribuir lugares faz maravilhas pela unidade).

 

Não é credível que na cabeça de um socialista pudesse nascer a ideia do aumento/redução da TSU. Naqueles privilegiados crânios nascem recorrentemente visões de futuros gloriosos através de investimento público, "apostas" na educação e na modernidade, grandiosos projectos tecnológicos, apoios à indústria "virada para o futuro", e iniciativas dinâmicas sortidas, tudo coisa de custos certos e resultados improváveis.

 

A prazo, e bem curto, a perspectiva duvidosa de regresso aos mercados transformava-se na certeza de uma impossibilidade; o crédito um tanto humilhante do bom aluno transformava-se no descrédito do caloteiro; e as manifestações ordeiras e pacíficas de ontem tornavam-se na barafunda do desacato e da bastonada, senão pior.

 

Pensando bem, a manif, pelo que teve de manifestação autêntica de desconfiança dos políticos todos, pode ter contribuído para abrir aquelas cabeças de apparatchiks da economia de Excel: teóricos da economia querem-se na universidade, nas revistas da especialidade e nas colunas de opinião. No Governo querem-se políticos, gente que sabe que a Política é a arte do possível, está preparada para o desprezo geral e conhece os limites do viável.

 

Porque, se não conhecerem, outros virão. E será tarde para o povo se lembrar do ditado popular: atrás de mim virá quem de mim bom fará.

 

publicado por José Meireles Graça às 20:15
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, ignorava. Obrigado.
Muito bem! De referir apenas que já não existe, de...
Nem a proposito... ainda ontem lia esta noticia......
O autor deveria saber que para o Estado não ir á s...
Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter