Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2012

Diz que é uma espécie de Eva Perón

 

A Ministra Teixeira da Cruz entende que a inversão do ónus da prova, no caso do crime de enriquecimento ilícito, é essencial; e não entende que o Tribunal Constitucional veja tal inversão como inconstitucional. Ouvi-a agora, na Sic-N, dizer que a inversão existe em numerosos casos no âmbito "dos impostos", sem que nunca tivesse ouvido críticas; e acrescentar, com um sorrisinho arguto, que se no caso do enriquecimento ilícito críticas há, por alguma razão há-de ser.

 

Esta inversão do ónus da prova, num país pobreta, falido e que de todo o modo acha que a riqueza é suspeita, senão pecaminosa (é mais fácil passar um camelo pelo buraco de uma agulha etc. etc.) é popular. E sendo numerosos os casos de gente que iniciou carreiras políticas sem cheta e que aparece passados uns anos com consideráveis cabedais, parece uma medida de higiene pública.

 

Infelizmente, como acontece sempre que princípios básicos do Direito são ofendidos, abre-se uma porta que será difícil fechar; e, com ela escancarada, entrarão toda a sorte de abusos, inconfidências, delacções e chantagens, ao serviço de uma Administração com tradições de prepotência e ineficácia, e que assim vê recompensada a sua preguiça. Na mecânica infernal que se quer pôr de pé, apanhar-se-ão uns quantos criminosos, cujos sucessores, com tempo, encontrarão formas de contornarem os obstáculos; e infernizar-se-á a vida de inúmeros cidadãos inocentes, por serem objecto da suspeita, inveja ou incompetência de mangas-de-alpaca inimputáveis.

 

Já agora os escritórios dos advogados especialistas de Direito Fiscal estão entupidos de casos de abusos, erros de interpretação e prepotências sortidas da Administração Fiscal, que se arrastam interminavelmente pelos tribunais; e não há pequeno patrão que não tenha histórias para contar, incluindo aquelas em que preferiu pagar, mesmo tendo razão, "para não ter chatices".

 

De resto, no afã predatório de um Estado falido, a Administração Fiscal nem sequer recua perante habilidades de troca-tintas barato, como enviar cartas a contribuintes para pagarem impostos já pagos, na esperança de que não tenham os recibos que os poderiam exonerar, ou prefiram pagar novamente, para evitar incómodos.

 

Pode ser que Paula Teixeira da Cruz consiga o que quer. E não duvido que a própria, com geral aplauso, se considere Ministra da Justiça. Alguns, porém, vê-la-ão por aquilo que é: Ministra do Justicialismo. 

 

publicado por José Meireles Graça às 00:42
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Obrigado eu por o ler.
De facto, o orgulho em nós próprios, nas nossas es...
Os comunas ou marxistas são assim em todo o lado...
Pura corrupção xuxa-kostista
Senhora dona Sonia Mark, por favor vá publicar os ...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter