Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2012

O massacre do Connecticut

O caso do massacre do Connecticut despertou reacções acaloradas: toda a gente tem uma opinião sobre a liberdade do uso e porte de arma, e, singularmente, fica pouco atrás de tachar de imbecil quem tenha opinião contrária.

 

De um lado está a legítima defesa: se os criminosos agem com armas, por que razão o Estado não as haverá de permitir a quem deles se quer defender?

 

No caso da escola Sandy Hook, os professores e restante pessoal poderiam, se tivessem armas, como aqui se diz, defender as crianças e poupar vidas. Diz-se isto e acrescenta-se que o mesmo Estado que limita a liberdade dos pais de enviarem os filhos para os estabelecimentos que entenderem, incluindo aqueles onde a segurança estivesse garantida, não garante de nenhum modo a protecção das crianças nos estabelecimentos públicos.

 

Depois, quem tem um genuíno amor da liberdade aceita mal que um Estado invasivo, que já hoje regula de forma confiscatória o que cada um pode conservar do que ganha ou lhe pertence; acabrunha com licenças, autorizações, multas e alcavalas infinitas a actividade económica; penaliza comportamentos desviantes da norma na alimentação e nos vícios; e de forma geral invade a esfera privada de cada um ao sabor das opiniões da maioria dos cidadãos ou de políticos ou departamentos públicos supostamente iluminados - venha pôr limites ao exercício do direito de legítima defesa.

 

As estatísticas ajudam pouco: dizer que há menos criminalidade nos países onde as armas são raras não deixa espaço para diferenças culturais e históricas, que podem explicar melhor as estatísticas do que a simples constatação da existência de correlacções.

 

Instintivamente, estaria do lado dos libertários: é sempre à boleia de causas que a maioria acha justas que o Estado vai lentamente ficando omnipresente e opressor.

 

Mas, desta vez, não estou. Porque toda a gente é capaz, se dispuser de uma arma e as circunstâncias o proporcionarem, de agir ou reagir sem medida. E a multiplicação das armas propicia a multiplicação dos incidentes fatais. Que isto possa conduzir a situações em que a inexistência de uma arma faça mais mal que bem é detestável - mas menos do que a alternativa.

 

Isto digo eu que sou Português. Diria provavelmente outra coisa se fosse Americano - na nossa história nem há uma conquista do Oeste nem os varinos são cowboys.

 

Ah, e ao menos desta vez não acho que quem tiver uma opinião diferente da minha seja um irremediável pateta.

publicado por José Meireles Graça às 23:16
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

A verdade é sempre um problema. Temos os problemas...
Obrigado eu por o ler.
De facto, o orgulho em nós próprios, nas nossas es...
Os comunas ou marxistas são assim em todo o lado...
Pura corrupção xuxa-kostista

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter