Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2012

As externalidades

Acreditemos que o exilado de Paris tem um passado impoluto e que vive a vida de um estudante boémio e curto de verbas, em que a boémia, por causa da idade, se encontra substituída por estudo e empenho.

 

Imaginemos que os Paulos Campos, os Mários Linos, os trânsfugas dos Governos para as empresas com as quais negociaram (nem todos do PS, hélas), têm um par de brancas asas que lhes brotou gracilmente das costas.

 

Suponhamos que todas as escandaleiras envolvendo suspeita de corrupção, malbaratação de fundos públicos, tráfico de influências, e abusos e atropelos sortidos, foram obra de uns meios de comunicação social sôfrega de atenção, servida por jornalistas medíocres, politicamente engagés, e tristemente carentes dos meios para fazer as penosas investigações que cada acusação reclamava e que, se efectuadas, trariam para a praça pública a gritante inocência dos envolvidos.

 

Sobra que o consulado socratista deixou em herança "a maior taxa de desemprego dos últimos 90 anos, a maior dívida pública dos últimos 160 anos, o pior crescimento económico dos últimos 90 anos, a pior dívida externa dos últimos 120 anos, a pior taxa de poupança dos últimos 50 anos, a segunda pior taxa de emigração dos últimos 160 anos" (era o que escrevia um blogueiro que se deu ao trabalho de fazer as contas, pouco antes de se tornar ministro do actual Governo).

 

Para reverter este estado de coisas a actual maioria adoptou um caminho, parte imposto, parte escolhido. A parte imposta é renegada na prática, a benefício da popularidade, por quem principalmente a subscreveu mas não ficou com a responsabilidade de a aplicar. E a parte escolhida é discutível e discutida mesmo por quem, como eu, elegeu a actual maioria, ainda que com reserva mental.

 

Bem ou mal, porém, do que se trata é de reerguer uma casa em ruínas. E a solução, podendo vir de muitas maneiras, não vem certamente de lhe meter dentro as térmitas, os ratos e os habitantes tresloucados que a fizeram chegar onde está.

 

Porque a solução deles não é refazer os alicerces, substituir vigas podres, remendar o soalho, aparelhar para permitir, quando puder ser, a pintura.

 

Não. É comprar um carro novo - o vendedor adianta as primeiras prestações e faz um desconto, daí que seja um negócio recheadinho de imensas externalidades. 

publicado por José Meireles Graça às 17:31
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Se os alemães nos vem buscar engenheiros às dúzias...
Óptimo. Muito obrigado.
E quando pela primeira vez desde 2000 demos um val...
O professor Rebelo de Sousa, se lhe pedirem para d...

Arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter