Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012

Velhos pecados e pecados novos

 

 

As pessoas têm de entender que, aos tiros e a meter gente na prisão, a única coisa que estamos a fazer é a oferecer um mercado de narcotráfico”, argumentou José Mujica.

 

Não sabia quem era José Mujica. Fui ver. Não fiquei exactamente encantado: Mesmo concordando - e concordo - com a declaração, e reconhecendo que o homem tem um aspecto simpático de avô bem-disposto, e um estilo de vida que não invejo mas se impõe à admiração, suponho que teria outro peso se proferida por quem não carregasse um passado tão sombrio.

 

Depois, a afirmação que fez de que "não se vota uma lei porque tenho maioria no Parlamento. A maioria tem de acontecer nas ruas” - gela o sangue: só se sabe o que pensa a rua em eleições livres. Sem eleições livres, não se sabe senão o que pensa a parte da rua barulhenta e festiva, que é uma pequena parte. E, sendo isto assim, a legitimidade do Parlamento não tem que pedir meças à da opinião que desfila aos gritos, espontânea ou não.

 

Mas noutra parte do texto diz-se que "uma sondagem recente apontava que 64 por cento da população discordava da legalização". E, a ser fidedigna a sondagem, também aqui tem razão o original Presidente: a bem da segurança jurídica e da estabilidade das instituições, não se pode ter um direito criminal yo-yo, que hoje é assim e amanhã é assado.

 

Quer dizer que, nos sítios mais inesperados, o edifício bem pensante da criminalização da produção, tráfico e consumo de droga, começa a ruir. E tempos virão em que o realismo e a impotência forçarão os poderes públicos a preocuparem-se menos com um consumo que não podem erradicar, e mais com a criminalidade que lhe está associada e que, essa sim, pode ser inteligentemente combatida.

 

Mas - curioso mundo, este! - do mesmo passo que aqui e ali o senso vai fazendo o seu caminho para se tornar comum, também aqui e ali se vão criando condições para o contrabando, a clandestinidade, o policiamento e a corrupção.

 

A Lei Seca finou-se há muito. A mentalidade que lhe subjazia está aí, pujante. Se fosse cínico, diria que quanto mais tudo muda mais parece na mesma.

 

publicado por José Meireles Graça às 00:31
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter