Segunda-feira, 24 de Dezembro de 2012

Vigiados por um farsante

 

 

Não sabemos se o nome dele é, de facto, Artur Baptista da Silva. Apresentou-se como Economista, coordenador de um observatório das Nações Unidas, consultor do Banco Mundial, doutorado e docente numa universidade americana que não existe (Milton Wisconsin University?). Bateu à porta de uns sindicatos, onde não lhe deram crédito. João Vieira Lopes, presidente da Confederação de Comércio e Serviços, "recebeu em mão algumas páginas" de um "estudo" sobre a crise em Portugal e convidou-o para ser orador numa conferência no Grémio Literário.

 

Não chegou de Saturno: aparentemente, o Baptista chegou de um processo na justiça portuguesa, em que foi condenado por burla a uma empresa onde trabalhava nos anos 80. Detalhe que passou despercebido ao cocuruto do nosso jornalismo, que se apressou a consultar as suas opiniões sobre a crise em Portugal (com ênfase nas "consequências sociais" da aplicação do "programa de ajustamento"). Foi entrevistado por vários jornais, rádios, e estações de televisão, e o Baptista transformou-se rapidamente numa referência incontroversa.

 

Falava sempre em nome da ONU; "nós" isto, "nós" aquilo, e foi assim que Nicolau Santos redigiu fundamentados artigos de opinião que publicou no Expresso, repreendendo o governo português por não saber quem era o Baptista e por não dar a devida atenção aos experimentados "alertas" que o Baptista emitia.

 

Não satisfeito, Nicolau Santos quis dar a devida projecção ao génio que a ONU lhe mandava entregar em casa, e convidou o Baptista para o "Expresso da Meia-Noite" a fim de que todos os portugueses ficassem cientes daquilo que os seus pastores insistiam em ignorar, na maior irresponsabilidade. Durante cinquenta minutos, Nicolau Santos interrogou o Baptista, concentrou-se no que ele disse, debruçou-se encantado sobre as frases do Baptista, e (segurando o queixo que se lhe soltava de admiração) esclareceu o país.

 

Emitido o programa, varridos os estúdios da SIC, e resguardadas as suas instalações dos olhares ainda perplexos dos telespectadores, alguém desconfiou. Resolveu fazer uma pesquisa no Google e meia dúzia de telefonemas. Concluiu (e duvido que tenha demorado mais de meia hora) que, tanto na ONU como no Banco Mundial, ninguém tinha ouvido falar no Baptista, o observatório não existia, e nunca tal "estudo" tinha sido feito.

 

Há muito tempo que o jornalismo "especializado em assuntos económicos" não se recomenda pela sua lucidez e seriedade. Mas dificilmente se esperava que, em menos de 48 horas e pela quadra do Natal, nos fosse oferecida a revelação de um rematado farsante. Não me refiro ao Baptista.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 05:29
link do post | comentar
1 comentário:
De Pedro a 26 de Dezembro de 2012 às 13:06
Concordo completamene com o que refere. O episódio nicolau santos é uma caricatura do jornalismo em Portugal.
Desde que o governo tomou posse a classe joralistica passou à oposição e parece travar guerra com o Governo.
Em meados de Setembro a RTP afirmava que não era tempo de antena de um primeiro ministro desgastado , e protestava por ser obrigada a ir a S. Bento entrevistar o PM.
Os jornalistas estão sempre prontos a dar voz a quem critica as politicas de austeridade.
Na RTP dia após dia desfila Louça, o lider da CGTP.., os lideres do bloco..., enquanto Passos Coelho mal se vê.
O sub director do Expresso também ele cego pelo òdio a Coelho e Gaspar deixou - se enrolar.
O òdio cegou-o.
Mas ele é a caricatura do jornalismo que ( não ) temos.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Permita-me dizer-lhe algo por achar deveras releva...
Permita-me a pergunta, mas qual vírus? Se se refer...
Boa...!! faz lembrar entao as compras quando nos q...
Eu recomendo sempre que toda a pessoa faça uma pes...
Acredito. Pois é, de facto e segundo o virologista...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter