Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2013

O peixe podre

 
(*)
 

Pacheco Pereira tem uma grande biblioteca, a reputação de ter uma formação filosófica, imagino que sólida, e de ser um leitor ávido. Isto num espaço público onde a maioria não chega sequer a ter consciência da própria ignorância mas tem um respeito instintivo pelos intelectuais, mesmo quando os despreza, intimida. Depois, sempre se envolveu no combate político, sempre teve simpatias partidárias declaradas e, a partir de certa altura, cedo, migrou da nebulosa comunista para a zona democrática, acolhendo-se na balbúrdia congénita do PSD, onde ganhou estatuto - os partidos políticos adoram ornar-se de intelectuais e houve um momento na nossa história recente em que um ex-comunista era recebido de braços abertos, por conferir uma espécie de legitimidade "revolucionária" aos partidos "burgueses". Éramos assim, anteontem, e não creio que sejamos muito diferentes hoje.

 

Desde que Passos apareceu na corrida para disputar a liderança do PSD que Pacheco escolheu outros cavalos; e pôs nesse combate a suficiência e a jactância que lhe são naturais.

 

Perdeu: tem mais vocação para perder do que para ganhar, o que, se não diz nada sobre o que quer que seja que defenda como doutrina política para o nosso País, diz alguma coisa sobre a sua competência tática para a luta partidária.

 

Mas Pacheco não gosta de perder. E tem das suas tribunas perseguido tenazmente o Governo actual, a tal ponto que na Quadratura, por exemplo, o seu discurso só se distingue do do edil Costa quando falam do passado: Pacheco acha, com razão, que Sócrates foi um demagogo que pôs o País de joelhos; e Costa entende que, se Sócrates tivesse sobrevivido, não haveria Memorando, nem austeridade, mas antes "apostas no crescimento", e mais "solidariedade", "Europa" e outras piedades. Que são precisamente as mesmas, mais a renegociação, que defende para a situação presente.

 

Fosse eu um malévolo blogueiro e diria que, se Pacheco tivesse algum lugar no aparelho da Situação, não abandonaria a sua aversão ao líder da maioria mas seria bem mais compreensivo dos constrangimentos terríveis que este Governo herdou; e que, longe de escrever textos imbuídos de um espírito de finis patriae, daria algum contributo para o desenho de uma solução.

 

Mas não, não dá: o título do artigo de ontem (sem link) no Público era: O peixe apodrece pela cabeça. E nele condena com veemência, e muitas vezes com propriedade, na governação actual, o estilo, as práticas, as maçãs podres e a Refundação. E conclui: "Sempre podem cortar a cabeça ao peixe, deitar o peixe fora e arranjar outro. É difícil, mas não é impossível".

 

É no que dá um pensador envolver-se na guerrilha partidária: prefere discutir pessoas e lugares, não políticas. E, como de costume, nem nisso acerta: o peixe do PSD é decerto pouco fresco; o do PS, herdeiro natural, mesmo que envolvido em folhas frescas de salva, despede um fedor que empesta o mercado.

 

Sobre a reforma da frota de pesca, Pacheco diz nada. Confere.

 

__________

 

*tirado daqui

 

publicado por José Meireles Graça às 00:54
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...
Não, não sou tão mau, Terry. É só retórica.
Não percebo como é que leio as suas alternativas e...
http://maquinadelavax.blogspot.pt/2017/12/portrait...
Curiosamente, estes inquisidores modernos, quando ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter