Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013

O paternalês

 

Ficou célebre a boutade de Jorge Sampaio: Há mais vida para além do défice! Não é de excluir que este desabafo tolo venha a ter direito a uma nota de rodapé numa monografia sobre a III Républica, a escrever por um historiador que, daqui a cem anos, queira compreender o estranho regime que, em menos de duas gerações, levou o País à falência por três vezes, a última das quais com dívidas, pública e externa, sem precedentes.

 

O próprio diz que nunca disse o que se diz que disse, tendo antes afirmado: Há mais vida para além do orçamento! - como se fosse muito diferente, valha-o Deus.

 

Para já, estamos ainda a fazer a história deste período, do qual ignoramos o desenlace.

 

Cada qual é livre de construir uma lista dos factores que conduziram ao descalabro a que chegámos. Na minha figuram em lugar proeminente o crescimento constante do peso dos direitos económicos que a nossa gloriosa Constituição consagra, a evolução demográfica, a condução geral da economia de modo desfavorável ao investimento privado, o aumento imparável da importância da Administração na vida das empresas e dos cidadãos, e a adesão ao Euro. Este último por ter sido aquele que reorientou a economia para actividades sem futuro e porque permitiu atingirem-se níveis de endividamento, público e privado, que com moeda própria não teriam sido possíveis.

 

Na parte em que estes factores dependeram de decisões políticas não se nota especialmente a influência de Sampaio, dada a sua condição de figura menor até ser eleito Presidente da Républica. Aliás, tirando a famosa tirada de 2003, mais o facto de ter demitido um Governo com maioria parlamentar porque não era do seu partido e tinha uma grande falta de popularidade, os mandatos como Presidente não desmereceram da sua singular vacuidade.

 

Nestas quase quatro décadas Sampaio esteve sempre do lado errado. E esteve sempre em modo soft, embrulhando as banalidades das sucessivas vulgatas de esquerda que foi adoptando num palavreado que, quando era mais novo, era o mesmo do seu clube partidário, mas traduzido para intelectualês, e, agora que é um senador do regime, para paternalês.

 

Exagero meu? Não me parece.

 

publicado por José Meireles Graça às 17:40
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O lacinhos do espesso, não acerta uma, enfim, mais...
Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter