Terça-feira, 17 de Abril de 2012

A primeira morte de Günter Grass

  

Gunter Grass.jpg

 

«Temos a Coreia do Norte e o seu tirano autista, que conta com um arsenal nuclear amplamente operativo.

 

Temos o Paquistão, do qual ninguém sabe nem o número de ogivas que possui, nem a exacta localização destas, nem que garantias temos de que, quando menos esperarmos, não acabem nas mãos dos grupos ligados à Al Qaeda.

 

Temos a Rússia de Putin que, em duas guerras, conseguiu a façanha de exterminar a quarta parte da população chechena.

 

Temos o carniceiro de Damasco, que já vai pelos dez mil mortos, cuja alienação criminal ameaça a paz na região.

 

Temos o Irão, claro está, cujos dirigentes fizeram saber que, quando dispuserem delas, as suas armas nucleares servirão para atacar os vizinhos.

 

Em resumo: vivemos num planeta em que abundam os Estados oficialmente pirómanos que apontam abertamente aos seus civis e aos povos circundantes, e ameaçam o mundo com conflagrações ou desastres sem precedentes nas últimas décadas.

 

E eis que a um escritor europeu, um dos maiores e mais eminentes, uma vez que se trata do prémio Nobel da Literatura Günter Grass, não lhe ocorre nada melhor do que publicar um "poema" em que explica que a única ameaça séria que pesa sobre as nossas cabeças procede de um país minúsculo, um dos mais pequenos e vulneráveis do mundo, que, diga-se de passagem, também é uma democracia: o Estado de Israel.

 

Esta declaração cobriu de satisfação os fanáticos que governam em Teerão, que, através do seu ministro da Cultura, Javad Shamaghdari, se apressaram a aplaudir a "humanidade" e o "espírito de responsabilidade" do autor de O tambor de lata.

 

Também foi objecto dos comentário extasiados, na Alemanha e no resto do mundo, de todos os cretinos pavlovizados que confundem a recusa do politicamente correcto com o direito a dizer o que lhes vem à cabeça libertando, de passagem, os fedores do mais pestilento dos pensamentos.

 

Finalmente, deu lugar ao habitual e fastidioso debate sobre o "mistério do grande escritor que, para mais, pode ser um cobarde ou um canalha" (Céline, Aragon) ou, o que é pior, sobre a "indignidade moral, ou a mentira, que nunca devem ser argumentos literários" (em cuja abjecção toda uma pletora de "pseudocélines" e "aragões de trazer por casa" se poderíam regalar).

 

Mas, ao observador com um pouco de bom senso, este caso inspirará sobretudo três simples anotações.

 

A decadência característica, às vezes, da senilidade. Esse momento terrível, do qual nem os mais gloriosos estão isentos, em que uma espécie de anosognosia intelectual faz com que todos os diques que habitualmente continham os transbordamentos da ignomínia se desmoronem. "Adeus, ancião, e pensa em mim se me leste" (Lautreamont, Os cantos de Maldoror, Canto primeiro).

 

O passado do próprio Grass. A revelação que fez há seis anos quando contou que, aos dezassete anos, se alistou numa unidade das Waffen SS. Como não pensar nela hoje? Como não relacionar as duas sequências? Por acaso não fica patente o vínculo entre isto e aquilo, entre o burgrave social-democrata que confessava ter dado os seus primeiros passos no nazismo e o miserável que agora declara, como qualquer nostálgico de um fascismo convertido em tabu, que está farto de guardar silêncio, que o que diz "deve" dizer-se, que os alemães já estão "suficientemente sobrecarregados" (não se percebe porquê) para se converterem, ainda para mais, em "cúmplices" dos "crimes" presentes e futuros de Israel?

 

E a Alemanha. A Europa e a Alemanha. Ou a Alemanha e a Europa. Esse vento de mau agoiro que sopra sobre a Europa e vem encher as velas do que não se pode senão chamar "neo-antissemitismo". Já não é o antissemitismo racista. Nem cristão. Nem sequer anticristão. Nem anticapitalista, como no princípio do séc. XX. Não. É um antissemitismo novo. Um antissemitismo que só tem possibilidades de voltar a fazer-se ouvir e, melhor, de ser expressado, se conseguir identificar o "ser judeu" com a identidade supostamente criminal do Estado de Israel, disposto a descarregar a sua ira contra o inocente Estado iraniano. É o que faz Günter Grass. E é o que faz deste caso um assunto terrivelmente significativo.

 

Ainda me lembro de Günter Grass em Berlin, em 1983, no aniversário de Willy Brandt.

 

Ainda o oiço, primeiro na tribuna, depois sentado a uma mesa, entre uma pequena corte de admiradores, com o cabelo tão denso como o verbo, uns óculos de armação ovalada que lhe davam um certo ar de Bertoldt Brecht e o rosto bochechudo tremendo de uma emoção fingida enquanto exortava os seus camaradas a olhar de frente o seu famoso "passado que não passa".

 

E ei-lo aqui, trinta anos depois, na mesma situação que esses homens com a memória esburacada, fascistas sem o saberem, acossados sem o ter querido, a quem, naquela noite, ele convidava a assumir os seus inconfessáveis pensamentos ocultos: postura e impostura; estátua de areia e comédia; o Comendador era um Tartufo; o professor de moral, a encarnação da imoralidade que combatia; Günter Grass, esse peixe gordo das letras, esse robalo congelado por sessenta anos de pose e mentira, começou a descompor-se e isso é, literalmente, o que se chama um descalabro. Que tristeza.» *

 

(Bernard-Henri Lévy, publicado no jornal El Pais em 15 de Abril de 2012)

 

* Tradução minha

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 22:07
link do post | comentar
12 comentários:
De Rosário Coimbra a 17 de Abril de 2012 às 23:24
Margarida: o Gunther Grass está velhinho e baralhado; os israelitas aproveitaram a deixa para um inqualificável golpe de propaganda; e o Henri-Levy também (é preciso não esquecer que ele também é Forjaz).
De Margarida Bentes Penedo a 24 de Abril de 2012 às 13:50
O "velhinho e baralhado" tem semelhanças com o álcool: descontrai, remove os filtros.

O Levy está para o Forjaz como o Sacré Coeur está para o contentor do parque de reboques da PSP. Onde somos recebidos para pagar as multas.

Dito de outra maneira, lá está; é um daqueles casos em que o Levy diz assim: "Eu não sou da família do Forjaz, ele é que é da minha família".
De Anónimo a 18 de Abril de 2012 às 09:29
Rosario: A Margarida chegou ao âmago da questão. Nunca Grass me enganou
De Rosário Coimbra a 18 de Abril de 2012 às 09:38
Eu nem defendi, nem critiquei o Gunther Grass, Caro Anónimo... o tema de que falo no meu post tem mais a ver com regulação do pensamento.

Se quer a minha opinião sobre o Grass, acho que está (tal como o Levy no artigo que a Margarida traduziu) a aproveitar a onda para aparecer. E o poema, já agora, é fracote.
De Margarida Bentes Penedo a 24 de Abril de 2012 às 14:01
Também nós, Rosário, tu e eu, tentamos "aproveitar a onda para aparecer". E espero que consigamos, caramba! Para alguma coisa andamos aqui, a largar uns escritos tão jeitosos...
De Rosário Coimbra a 24 de Abril de 2012 às 14:52
Não é bem isso, Margarida; a questão é que o B H-L é conhecido por gostar de "aparecer". E, para ter protagonismo, "anything goes".
Digamos que se trata de uma espécie de mentor no Nuno Rogeiro, no sentido de que fala de qualquer coisa - até de doces conventuais - desde que esteja sob holofotes.
De Margarida Bentes Penedo a 24 de Abril de 2012 às 16:25
*Bruno Rogério

Mas estamos como a história do relógio parado...
De Margarida Bentes Penedo a 24 de Abril de 2012 às 13:53
Quem chegou "ao âmago da questão", caro Anónimo, não fui eu: foi o Lévy. Eu só cheguei ao texto do Lévy.
De Quim onas a 19 de Abril de 2012 às 01:50
Margarida, já alguma vez andaste num cucciolo ?
De Margarida Bentes Penedo a 19 de Abril de 2012 às 02:24
Naquela coisa meio mota meio bicicleta? Não. Mas tenho pena, porque é giríssima.

A que propósito vem essa pergunta, Quim?
De Quim onas a 21 de Abril de 2012 às 09:43
Margarida, acho que o cucciolo devia ser o veiculo oficial do governo.
Imagina a venta azeda da justiça a chegar de cucciolo , que pinta.
E a Cristas, sentada com as perninhas para o mesmo lado, para não se ver os persuntos.
Reconheço que o Gaspar com aquelas pernas pequeninas ia ter serias dificuldades.
Mas que era um exemplo de austeridade, lá isso era.
Há muitos anos tive um cucciolo .
De Margarida Bentes Penedo a 24 de Abril de 2012 às 13:57
O cucciolo tem muita pinta, Quim. Mas este post não trata dos veículos do Estado português.

Já abordei esse tema. Por exemplo, aqui:

http://gremlin-literario.blogs.sapo.pt/12176.html

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Obrigado eu por o ler.
De facto, o orgulho em nós próprios, nas nossas es...
Os comunas ou marxistas são assim em todo o lado...
Pura corrupção xuxa-kostista
Senhora dona Sonia Mark, por favor vá publicar os ...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter