Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

Amy Martin

 

 

Carlos Mula acaba de se notabilizar. Não pelos adornos académicos, que são muitos (e dos bons: Cambridge e Columbia inclusive). Também por cá temos disso com fartura. Nem por ser um dos "especialistas" do FMI que elaborou o nosso admirável relatório. Em seis, um era este; outro era filho de um ex-ministro português (que, de resto, se apressou a elogiar-lhe o trabalho como compete a um pai extremoso).

 

Carlos Mula tampouco se distinguiu por ter trabalhado directamente com Zapatero, redigido o programa eleitoral do PSOE para as últimas eleições, ou ser "participante" na campanha "A Austeridade não está a Funcionar" (um movimento "pan-europeu" que se proclama "pró-crescimento económico"). Qual é o espanto? Um socialista a impingir soluções "ultra-liberais"? Era preciso que as "soluções" constantes do dito relatório fossem "ultra-liberais". Não são; algumas são sensatas (poucas), outras são inaplicáveis (muitas), outras ainda são ridículas (aumentar 1 ano na idade da reforma?), e quase todas se baseiam na comparação de números incomparáveis. Por isso o relatório não é "ultra-liberal", é só bastante-parvo. E um socialista não se destaca por ajudar a conceber um documento bastante-parvo.

 

Carlos Mula dirigia uma fundação, pertencente ao PSOE, e considerou que o seu salário não correspondia às suas aspirações. Começou por inventar uma escritora e baptizá-la com o bonito nome de Amy Martin. Depois pediu à mulher que lhe registasse a "marca comercial" e desenhasse um logotipo para os textos da senhora.

 

Esta parte correu muito bem. O logotipo actualiza o "Homem Vitruviano", pelo expediente de transformar a figura de Leonardo da Vinci na "Colunista Despachada" de proporções ideais, dioptrias adequadas, oxidação nórdica, e guarda-roupa formal para as cerimónias de tomada de decisão. Em tonalidades cor-de-rosa, para afirmar que o sexo da colunista (sendo identitário) é indiferente aos directores da Fundação Ideas, podendo tratar-se de um travesti.

 

A seguir "contratou" a sua menina para escrever redacções sobre temas sortidos, que iam desde a indústria cinematográfica da Nigéria, à central nuclear de Fukushima, à crise na zona Euro, ou à "medição da felicidade" (não inventei). Amy Martin era, como o logotipo fazia suspeitar, um crâneo renascentista capaz de desenvolver dissertações sobre um leque vastíssimo de assuntos. Desde que devidamente compensada a cerca de 3.000 euros por artigo.

 

Entre 2010 e 2011, a contazinha em opiniões atingiu 50.000 euros. Tudo com facturas detalhadas, caracter por caracter. Surpreendentemente, quiseram conhecer a senhora.

 

Carlos Mulas não forneceu mais do que um endereço electrónico e um número de telefone registado nos Estados Unidos. Nunca apareceu um currículo, nem outras obras da criatura. O estupendo economista disse que estava "convencido que Amy Martin era uma analista política", mas "só a tinha visto uma vez". Sobre os honorários, Carlos Mula informou que "não se ocupava desses assuntos na fundação", e que "desconhecia que tabelas se lhe aplicavam". O que fazia sentido, uma vez que alguns dos "trabalhos" de Amy Martin coincidiam com outros publicados pelo próprio Carlos Mula.

 

Descoberta a solução de Carlos Mula para o impasse do seu orçamento pessoal, a Fundação Ideas tratou de o despedir. Suponho que o seu nome contribui, neste momento, para embelezar as estatísticas do desemprego espanhol.

 

Sem se atrapalhar, considerou que era suficiente tirar uma rúbrica daqui, para a acrescentar ali, os "comprovativos" não eram um problema. E foi nesta mundividência alargada que Carlos Mula desprezou qualquer conhecimento dos meios jornalísticos. Se tivesse partilhado o seu plano de "ajustamento" com o primeiro estagiário que encontrasse, mesmo com o colégio por acabar, ficaria apetrechado com a noção de que não valia a pena inventar um colunista. Porque se fosse bera, não lhe pagavam 3.000 euros por artigo. E se fosse bom, iam querer conhecê-lo.

 

O conhecimento dos meios sobre os quais fazem incidir os seus magníficos "planos" não é um costume frequente nesta raça de profissionais. Em matéria de vigaristas, estamos mais bem servidos que os espanhóis: os nossos, em lugar de despedidos, são promovidos.

 

Recomenda-se portanto este mamífero pela estupidez e incompetência que mostrou no desempenho da sua fraude, de natureza puramente contabilística. Carlos Mula é uma brincadeira. É a vergonha dos vigaristas, mesmo na classe mais rasteira dos falsificadores de documentos.

 

Por isso não se entende a insistência em contratar profissionais estrangeiros para nos escreverem os relatórios. Os portugueses têm sido sujeitos a sacrifícios duríssimos. Um módico de caridade obrigava à contratação de vigaristas sérios.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 04:40
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O lacinhos do espesso, não acerta uma, enfim, mais...
Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter