Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

A monstra

 

 

 

Aparentemente a privatização da RTP foi adiada para "um momento mais adequado face às circunstâncias". Suspeito que uma das "circunstâncias" a remover do caminho da privatização tenha o apelido Relvas. O ministro com a pasta das privatizações é uma "circunstância" que só tem prejudicado as privatizações (foi exemplar a maneira como rebentou com o processo da TAP), e todas as que se fecharam até agora (desde que este governo entrou em funções) foram feitas apesar do sr. Relvas.

 

Compreendo. Tentar evitar que semelhante "circunstância" tome decisões irreversíveis é próprio de um governante prudente. Porque depois de devolvida ao seu lugar (seja ele um conselho de administração, a praia de Copacabana, ou o anonimato), a "circunstância" vai à vida dela; e nos braços do responsável seguinte é que ficam aqueles meninos imundos.

 

Se além de prudente o governante estiver interessado no que é melhor para os portugueses, o "adiamento" ganha uma justificação redobrada. Até agora as opções do sr. Relvas não resolviam o problema essencial que é livrar o contribuinte do pagamento de um serviço que ele não contratou, não lhe faz falta, nem pode pagar. Com a agravante de ser um serviço pernicioso (como se tem verificado pelos "conteúdos" dos últimos anos).

 

A ideia de que "os privados gerem melhor", tão nutrida pelos nossos "senadores", é um erro grosseiro. Os "privados" só "gerem melhor" (quando gerem) se arriscarem aquilo que é seu (e não os dinheiros públicos). E se operarem em condições de livre concorrência, o que não acontece quando se trata de um monopólio (e, o que é mais grave) subsidiado. Ou seja, os cidadãos ficam mais bem servidos se recorrerem aos serviços de privados excepto quando "os privados" operam no tipo de enquadramento que o sr. Relvas se preparava para lhes servir.

 

Este conceito tem visto dificuldades em entrar nos crâneos portugueses. Alguns, possivelmente, por falta de espaço uma vez que já se encontram superlotados com importantíssimas conclusões académicas. A explicação mais frequente é que "os patrões" (note-se que só existem "patrões" nas empresas privadas), movidos pela "ganância" natural e pelo "acicate do lucro", "andam mais em cima dos empregados" o que os faz "funcionar mais produtivamente" (como tão bem explicou Fátima Bonifácio).

 

Para certos entendimentos "liberais" (no "sentido clássico do termo") a técnica para o sucesso de uma empresa é bastante simples. Arranjam-se uns "patrões" (quanto mais "gananciosos" melhor) e acena-se-lhes com um embrulho de petrodólares na ponta de um par de varas devidamente encaixadas nas orelhas. Depois gastam-se umas massas a equipar esses "patrões" com instrumentos de agressão. Há quem proponha Tasers. Eu estou convencida que o mau hálito é suficiente; basta para tal incluir este requisito no briefing do casting, e seleccionar os "patrões" mais apetrechados. Em caso de dificuldade, umas résteas de alhos resolvem o problema com reduzido empate de capital.

 

Na fase seguinte, contratam-se empregados. Mas de estatura média (ou desejavelmente baixa, 1,20 seria o ideal), para que não dificultem aos "patrões" a tarefa de "andar em cima deles". Por fim, basta puxar de uma cadeira e assistir ao entusiasmo dos empregados a "funcionar mais produtivamente", estimulados por electrochoques ou por bafos de carapaus de escabeche.

 

A única desvantagem deste sistema é que "o lucro sobrepõe-se à qualidade do serviço". Mas esta é uma pequena factura que devemos ponderar, uma vez que "a natureza humana, infelizmente, não é perfeita".

 

Esta escola de pensamento económico é tão divertida quanto pulverizada pelas opiniões "liberais" portuguesas. Os filósofos nacionais constituem "um foco" que tem sido subvalorizado "lá fora", mas nem por isso devemos recuar perante o facto de estarem errados. A realidade (mais sisuda) é que "os privados" só "gerem melhor" se tiverem alguma coisa a perder no caso de gerirem pior. Designadamente, se estiver em causa o seu próprio capital e a clientela da empresa. Quando os planos do sr. Relvas propõem aos privados a possibilidade de "gerirem" com dinheiros públicos uma "carteira de clientes" que abrange, garantidamente, todas as famílias e empresas portuguesas, já se está mesmo a ver onde fica "a qualidade do serviço", para onde são encaminhados os dinheiros desta habilidade e, sobretudo, onde vai cair a factura dos prejuízos.

 

Mal por mal, melhor que as soluções do sr. Relvas, que Paulo Portas conseguiu travar a tempo, é a alternativa de deixar tudo como está. Fechar a RTP (e quando digo a RTP refiro-me a todos os canais públicos de televisão e rádio) era a opção ideal. No dia em que a RTP deixar de ser olhada pelos doidos como se fosse o nariz da República, pelos "profissionais do sector" como a árvore das patacas, e pela populaça como um castigo fatal, talvez seja possível.

 

Até lá, com funcionários mais ou menos presunçosos a presidir à monstra, desde que devidamente acompanhados, prevê-se uma "restruturação" com "parceiros tecnológicos" e as demais "modernizações" que acompanham estes processos. Alberto da Ponte já foi avisando que a manobra vai ser "dolorosa". Espero que seja.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 03:25
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Muito obrigado por este "post" gostei muito assim ...
Optima analise. Todos tivessem essa lucidez e bom ...
Optima analise. Todos tivessem essa lucidez e bom ...
Simples e sentido: a minha felicitacao e agradecim...
«Onze dos 24 infetados são funcionários de saúde»V...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter