Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2013

O bufo

Para a maior parte dos eleitores o 25 de Abril só ainda não é o 28 de Maio porque ainda se fala muito dos Cravos - estão vivos muitos protagonistas e espectadores, e a gente velha não se cala com o antigamente.

 

O 25 de Novembro, então, já deve estar abaixo do nível do 5 de Outubro, que só não cai no olvido definitivamente porque o putativo Rei anda por aí, como andam em países retrógrados muitos que são reis verdadeiramente.

 

Quando os da minha geração, na qual há já grandes e crescentes clareiras, forem muito poucos e a cair da tripeça, a memória do 25 de Abril morará apenas no coração enfraquecido e na cabeça atarantada deles; e depois juntar-se-á ao 31 de Janeiro, à Maria da Fonte, ao 5 de Outubro, numa amálgama dos cacos da nossa História.

 

Para um democrata como eu, é bom que seja assim. Porque a comparação entre o que somos e o que fomos, o que éramos perante o resto do Mundo e no que nos tornámos, faz com que, por vezes, seja difícil conter uma explosão de cólera e exclamar: Volta Marcelo, estás perdoado!

 

Entendamo-nos: Marcelo era muitíssimo tolerante, com excepção de não deixar falar, e menos ainda escrever, quem discutisse ou contestasse o Poder; e apreciava fortemente a Liberdade, com a condição de o exercício dela não pôr em causa a ordem estabelecida ou ao abrigo dela se conhecer o que não conviesse à Situação.

 

Para quem com gosto e frequência se alivia das suas opiniões, como eu, estas limitações são intoleráveis. Mas tenho trabalho e não vivo mal. E cabe perguntar se quem não o tem e se encontra na miséria conserva um tão acrisolado amor à Democracia: é que os eleitos trouxeram algumas coisas óptimas, mas abstiveram-se cuidadosamente de esclarecer que para pagar as promessas eleitorais contraíram empréstimos como se não houvesse amanhã. Mas havia - é hoje.

 

É que Portugal, até 1974, crescia, e muito mais do que os seus futuros parceiros; e agora a única coisa que cresce é a dívida pública, muito, e as exportações, alguma coisa. Essa malfadada dívida era na altura de cerca de 15% do PIB, apesar de o País suportar uma guerra colonial em três frentes; e as reservas de ouro no Banco de Portugal, que pelos tratados para pouco servem, eram quase o dobro do que agora "temos".

 

Não podíamos falar. Mas nas caixas dos supermercados, aliás raros, não se encontravam licenciados; e mesmo que, então e agora, houvesse emigração, sempre o emigrante podia enviar as suas poupanças para uma banca segura e um país respeitador da propriedade e amigo da estabilidade.

 

O Estado encarregava-se de fazer a vida num inferno a quem activamente era inimigo do Poder de então. Mas, mesmo com os custos de um aparelho repressivo e uma guerra que não poderíamos ganhar, ficava-nos barato. E, desde que pagássemos o preço com silêncio e inacção, deixava-nos largamente em paz.

 

Agora não deixa: não se pode comprar uma camisa, ir a um restaurante, adquirir um livro, sem que quase um quarto do preço seja imposto; do que resta, basta ter rendimentos que na Europa são considerados de classe média para o Estado se apropriar de metade; os impostos sobre o vício ou o prazer são demenciais; nas empresas e na vida das pessoas há um fiscal à espreita, especialista em normas, regulamentos e proibições, brandindo coimas terroristas; e a cada novo orçamento, a cada nova legislatura, crescem as proibições, os interditos, as sanções.

 

Houve um tempo, que vivi, em que havia o censor - conheci aliás um espécime da categoria que, no pós vinte e cinco do quatro, se converteu à social-democracia; e houve um tempo em que havia o bufo - denunciava Fulano como sendo da "Oposição" e Fulano estava metido numa alhada.

 

Parece que os bufos recebiam uma pitança. Mas não era obrigatório ser bufo, e só fanáticos e escumalha se prestavam ao papel.

 

Agora, toda a gente é obrigada a ser bufo, sob pena de multa. Mas não se pode parar o Progresso: enquanto paga pode falar, ninguém lho proíbe - isso seria contra a Liberdade. 

publicado por José Meireles Graça às 00:03
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, ignorava. Obrigado.
Muito bem! De referir apenas que já não existe, de...
Nem a proposito... ainda ontem lia esta noticia......
O autor deveria saber que para o Estado não ir á s...
Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter