Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2013

Que aconteceu em Itália?

Uma lei eleitoral apelidada de “Porcata”, “Porcelllum”, ou em português “Porcaria” condiciona fortemente os resultados, ao atribuir um prémio de maioria à força política mais votada para a Câmara de Deputados, dando-lhe automaticamente 55% dos lugares e, um método de eleger o Senado em função de lugares atribuídos por regiões que retiram qualquer proporcionalidade à eleição para esta câmara. Esta lei foi publicada por Berlusconi em 2005.

 

Na actual situação, o governo de centro-esquerda, coligação mais votada, a ser nomeado pelo presidente da república poderá propor leis que até poderão vir a passar na Câmara graças à maioria forçada de 55% mas estarão condenadas a não passar no Senado se os senadores de Berlusconi as quiserem bloquear. Ingovernabilidade.

 

A lei “Porcaria” já deveria ter sido alterada mas graças à incapacidade de todos os partidos manteve-se em vigor. No fundo, cada um deles esperava vir a ser beneficiado pelo sistema, e em vez disso, foi criado o bloqueio. Como se resolverá? Nos próximos dias começarão a definir-se os novos equilíbrios mas uma aliança Berlusconi e Bersani parece altamente improvável e potencialmente muito instável. Grillo já disse que não se alia com ninguém e também já afirmou que espera por novas eleições em Setembro para subir o seu peso e poder finalmente governar a Itália. É possível que assim suceda e essa perspectiva servirá como pressão para que Berlusconi e Bersani se aliem mas, estes dois, estarão provavelmente condenados a não se entenderem, e em alternativa, caso se entendam, o governo sairá necessariamente muito fraco e incapaz de fazer reformas urgentes e profundas.

 

Como se chegou aqui? Como os principais intervenientes criaram a situação em que a Itália aparece tão dividida?

 

Berlusconi (PDL "Popolo della Libertà" e Legga Nord): este alcançou o resultado e fez a recuperação estrondosa em função de uma mentira demagógica óbvia. Prometeu que aboliria o imposto “IMU” (o IMI local) e devolveria tudo o que os cidadãos pagaram em 2012, em 2013, um mês depois de tomar posse como governo. A história da IMU é caricata, pois foi com a promessa da sua abolição, que Berlusconi ganhou as eleições em 2008 e, de facto, assim o fez. Em 2011, fruto da enorme pressão europeia e do aumento do“spread”, Berlusconi foi obrigado a reintroduzi-la. Em 2013 recupera e ganha o Senado, de novo com a promessa da abolição da taxa e devolução dos montantes pagos pelos contribuintes.  

- Uma verdadeira lição de como o populismo demagógico é capaz de vencer os corações de eleitores menos preparados.

 

Beppe Grillo (Movimento 5 Stelle) : Grillo é a revolução democrática pacífica italiana. Um cómico, a quem poucos auguravam sucesso político, consegue mobilizar os descontentes de um sistema político terrivelmente malsão. Com primárias feitas por toda a Itália, Grillo conseguiu eleger cidadãos comuns com a missão de sanear os políticos “velhos” que são vistos como a origem de todos os males italianos. Grillo pretende referendar o Euro, controlar a imigração, atribuir um rendimento de cidadania a todos, e julgar em praça pública os políticos responsáveis pela corrupção e decadência italiana.  Espetacular é também o facto de Grillo e o seu Movimento 5 Estrelas conseguiram o excelente resultado sem usarem a televisão como meio de campanha eleitoral. Apenas com a web, Facebook, blogs e praças públicas cheias de gente, Grillo mobilizou cerca de 25% dos italianos.  

– Grillo disse ontem: “Onde nos sentaremos nas câmaras? Atrás de vós (os outros deputados e senadores) para controlarmos cada passo que dão”.

 

Bersani (PD "Partito Democratico" e SEL "Sinistra, Ecologia e Liebertà"):  este é, no meu entender,  o grande responsável pela distribuição tão dividida da votação. O PD, nas primárias que se desenrolaram em finais de 2012, teve a grande oportunidade de se constituir como alternativa, ao poder eleger como candidato a primeiro-ministro Matteo Renzi. Renzi, o jovem “sindaco” de Florença, aos 37 anos (um miúdo para os parâmetros italianos de ser político com sucesso) com um discurso muito liberal e de “reciclagem” da velha guarda do PD, tinha nas sondagens mais intenções de voto que Bersani. Mesmo assim, a velha guarda, boicotou Renzi de todas as maneiras possíveis e este não foi eleito. Berlusconi tinha dito que se Renzi fosse o candidato, não concorreria e, chegou inclusivamente a convidá-lo para concorrer com o PDL. Os descontentes também encontravam resposta em Renzi pois o seu discurso, em termos de propostas de alteração do sistema político era semelhante ao de Grillo, com a vantagem de vir de um partido político estabelecido no poder.

– Bersani fez uma campanha sensaborona sem qualquer brilho, própria de quem não tem mais que fazer que implementar a política de Bruxelas. Os italianos, pelo demonstrado, não querem isso.

 

Monti (Scelta Civica): assessorado pelo gestor de campanha de Obama que tentou introduzir métodos americanos numa cultura política profundamente diferente, obteve um resultado péssimo e desbaratou o capital de “super-partes” que tinha obtido com o seu governo técnico e com o qual conseguiu conter em 2012 a explosiva situação  italiana. Com 10% dos votos nem é importante para formar coligação com o PD. Tornou-se irrelevante e pode dizer-se que por escolha própria.

– Monti é a prova de como o bom técnico não faz o bom político.

 

O pano de fundo destas eleições é um país profundamente desiludido consigo próprio onde os rendimentos estão fortemente em baixa por via da utilização de uma moeda não própria que não serve a robustez declinante industrial italiana e a dinâmica de uma economia muito fechada em si própria. De há 15 anos para cá o poder de compra das pensões reduziu-se em 30%, o desemprego está a subir, a produção industrial a cair e a pressão fiscal sobre as empresas a 70%. 

publicado por João Pereira da Silva às 10:17
link do post | comentar
1 comentário:
De Cecilia Gama a 26 de Fevereiro de 2013 às 10:36
O que dizer? Porca miseria!

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Nos hospitais portugueses há 50 anos havia mulhere...
Só falta mesmo é a Ordem das Sopeiras, quero dizer...
O jornalismo cairá, por cá, como vai caindo por lá...
O conselho que costumo oferecer aos meus correspon...
Não percebo a admiração. O jornalixo cá do burgo m...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter