Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2013

Palhaços que não o são

Chamar palhaços a Berlusconi e a Grillo, tal como tenho lido em artigos internacionais e nacionais portugueses é ignorar as necessidades muito humanas da sua existência. Dessas necessidades se alimentam os dois e cada um ao seu modo, com maestria.

 

Berlusconi é um homem perigoso socialmente. Um, talvez sociopata, preocupado apenas com a resolução dos seus problemas pessoais com a justiça, o poder económico das suas empresas e a sua capacidade de condicionar a vida política italiana, sempre em benefício próprio. Não há nele um átomo de “pensar no bem comum”. A maior parte dos italianos sabe-o e despreza-o tanto ou mais como o resto do mundo. Contudo, Berlusconi é um mestre na arte de manipular massas, um homem de televisão, de show, encantador e manipulador que sabe como poucos como tirar proveito de uma fraqueza humana. Qual? A espera do messias, do encantador de serpentes, bom contra todos e sempre vítima de inimigos ainda piores que ele.  Vende soluções mágicas a cidadãos pouco ilustrados, sobretudo velhotes pensionistas e pessoas de baixa instrução que tendem a crer que apenas ele poderá resolver a miséria da sua vida. Não é nas classes mais abastadas que tem a maioria dos seus apoiantes, é nas classes baixas. Durante a campanha eleitoral enviou uma carta onde prometia a devolução do IMI italiano e formaram-se filas que entupiram os correios com pessoas que levavam o “formulário” de devolução contando receber de volta o imposto pago em 2012. Berlusconi, manipulou, sabiamente, a mente de milhões de crédulos e incapazes de perceber melhor. Pobres. Verdadeiros pobres.

 

A interrogação mais premente é: porque este homem vinga em Itália e no resto da Europa não há equivalente. Não há? Temos a certeza? Quantos políticos prometem este mundo e o outro e a faixa mais desfavorecida pela evolução acredita? Este é o mercado de Berlusconi. Em Itália é evidente, no resto da Europa não existe? O seu partido que ganhou o senado, recebeu nestas eleições menos metade dos votos que nas eleições anteriores. Uma melhoria, portanto. Quantos palhaços como Berlusconi há por aí? Em Portugal recordo-me de um, que sem usar o nariz de ovo, conseguiu duplicar a dívida pública em cinco anos incluindo comprar os votos dos funcionários públicos para ganhar as eleições em 2009. Mesma moral e capacidade de manipular massas em benefício próprio. 

 

Para Beppe Grillo ainda há menos razões para o apelido palhaço. Três anos atrás, um cómico que é um homem de sucesso com uma carreira brilhante, percebeu que havia espaço para um movimento contrário ao sistema político, profundamente podre, italiano. Contra tudo e todos, mobilizou como nunca antes, milhões de seguidores insatisfeitos com o “status quo” que não são mais que gente comum. O seu discurso de “contra” é facilmente entendido por todos nós: os políticos são intrinsecamente corruptos, pensam apenas no seu próprio bem e devem ser controlados e impedidos de fazer mal social. Os italianos viram e vêm em Grillo, a possibilidade de substituir deputados e senadores que há décadas não contribuem para resolver problemas e impulsionar o país (onde já vimos isto?). O estado italiano é uma gigantesca máquina de sugar impostos com uma tremenda burocracia que condiciona fortemente toda a actividade privada. A Itália é um país fortemente empreendedor onde a maior parte da actividade económica depende de pequenas e médias empresa, que como já disse antes em outro post, são taxadas a 70% da sua actividade. Insustentável. O sofrimento destas pessoas, foi aproveitado, sem benefício pessoal, até agora, por um homem muitíssimo trabalhador e visionário que conseguiu congregar a vontade de mudar e a força de milhões de italianos que vêm um futuro negro à sua frente, e para os seus filhos, sabendo que o actual sistema é auto-alimentante de uma clique sugadora dos recursos dos impostos. Onde já vimos isto?

 

A Itália, país latino como nós, emocional e quente, membro do G7, uma das maiores economias do mundo, com um território e população de média dimensão, é uma potência mundial. Os italianos são dos povos mais cultos do mundo. O sistema educativo funciona e as pessoas em média têm um nível cultural muito bom. “Palhaços” a dois líderes que representam mais de 50% do eleitorado? Brincamos? Pois. 

PS.: A propósito de Grillo, um bom post sobre o fenómemo, encontra-se aqui

publicado por João Pereira da Silva às 10:58
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter