Quinta-feira, 7 de Março de 2013

Capuccino muito escuro

A situação começa a ficar mais clara na escuridão dos últimos dias no que diz respeito à governabilidade da Itália. Como? Embora interesse a todos, ela não se realizará, nem fácil nem dificilmente. Ou seja, é claro que não há governabilidade.

 

O presidente Napolitano termina o seu mandato em Maio próximo. Por estar no chamado “semestre branco”, não pode dissolver as câmaras e convocar novas eleições. Temos por isso, de esperar pelo próximo Presidente da República e parte da luta que se começa agora a desenhar é em torno do seu nome que é nomeado em consenso entre os partidos políticos com assento parlamentar. Além do poder de convocar novas eleições, o presidente tem a discricionariedade de dar posse a um governo de iniciativa presidencial. Naoplitano já o fez com Monti e há a forte possibilidade de o próximo presidente o fazer de novo com outro nome pois Monti não tem qualquer possibilidade de conquistar, depois em parlamento, a “fiducia” necessária para constituir governo. Fala-se no nome de Corrado Passera, um financeiro (mais um) duro de roer, europeísta e tecnocrata. Monti bis, portanto.

 

Entre os partidos, a situação continua fortemente condicionada pelo resultado de Beppe Grillo. O Partido Democrático (PD) de Bersani sugere uma aliança com Grillo, mas Grillo responde-lhe com insultos e recomenda-lhe que se vá associar mais uma vez a Berlusconi para criar o novo governo ou suster um governo técnico. Grillo sabe perfeitamente que uma oposição continuada assente no mesmo discurso do "contra todos" lhe assegurará uma votação acrescida nas previsíveis eleições a prazo (seis, oito meses, um ano?).


Berlusconi, está pronto para aliar-se com o PD. O PD diz que jamais se aliará com Berlusconi e abre a Grillo com uma agenda de oito pontos que espera lhe permita arrancar a tão necessária “fiducia” de Grillo. - O PD está assim condenado a mendigar a Grillo o apoio que este recusa claramente - . Grillo diz que não dará “fiducia” mas apoiará medidas legislativas pontuais que venham de encontro ao seu programa eleitoral. Entretanto diz que Bersani  é "il morto che parla".

 

Uma aliança Berlusconi/Bersani resultará provavelmente num governo muito instável, incapaz de reformar, e naturalmente incapaz de terminar com a austeridade, aberto aos ataques continuados de Grillo que muito deseja essa solução para poder crescer eleitoralmente. O PD, vencedor em coligação com a esquerda mais radical, está verdadeiramente encurralado e a estratégia parece ser a de decidir ir em frente e fechar os olhos.

 

Tudo dependerá muito do próximo presidente da República. Grillo sugere que seja Dario Fo, prémio Nobel da literatura com 87 anos e um homem de humanidades muito respeitado. O PD sugere Romano Prodi, um homem ao serviço de Bruxelas e a sonolência e aborrecimento personificados. Berlusconi sugere-se a si próprio.

 

Como vêm, o “cappuccino” continua escuro. A Europa de Bruxelas e Berlim continua a apanhar um duche frio, enquanto em Itália as forças anti-euro condicionam a situação política.   

publicado por João Pereira da Silva às 09:25
link do post | comentar
2 comentários:
De Isabel da Rocha a 8 de Março de 2013 às 14:56
Finalmente uma análise simples, factual e perfeitamente acessível do cenário político actual italiano.
De João Pereira da Silva a 8 de Março de 2013 às 15:18
Muito obrigado. Por ver que também está em Itália o seu comentário ainda sabe melhor. Arrivederci :)

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Na Suiça é isso mesmo que sucede: cada um opta pel...
As escolas publicas, servem para manter imbecis, n...
Muito bem!
O caso é que o zé pagante, já nem protesta, paga e...
Concordo em absoluto. Como é possível 4 anos depoi...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter