Terça-feira, 19 de Março de 2013

Maria-vai-com-as-outras

Sempre suspeitei que o Euro era mal-nascido: a ideia de que uma moeda forte faz, de países fracos, países fortes, é uma patente tolice, que nenhum facto histórico confirma. A verdade é o oposto: os países com uma economia sólida tendem a ter uma moeda sólida. E dentro do mesmo país, quer seja federal como os EUA ou unitário como a Itália, há entre regiões assimetrias persistentes de rendimento que demonstram que a moeda, por si, não equaliza rendimentos nem taxas de crescimento.

 

Não descobri a pólvora, é claro: os pais do aborto sabiam, ou suspeitavam, disto mesmo. E por isso ousaram dar o passo como uma medida irreversível que ia na direcção que almejavam, a da Europa Federal que ainda hoje reclamam. Que se tenha honestamente acreditado que haveria entre os Estados Federados uma relação de igualdade, e que o caminho comum seria determinado por uma combinação razoável de um voto/um Estado, temperada por considerações de peso demográfico e económico, desafia o entendimento. Porque até mesmo uma federação de estados recém-nascidos, e por isso virgens de história, como os EUA, só se consolidou após uma dolorosa guerra que teve na origem, segundo a lenda, questões de direitos humanos e, segundo a realidade, questões de interesses económicos.

 

Porém, confesso com vergonha que dei o benefício da dúvida: não havia precedentes históricos e quem, como eu, entenda que não é possível compreender o presente, e menos ainda adivinhar o futuro, sem conhecer o passado, fica sem pé se não tiver referências históricas.

 

Mas, se não havia precedentes para o abandono voluntário, à escala quase continental, de nacionalidades mais do que consolidadas, havia e há para as consequências de conglomerações que façam tábua rasa do sentimento de pertença nacional, rivalidades tradicionais, equilíbrios, diferenças culturais, língua, história e tudo o mais que faz com que um Português, mais o seu tradicional complexo de inferioridade, nada tenha que ver com um Polaco, mais o seu tradicional medo do urso a Leste ou do Teutão a Oeste, com um Francês, mais o seu complexo de superioridade cultural e da grandeur de la France, ou sequer com um Espanhol, mais a sua sadia indiferença ao estrangeiro.

 

E por isso concluí, disse e escrevi de muitas maneiras diferentes que o Euro, se não fosse vítima do seu insucesso, sê-lo-ia do sucesso. Porque o sucesso, se fosse possível, nunca seria equânime.

 

Não que esta conversa auto-congratulatória interesse: já me significaram a propósito que até mesmo um relógio parado acerta duas vezes ao dia; e que sobre este assunto ainda não falaram definitivamente três doutores.

 

Mas agora falaram, ó se falaram, a propósito de uma pequena ilha a Sul da Turquia. E disseram que todos os esforços para salvar bancos por causa do risco sistémico foram inúteis. Porque, seja para punir os Cipriotas porque elegeram um Presidente comunista e se colocaram na bancarrota; seja porque os credores querem reembolsar-se depressinha e - não é verdade? - uma mão cheia de ilhéus não tem que ter nem opiniões nem veleidades; seja porque o Eurogrupo pretendia dar uma lição a plutocratas russos e a evasores fiscais gregos: não hesitaram em atirar às urtigas a já abalada confiança no sistema bancário dos países aflitos, pelo expediente simples de assaltar as contas dos respectivos cidadãos desprevenidos.

 

A garantia da intocabilidade dos depósitos até 100.000 Euros, até mesmo em caso de falência, foi pelo cano, e com ela quaisquer ideias, mesmo que remotas, de confiança e equidade, porque um assalto é um assalto, mesmo que alguns dos assaltados sejam por acaso ladrões.

 

A confiança no sistema bancário dos países de segunda morreu de morte matada. E, para os distraídos, esta mistura de quase inacreditável estupidez com ganância e sobranceria estilhaçou de vez qualquer ideia ingénua sobre solidariedades, destino comum e outras piedades, que nunca aliás existiram senão na cabeça de sonhadores e na boca de propagandistas e burocratas.

 

O edifício corroído já mostrava faz tempo as suas fendas. Agora, escancara uma enorme brecha.

 

Haveria que tomar providências para a fuga. Se bem conheço o meu País, não vai suceder. De tanto querer chegar ao pelotão da frente ficamos vidrados em quem lá está. E com o hábito dos pelotões: Maria-vai-com-as-outras ou não vai. 

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 01:03
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, ignorava. Obrigado.
Muito bem! De referir apenas que já não existe, de...
Nem a proposito... ainda ontem lia esta noticia......
O autor deveria saber que para o Estado não ir á s...
Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter