Quarta-feira, 27 de Março de 2013

Die Euro-Gruppe

Quando, novinho ainda, tive que ir trabalhar por ter desaparecido quem me sustentava a vida de estudante medíocre e alegre, vivi por alguns anos num modesto quarto arrendado. Comia num tasco com pratos certos para cada dia da semana, passadio às vezes melhorado por a dona seleccionar discretamente para mim os melhores bocados - já lá está, a Zéfinha, que descanse em paz.

 

Aos fins-de-semana, porém, não havia cá proletariado: boa vida, garrafa de whisky na discoteca da moda, juventude dourada de oito em oito dias.

 

Esta prática exercia sobre a tesouraria alguma tensão. E uma ruptura ocasional foi colmatada com um empréstimo oportuno, solvido tempestivamente. Mas à primeira ruptura sucedeu uma segunda, resolvida do mesmo modo. Ao fim de algum tempo os empréstimos pagavam outros entretanto vencidos, e uma pool de pessoas amigas sustentava com naturalidade o circuito, certas de que em tempo oportuno seriam infalivelmente reembolsadas, assim como, um ou dois meses volvidos, encostariam novamente a barriga ao balcão.

 

A história, que terá durado uns quatro ou cinco anos, acabou bem: ninguém foi pago a destempo, ninguém deixou de receber, o carrossel finou-se com naturalidade por melhoria das condições de vida. E, enquanto durou, dei por mim a constatar que afinal não fazia nada de diferente do que faria se não tivesse havido uma primeira derrapagem: apenas andava algum tempo adiantado sobre a data da minha morte.

 

Nenhum dos beneméritos cobrou juros, e nisso - quase só nisso - o exemplo não se aproveita para transpor para o momentoso assunto dos défices das contas do Estado. Porque, na verdade, quem aceita com naturalidade que ter défices faz parte da ordem natural das coisas não vive por isso melhor, apenas esteve adiantado no consumo em algum momento. O chato é que, na vida dos países, há juros, grandessíssima maçada. E a melhoria de vida, que nos países se chama crescimento, tem que cobrir a dívida mais os juros.

 

Eu sei: a despesa pública não é igual ao que chamei consumo, tem uma componente de investimento. Mas, das duas uma: ou o investimento cabe dentro da receita e mesmo que corra mal não abana o barco; ou não cabe, e então, se correr mal, a burra está nas couves. É onde ela está, agora, e não apenas por causa do CCB, ou dos estádios do Euro, ou das PPPs e as mil outras fantasias de políticos empreendedores, interesseiros e corruptos, mas também porque, Deus lhes perdoe que eu não posso, acharam normal endividar o País até mesmo para consumir.

 

Quer dizer que, para sair do buraco, não nos basta mudar de vida, cortando nos fins-de-semana - isso bastaria, e nem seria preciso, se andássemos adiantados, como o meu pregresso eu, um ou dois meses. Mas nós andamos adiantados mais de 14 mezinhos, and counting. E suspeito que não há corte que chegue - mesmo que a dieta do tasco passasse a ser um molete e um copo de água.

 

É preciso crescer. A gente dos reflexos condicionados, que é quase toda, rosna, quando do meu lado do espectro político, o seu desprezo pelos crescimentistas, por a maioria das receitas que por aí andam serem iguais à desastrada que nos trouxe aqui. Para que me não digam que pareço uma daquelas velhinhas que dá bengaladas assim que vê uma mulher a fumar, abstenho-me de apontar outro caminho. Mas faz-me impressão que tenhamos sempre que, automaticamente, nos abrigarmos debaixo de um de dois guarda-chuvas: ou defender que, por pertencermos à UE, temos direito, para resolver o problema dos défices crónicos e da correlativa dívida pública crescente, a financiamentos para uma nova rodada de políticas públicas que - desta é que vai ser - nos garantirão o crescimento depois de amanhã; ou aceitamos como indiscutíveis todas as prescrições do BCE, do Eurogrupo, ou até, nos casos de seguidismo mais acéfalo, da Chanceler Merkel quando ela, a benefício do seu eleitorado, se dá ao trabalho de se pronunciar publicamente.

 

Entre nós, os vícios da chulice europeísta e da hipertrofia do Estado estão tão entranhados que o desmame ou se faz com alguma violência ou não se faz. E talvez valha a pena tentar alijar ao mar boa parte do nosso lastro, mesmo que em algum momento futuro se descubra que nem assim o barco flutua.

 

Mas o hábito do respeito (quem o tem) pelas imaginárias competências da eficiência germânica é traiçoeiro, como se verá:

 

Sucede que o facto de a banca cipriota ter sido arrastada pela dívida grega e outros investimentos imprudentes e estar insolvente; de os depósitos acima de 100.000 Euros terem origem ilícita (há por aí umas percentagens sábias, entre 40% e 90% do total dos depósitos); do sector bancário ser muito maior do que o PIB (entre 5 e oito vezes maior, dependendo de quem fala); e de a economia local, sem o assalto às contas e mesmo com ele, dificilmente reembolsar os apoios a receber: nada justifica o golpe vibrado na confiança no sistema bancário dos países aflitos.

 

Os tais fundos de origem duvidosa, como os que a tiverem legítima, rumarão a outras paragens - é possível que os fundos sejam santificados se estacionarem em bancos loiros de países frios. E, já agora, por toda a Europa do Sul a mensagem correu célere: tens pouco põe debaixo do colchão, tens muito vê lá se abres os olhos.

 

E cá está: a malta castigadora dos caloteiros aplaude o castigo. Então o contribuinte europeu ia ser chamado a subscrever o resgate quando foram os cipriotas, e só eles, que se meteram na alhada, e ainda por cima para salvar depósitos de mafiosos russos e gregos? O Eurogrupo decidiu, e decidiu muito bem, fica o aviso para banqueiros imprudentes, cidadãos ingénuos e trapaceiros sortidos.

 

A confiança, essa, levou um golpe mortal. Para quem pensa o que eu penso sobre a UE, talvez pudesse nisso encontrar alguma satisfação, se não houvesse mais vítimas do que uma mão cheia de plutocratas russos que foram assaltados.

 

Mas há. Os Cipriotas, desde logo. Todos os aflitos. E nós, por conseguinte.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 18:12
link do post | comentar
2 comentários:
De João Pereira da Silva a 27 de Março de 2013 às 20:06
Concordo quase na totalidade. Uma questão apenas: sem afectar a confiança quais eram as alternativas? Deixar sair Chipre ou permitir espaço aos russos?
De José Meireles Graça a 27 de Março de 2013 às 23:27
Se eu acreditasse no futuro da UE (e/ou a desejasse) diria: pagar o que fosse preciso. Com a solução escolhida, nem a UE ganhou nem muito menos Chipre. Faz algum sentido um golpe destes para poupar a miséria que resulta do que se roubou aos depositantes (e que aliás nem sequer se sabe quanto é)? Suspeito que quando forem abrir os cofres vão descobrir que muito voou durante o fecho da banca.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter