Quarta-feira, 3 de Abril de 2013

A análise clínica

Tenho uma gaveta para onde despejo, desde há mais de vinte anos, extensa correspondência com repartições públicas, companhias majestáticas (aquelas, normalmente monopolistas ou oligopolistas, que se relacionam com os clientes sob contratos de adesão), bancos, companhias de seguros e, recentemente, entidades supervisoras, como o Instituto de Seguros de Portugal ou a Anacom.

 

A taxa de sucesso das reclamações foi sempre, e continua a ser, ridícula. Não é que não tenha havido algumas mudanças: hoje é raro a empresa, instituição ou organismo abster-se de responder. Mas onde dantes estava o silêncio agora está com frequência a língua de pau: um funcionário falsamente atento dá aulas sobre a legislação ou regulamento pertinente, que não raro interpreta capciosamente, finge não entender a natureza do problema, e de forma geral reflecte o ponto de vista dos serviços, que quase sempre se distinguem, precisamente, por não o serem. E há graus de abuso: quanto mais distante, poderosa ou independente a organização, pior. Num ranking de feios, porcos e maus, baseado na minha experiência de vida, poria à cabeça os bancos e seguradoras; e na categoria à parte do ridículo, senão do grotesco, colocaria as supervisoras.

 

Isto é assim, creio, por razões culturais.  um costume de impunidade no serviço público: o funcionário apenas pode ser castigado por desagradar ao chefe ou por extinção ou remodelação do serviço. Na relação com o cidadão funciona o espírito de corpo - os funcionários são o nós e os cidadãos o eles. E há a tradição do respeitinho, que o poder político tem reforçado quando diminui, como sucede de forma exemplar no âmbito fiscal, as garantias de defesa dos cidadãos, expondo-os a inimputáveis e abusadores.

 

Teimosamente, continuo a reclamar - faz bem ao fígado e sempre é uma espécie de serviço cívico.

 

Em resumo, sou o que os Americanos designam, com a elegância que lhes é própria, como a pain in the ass; e, entre nós, um puto dum chato.

 

E não me parece que a idade tenha exercido qualquer espécie de efeito balsâmico: agora implico até com insignificâncias, como a que narro (sim sim, vi a entrevista de Sócrates) a seguir:

 

Num laboratório de análises, a simpática funcionária que me atendeu dirigia-se-me reiteradamente como "senhor José Maria". Já no fim da conversa, perguntei-lhe se não se importava que lhe fizesse um reparo. Ela disse, um tanto contrafeita, que não, pelo que lhe expliquei que, convencionalmente, me deveria tratar por "senhor Graça", o "José Maria" ficando reservado para a circunstância de virmos a ser amigos, mas dessa feita sem "senhor". A menina abriu muito os olhos, que são os da geração mais bem formada de sempre, e tomou nota.

 

Hoje recebi o seguinte e-mail:

 

Bom dia, conforme pedido segue os resultados do senhor José Maria.

Grata pela atenção.


E respondi:

 

Relembro que, em se tratando de cavalheiros em relação aos quais se usa a designação "Senhor", o que se deve seguir será não o nome próprio mas sim o título académico, se existir licenciatura, e o nome de família. O nome próprio é reservado para tratamento que supõe alguma familiaridade, amizade ou conhecimento próximo.

 

NÃO sou "senhor José Maria", mas sim "senhor Graça" e considero um abuso dirigirem-se-me nesses termos.

 

É claro que as fórmulas de trato são meramente convencionais, mas não vejo com bons olhos substituir uma fórmula baseada na tradição por outra baseada na ignorância.

 

Cordiais cumprimentos.

 

José Meireles Graça.

 

A menina retorquiu, passada uma meia-hora:

 

Bom dia.

 

Peço desculpa, mas não foi intenção minha tratar mal o Senhor Graça. Mas sim enviar o mais rápido possível as analises uma vez que me foi pedido.

Mais uma vez desculpa.

 

Grata pela atenção.

 

Tenho que a informar que não tenho nenhum complexo de superioridade, nem falta de consideração por ela ou pelo trabalho que desempenha. E que, pela resposta, ficou credora da minha estima: não é costume.

publicado por José Meireles Graça às 21:50
link do post | comentar
4 comentários:
De Quim onas a 5 de Abril de 2013 às 07:58
E porque não Conde de Brandão?
De Quim onas a 5 de Abril de 2013 às 07:58
E porque não Conde de Brandão?
De Diogo Duarte Campos a 6 de Abril de 2013 às 20:36
Pain in the ass me confesso: o inicio das minhas conversas com as operadores telefónica é sistematicamente este.

Será que custa muito dizerem Senhor Campos, em vez de Senhor Diogo, dado que não me conhecem de lado nenhum.

Ainda só conhecia uma outra pessoa que também fazia isso. Agora somos 3. Amnhã seremos imensos!

Abraços
De José Meireles Graça a 6 de Abril de 2013 às 23:25
Somos os últimos moicanos, Diogo, essa é que é essa.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Exigem ser os donos de Portugal, e fazem de tudo p...
A Sra. Bastonária esqueceu-se de uma coisa. Não só...
Acho que a Sra. Bastonária terá sido porventura po...
Nem mais, os minhotos com razão.Ppq
Nos hospitais portugueses há 50 anos havia mulhere...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter