Terça-feira, 16 de Abril de 2013

Quatro dúvidas cadavéricas

A família próxima está inteirada do que fazer aquando do meu infausto passamento: quero ser cremado e que, no velório, se ouçam incansavelmente três requiems - de Mozart, Verdi e o Alemão, de Brahms.


A cremação nada tem que ver com crenças religiosas ou ecológicas, mas com o medo de ser enterrado vivo: já levei algumas tampas ao bater a portas que não se abriram, mas daí não se segue que encare com equanimidade a perspectiva de bater na tampa do caixão.


A selecção musical não tem a generosa intenção de elevar postumamente os gostos musicais dos meus próximos, por bem que lhes fizesse. Muito pelo contrário, se existir um assento etéreo para onde suba, e lá se consentir não apenas a memória, mas também a possibilidade de ver o que por aqui se vai passando, sempre quero ver os olhares não puros mas furibundos dos amigos do defunto, rosnando: o puto do caixa-de-óculos até mesmo depois de morto continua a ser um chato do c.


Estas considerações melancólicas foram despertadas por esta notícia: Médicos aprovam novos critérios que facilitam colheita de órgãos.

 

Num dos consulados de Cavaco, saiu uma lei que estatuía que o de cujus que não declarasse expressamente, perante não sei já quem, que não era dador de orgãos, doava o seu corpo ao Estado, para efeitos de este lhe retirar o que desse jeito, segundo a opinião dos senhores médicos, para consertar outros corpos ainda viventes.

 

A ideia de que o meu coração, ou outro orgão, possa sobreviver noutro corpo, não me  aflige. Mas já me aflige uma lei oportunista e celerada, que presume, numa matéria tão pessoal, da vontade do falecido, mediante o expediente de interpretar como concordância a preguiça de preencher um impresso que ninguém sabe onde está, nem a quem entregar, em troca de um cartãozinho de não-dador.

 

A ter que existir um cartãozinho, deveria ser o de dador. E, na inexistência de cartão, e tendo em conta os outros interesses legítimos em presença, a decisão deveria ser confiada à família.

 

Comigo, a comunidade ficou a perder duplamente: tenho o tal cartão e têm-no também as minhas duas filhas, para as quais o requeri com a concordância da mãe. E é pena, porque o que estou disposto a deixar ser reduzido a cinzas não se me daria que tivesse alguma utilidade, se nisso não houvesse um intolerável abuso.

 

Os cartões estão por aí nalguma gaveta. Do assunto nunca mais ouvi falar, e o cartão de cidadão, que tem dados que não deveria ter, não tem este. O assunto, de toda a evidência, não interessa, e já faltou mais para que os bens do falecido intestado revertam para a comunidade, quer dizer para a tróica - ele haveria lá coisa mais generosa?

 

Os médicos vão agilizar o processo. E a mim ocorrem-me quatro dúvidas: sendo o Estado Português o que é, e as coisas e os médicos portugueses o que são, no caso de um acidente mortal perguntarão alguma coisa à viúva? Se perguntarem, a viúva encontrará o cartão a tempo? Se o não encontrar a tempo, e os facultativos removerem a parte cobiçada, haverá sanções? Quais e para quem?

publicado por José Meireles Graça às 17:23
link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 16 de Abril de 2013 às 19:52
Não será melhor seres embalado em vácuo?

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

As conclusões são simples, se houver honestidade, ...
Belo post; são muitos anos a virar frangos ?
Senhoras donas Carina Quintas DA Costa e Ana Rosa ...
Olá,eu sou a Carina Quintas DA Costa ,conheci um f...
Como é possível que uma pessoa que escreve tolices...

Arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter