Sexta-feira, 10 de Maio de 2013

Apre, que ainda sobrou uma

Um grupo de pressão resolve, contra a lei e os regulamentos, interromper os trabalhos de um orgão de soberania, cantando um hino em forma de balada. Há quem goste do hino porque lhe agrada musicalmente, quem dele se tenha apropriado para representar a parte derrotada da "Revolução" do 25 de Abril (os derrotados de 24 foram-no por um golpe militar), e quem o associe com um tempo em que éramos novos, as esperanças muitas e a alegria de viver maior. E, é claro, estas razões para o sucesso da musiqueta não se excluem umas às outras.

 

A Senhora Presidente mandou pôr os desordeiros pela porta fora. Fez muitíssimo bem: a representação política na AR faz-se segundo regras precisas, e os proprietários ideológicos da canção já lá estão, eleitos segundo as mesmas regras a que se submeteram os restantes deputados; além de que o direito à manifestação exerce-se na via pública, ou em lugares públicos onde não esteja expressamente ou implicitamente vedado pela natureza da função a que o espaço está afectado. Senão, amanhã teríamos manifestações nos tribunais, para pressionar os juízes, e deitávamos fora o Regimento da AR, por uma turba achar que há por ali uma gente que gasta o seu tempo, e o seu latim, a defender coisas eminentemente fássistas, pelo que seria do interesse das massas fechar-lhes a matraca a golpes de música de intervenção.

 

O incidente não teve qualquer importância, e já está devidamente esquecido. Mas esta minha querida inimiga de estimação conta aqui a história, com detalhe: a líder do grupo de exaltados, uma senhora de nome Rosário Gama, acha, em carta dirigida aos militantes, que "para a APRe! houve um tratamento humilhante, fazendo cada associado mostrar a roupa que trazia por debaixo da camisa ou camisola a fim de verificarem a existência de uma perigosa arma de propaganda: a t-shirt da APRe! a dizer que não somos descartáveis. Aos homens, a verificação era feita no corredor, as senhoras eram encaminhadas para um gabinete onde uma zelosa segurança mandava levantar as peças de roupa para ver o que havia escondido. Apesar disso, ainda conseguimos introduzir uma t-shirt na sala, juntamente com a “raiva” que já todos levávamos: aos alunos não foram tiradas as mochilas, a nós foram retiradas todas as carteiras e sacos…"

 

Fantástico: os seguranças farejaram problemas e quiseram assegurar-se de que não os haveria, pelo que fizeram uma revista. Vai daí, os revistados ficaram cheios de "raiva", agravada pela discriminação em relação aos putos.

 

Mesmo assim, o trabalho da segurança não resultou em cheio: escapou uma t shirt, e os manifestantes ainda tiveram ocasião de brindar os deputados com parte de uma Grândola desafinada. Ai!, que se eu fosse um bocadinho mais fássista ainda diria que sobrou uma t shirt e faltaram uns açaimes.

 

Mas não: a APRe fez o seu número, as televisões agradeceram, uns deputados sorriram, outros viram o e-mail, e nós lá em casa, repoltreados, assistimos pela TV, logo a seguir ao jantar, palitando os dentes.

 

Tudo está bem quando acaba bem.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 23:44
link do post | comentar
1 comentário:
De Kafka a 14 de Maio de 2013 às 21:51
Ser imbecil é isto mesmo. Parece que ainda há muita gente que não percebeu que foram os grandoleiros que nos puseram na situação actual.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!
Tenho tentado perceber este conserto gadal da tsu,...
Resta-nos a alegria de ver a tristeza deles por nã...
Os pulhiticos actualmente a "governar" parecem aqu...

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter