Terça-feira, 1 de Maio de 2012

As anedotas

(Originalmente publicado no Senatus, em 11 de Março 2012)

 

 

Faço os possíveis por evitar sessões de anedotas. É mortal. Às vezes até começa assim assim. O pior é ter começado. A coisa vai deprimente até chegar o primeiro totó, a salentear-se com uma piadola grosseira. Não interessa o enredo, só tem que incluir mamas, rabos, pássaras ou pilas. Segue-se um riso alarve da audiência, que não achou graça nenhuma mas percebeu que era a deixa para se rir. O que não é mau, sempre alivia a tensão.

 

A seguir vem um encadeado de dichotes, frases feitas e trocadalhos. Os mais entusiastas começam a corrigir os outros entusiastas, porque a história não era "assim", "espera, deixa-me eu contar", "sim, mas antes tinhas que dizer que" não sei quê. Se houver casais presentes, é certo e sabido que um dos elementos conta o fim da anedota assim que o outro começa. Depois desentendem-se e ficam de trombas. É bom, são duas baixas. E há sempre aqueles puristas que fazem questão de devolver o rigor da coisa, o que implica ouvir aquilo tudo outra vez.

 

Alguns convivas começam a desfazer migalhas de pão. Naquele ponto, já ninguém ouve as graçolas dos outros. A rapaziada só espera que o comediante no uso da palavra acabe de contar o seu pesadelo, para cumprir o .protocolo (rindo-se) e procurar uma aberta para contar aquela piada que ouviu no outro dia, "Deus queira que não me esqueça da punch line". Já toda a gente conhece? Não interessa. "Agora chegou a minha vez". Depois, há dezassete foliões que contam a mesma anedota, com versões ligeiramente diferentes. "Eu sabia era assim": e bumba. Sem medo, sem qualquer espécie de misericórdia.

 

Aos mais débeis, nos quais me encontro, começa a faltar o pulso. Graças a Deus, nestes grupos, há sempre um alentejano. Ou uma alentejana, se estivermos com sorte. Nesses intervalos, pode-se respirar.

 

A partir de certa altura, começam a intercalar-se uns silêncios, cada vez mais embaraçantes, em que toda a gente olha para os pormenores decorativos do compartimento, na esperança de um milagre. Mas não. Segurem-se, chegou a hora das piadolas regionais. Costumo agarrar-me a um pacemaker.

 

Nas piadolas regionais as palavras acabam todas em "i", se a ideia for imitar um alentejano, e repete-se o vocábulo "compadri", frase sim, frase sim, com a pronúncia e a cantada de um palhaço rico. Não me vou debruçar sobre o que fazem às piadolas do norte porque, além da pronúncia trágica, revertem ao ponto já focado das grosserias.

 

Quando menos se espera, e o tormento parece já não poder agravar-se, entramos na fase do inglês, do francês e do português. Ou do alemão, do espanhol, e do curdo. Ou do cigano, do preto e do chinês. Não importa a etnia, este período é o mais asfixiante. Porque se trata de uma combinação letal de todos os ingredientes anteriores. Os enredos são sempre muito compridos, os comediantes voltam muitas vezes atrás, corrigem-se uns aos outros, já toda a gente ouviu aquilo, esquecem-se da punch line, fazem pronúncias e entram, uma em cada poucas ocorrências, na categoria mais ordinária.

 

A sessão acaba, invariavelmente, com um maduro resistente que não se cala em variantes de um tema qualquer. Na plateia, já poucos respiram. Deste ponto em diante não posso relatar. As duas últimas vezes que me vi nestes sarilhos acordei toda entubada, no hospital Amadora-Sintra, sem saber dizer o nome.

 

Tags:
publicado por Margarida Bentes Penedo às 14:01
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Quer dizer, uma incubadora de comunista malvistas ...
Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter