Terça-feira, 21 de Julho de 2015

A esquerda socialista moderada está a ficar tonta?

Não consigo dizer, como o José Meireles Graça faz aqui, que a UE tem os dias contados.

Penso que até chegarmos a um ponto de não-retorno (se aí chegarmos) ainda vai correr muita tinta e muita luta entre as facções políticas que neste momento se radicalizam na Zona Euro com o apoio do extremistas interessados do Reino Unido.

A Itália, que uso como exemplo, talvez seja o pais da ZE onde o debate do Euro/Não Euro, mais tem adeptos há mais tempo. O consenso continua a ser maioritário em torno da permanência, embora a confiança na governação da UE seja baixa.

Clipboard01.jpg

Clipboard02.jpg

 

A questão central é: a confiança que baixa. A confiança e a segurança fomentam-se, oferecendo aos cidadãos, uma perspectiva do rumo mais claro possível enquanto o navio navega em mar agitado.

É esse rumo que tem tido mensagens contraditórias por parte da liderança europeia. Por um lado, durante a cimeira da decisão grega, a Zona Euro deu um sinal claro: ou os gregos estão na Zona Euro, cumprindo as regras, ou devem sair.

Por outro, as hesitações de Hollande, o centro do consenso socialista europeu, passaram uma mensagem de medo, de receio sobre o que sucederá se os gregos saírem. É natural que a imposição aos eleitorados, da solidariedade com a Grécia a todo o custo, suportada pelos contribuintes europeus, não poderá deixar de ser vista com outro olhar que não seja o do receio e insegurança.

A posição de Hollande, pressionada pela direita radical francesa (medo de Le Pen) é também forçada por uma interpretação, a meu ver errónea, da manifestação de vontade mais barulhenta nas últimas semanas por parte da esquerda radical. Os radicais de esquerda são poucos, mas muito barulhentos e activos nos media e nas redes sociais.

Esse fenómeno estará também a acontecer em Portugal no PS dando origem às hesitações de Costa. Apoio ao Syriza - meias tintas - o "Syriza tem politicas tontas" - silêncio.

Naturalmente, a esquerda radical, está a perder contornos definidos, quando internacionalmente é sustentada, nos argumentos, pelas posições v.g., de Krugman, Stiglitz, Sachs, e outros referentes, pretensos moderados. Está a ser propulsionada pelo "mainstream" ideológico e a pressionar posições socialistas que nunca poderão obter apoio popular ao centro moderado.

A última tontice hollândica foi a proposta do governo ZE, a seis, e a criação de um novo parlamento.

Não se pode governar eficazmente a Zona Euro com tontices que produzem insegurança. Nem qualquer outro país ou bloco. 

Antes de dizermos que os problemas monetários da Zona Euro são insolúveis, podemos concentrar-nos nos constrangimentos oferecidos pelas tontices na política nacional e internacional e não nos deixarmos condicionar demasiado por eles?

 

publicado por João Pereira da Silva às 07:11
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O lacinhos do espesso, não acerta uma, enfim, mais...
Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter