Domingo, 1 de Maio de 2016

A Geração EuEuEu e o herói morto em vida

Pacheco Pereira só pode estar a gozar connosco quando escreve o artigo de ontem. Excerto do gozo e da falta de respeito:

"Mas é muito interessante ver aquilo que são os bas-fonds da nossa direita radical, entre comentários, blogues e twitter. Não, não estou a falar do PNR, estou a falar de apoiantes do PSD e do CDS, do extinto PAF, muitos “jotas”, mas também gente adulta que enfileirou nos últimos cinco anos do “ajustamento”, vindas de alguns think tanks e amadores da manipulação comunicacional que se formaram nestes anos."

"Não estou a falar do PNR", "Direita radical" e etc.... vão ler o resto se ainda conseguem ler o autor.

Ora bem, como se fizéssemos parte de um grupo conspirador, PP de uma assentada só, insulta e maltrata cidadãos comuns que não fazem mais que escandalizar-se:

- com o peso do Estado na economia (mais de 50% do PIB) e o país cada vez mais pobre

- com a geração que diz ter feito o 25 de Abril e hoje é rica e anafada (PP incluso) à custa dos filhos e netos (a dívida de cada português quanto é?)

- com os sucessivos escândalos de gente sempre associada à política e aos negócios da órbita do Estado que consomem recursos superiores ao que temos de gastar durante um ano em saúde pública

- com a quebra de rendimentos desde que começámos a "patinar" em moeda única porque não se consegue fazer um orçamento equilibrado (há sempre lobbies a satisfazer, construção, não-transaccionáveis, médicos, professores, agora até taxistas), enquanto os países não-socialistas europeus prosperam

Ora, quem contribuiu mais que Pacheco Pereira para que cada vez mais cidadãos se escandalizem com o dito acima? Poucas pessoas, pois PP era um acérrimo defensor da liberalização da vida económica e social portuguesa. Recordo com saudade os inúmeros programas Quadratura do Círculo ainda só na TSF, quando PP era a voz mais sensata entre os comentadores.

Caro José Pacheco Pereira:

"Nós" somos gente preocupada e trabalhadora, lutadora num mundo com dificuldades e exigências que as anteriores geração não tiveram, com rendimentos abaixo dos correspondentes na Europa, sem perspectivas de pensão, que tem por obstáculo principal à melhoria de vida, o Estado cada vez mais burocrático, centralizador, regulador (um sucesso todas as nossas agências, não são?) sufocante e sempre mais ávido de impostos sem nunca se conseguir equilibrar.

Em 2009, João Duque escrevia:

"Cedo, essa geração chegou ao poder, alguns nem com 30 anos de idade. Ainda o alargou através da nacionalização de centenas de empresas, numa correria tal a que nem escapou uma barbearia da Baixa. Meia dúzia de comícios, umas manifs, uma passagem pela sede de um partido e a coisa resultava.

Quando foi preciso, mudaram de partido (para a direita) para manter o pezinho na pista de dança.

Receberam um país com um saldo líquido de activos sobre o exterior (posição de investimento internacional) acima de um terço do PIB (cálculo de Vítor Bento), venderam as empresas que entretanto nacionalizaram, receberam milhões da Europa, consumiram o que tinham e não tinham e reformaram-se, deixando como legado um saldo líquido de passivos sobre o exterior de quase 100% do PIB."

Eram a Geração TuTuTu que entretanto se transformou na Geração EuEuEu que tudo quer para ela própria não se importando com o parasitar de todo o país e de caminho nos afundar em miséria e indigência pública. É contra estes que nos insurgimos. Será isto ser radical?

 

publicado por João Pereira da Silva às 09:32
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter