Quinta-feira, 19 de Junho de 2014

A mensagem de além-Atlântico

Nos anos 90 meteu-se-me em cabeça exportar para os EUA - encontrei umas quantas firmas que estariam interessadas em importar os móveis frigoríficos que então fabricava, desde que estes tivessem a "certificação NSF" e a "certificação UL". O negócio parecia aliciante: para performances semelhantes o produto local era inacreditavelmente tosco e muitíssimo mais caro e o importador que aceitou colaborar no meritório propósito de obter os malditos certificados era da mesma opinião.

 

Infelizmente, os vários protótipos que fomos executando (e que não eram mais do que os nossos modelos adaptados ao que julgávamos ser as exigências regulamentares daquele liberal mercado) foram ficando sucessivamente mais caros: ai este cabo não pode ser porque tem que ter a marcação "UL", ai esta chapa não porque o fabricante não dispõe do certificado não-sei-quê, ai esta mola nem pensar porque Deus nos livre se o mecânico tiver acesso ao motor sem precisar de ferramentas especializadas, ui este suporte não dá garantias de que, se uma matrona com 90 kg (eles diziam "lady") trepar aqui para cima não venha a superestrutura abaixo, ai credo que aqui há uma ventoinha que não está blindada, e se um menino mete o dedo mindinho nesta fresta e o corta, hem?

 

Isto e muito mais confortou-nos (a mim e ao desalentado cliente) na ideia de que o melhor era encontrar um especialista nestas merdas. Com sorte, encontrei: por uns modestos 3000 USD por semana, mais viagens e estadias, o homem, antigo funcionário de uma das agências que regulam estas coisas, passava uma semana por mês na fábrica orientando a construção e inteirando os técnicos locais na quantidade prodigiosa de burrices que, encarecendo o produto sem qualquer análise razoável de custo/benefício, tranquilizava as autoridades quanto a imaginários riscos de acidentes e delirantes ameaças para o ambiente.

 

Santo homem: pastor de uma igreja qualquer dessas que julgam que não são seitas, lia todos os meses uma revista que dava notícias sobre a Guerra Civil como se ela ainda estivesse a decorrer, prestava desinteressadamente ajuda à pequena comunidade onde vivia, perto de Chicago, e era pai de uma filharada, incluindo adoptivos.

 

Era de uma ignorância crassa sobre tudo que não tivesse a ver com a América; e apreciou a cozinha local, que invariavelmente achava "delicious" e da qual enfardava quantidades respeitáveis.

 

Às oito da manhã, já lá estava; e com frequência saía às oito da tarde. Sem nunca o ter dito, creio que ficou a achar que o meu pessoal era uma boa quadrilha de calaceiros; e de mim, o maior preguiçoso de todos, não sei o que pensou porque, por orgulho besta, não perguntei.

 

Gostei muito dele. E fez um bom trabalho: o primeiro modelo foi homologado aí um ano mais tarde. Já não assisti ao desenvolvimento da iniciativa porque os proprietários da empresa acharam que, tendo esta já filiais em três países europeus, precisava de um gestor realmente competente, que me ajudasse a ser o que não era, e a fazer o que não queria, pelo que, com a minha saída, ficaram reunidas as condições para um grande passo em frente.

 

Recomeçando, num certo sentido, a minha vida profissional, fui fabricar câmaras frigoríficas, entre outras coisas. E lembrei-me desta história porque hoje recebi uma extensa correspondência que começa assim:

 

WORKING DOCUMENT

In the framework of the implementation of Commission Regulation (EU) No…/…implementing Directive 2009/125/EC of the European Parliament and of the Council with regard to ecodesign requirements for refrigerated commercial display cabinets

(Text with EEA relevance)

COMMISSION REGULATION  (EU) No…/…

of XXX

 

Depois, são mais 18 páginas de palavreado ora hermético, ora tolo, ora intrometido, mas sempre inútil.

 

Quer dizer que mais uma pedra oculta, num longo rosário delas, vai ser dependurada ao pescoço de algumas pequenas empresas; que essa pedra pesará mais do que no das grandes, e será mais um obstáculo ao aparecimento de novos fabricantes; que uma nova burocracia nascerá, e que ela se encarregará, com o tempo, de multiplicar normas até que já ninguém se lembre daquilo para que, originalmente, serviam - gente que será preciso sustentar; e que se vai alimentar a irresponsabilidade das pessoas, e a conflitualidade judicial, com questiúnculas sobre se faltava ou não faltava uma etiqueta a avisar que não se deve virar um jato de mangueira para um quadro eléctrico.

 

Dizem que, pondo uma mensagem dentro de uma garrafa e atirando-a ao mar, pode chegar ao outro lado do mundo. Pois pode; e se a mensagem for decidida por parasitas, escrita por idiotas, interpretada por inúteis e sancionada pelo Estado, chega mais depressa.

publicado por José Meireles Graça às 16:45
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter