Sexta-feira, 20 de Maio de 2016

A pichelaria, a pintura de paredes e outras artes na comunicação social

Os interiores das casas portuguesas distinguem-se, além da irrepreensível limpeza, pela impecável apresentação das paredes, que todos os anos são cuidadosamente repintadas. Os proprietários, em tendo filhos, têm para com estes o maior desvelo, sem prejuízo da vida social que não desprezam - para a conjugação do que contratam baby-sitters, que existem às centenas de milhar.

 

Os pintores de paredes e as baby-sitters, porém, partilham com os picheleiros, os trolhas e os electricistas (que por lapso não são referidos no artigo) uma tara antissocial, que consiste em não passarem factura.

 

Isto é gravíssimo: se a este escândalo somarmos "outro tipo de dívidas, mais pesadas, de pessoas e de empresas, aquilo que se acumula no bolo da economia paralela pagaria cinco orçamentos da Saúde. São perto de 46 mil milhões de euros, cálculos feitos pelo Observatório de Economia e Gestão de Fraude".

 

De que forma é que este organismo chega ao cálculo daquele número redondo, quase um quarto do PIB, fica por saber - estes organismos sábios confiam, com razão, que ninguém se dará ao trabalho de ler o estudo que suporta a conclusão, a menos que seja gente que ganha a vida com revisões de contas, controleirismos sortidos, fiscais disto e daquilo, estatistas e esquerdistas de toda a forma e feitio, gente que, em resumo, imagina que o mundo perfeito é aquele em que o que o cidadão conserva no bolso apenas a pequena parcela que o Estado lhe permite generosamente que guarde, cujo gasto mesmo assim tem que ser fiscalizado, porque, se não for - há risco de evasão. E esta gente tem evidente interesse no resultado dos estudos, que sistematicamente enviesam, e defende sempre mais controlos, mais fiscais, mais leis, mais regulamentos, mais poder - mais Estado. Até ao ponto em que alguns, os que não sejam comunistas, atiram os braços ao ar e lamentam que já não haja dinheiro em Portugal para segurar os bancos em mãos portuguesas, e reclamam estudos para se apurar ao certo por que não há investimento.

 

Quem não viva sustentado pelo Orçamento e dirija empresas pequenas ou médias expostas à concorrência sabe que o nível de evasão não pode ter aquela expressão, a não ser que se considere evasão a simples engenharia fiscal que as grandes praticam - e mesmo assim.

 

Sabe isto, e sabe mais, mesmo sem ler estes estudos de chacha: que se alguém subtrair 100 ao Estado e os consumir o prejuízo do Estado nunca será de 100 mas, no máximo, de 77, porque ao consumir pagou IVA, para não falar do que vai pagar a empresa vendedora do bem, além do IVA; se os investir não apenas o Estado não perde nada como, possivelmente, acaba por vir a ganhar - os privados, ao contrário do Estado, tendem a fazer investimentos reprodutivos, porque podem ir à falência; e se os aforrar o benefício público aparece de imediato, porque as carpideiras no espaço público costumam queixar-se da taxa de poupança que, coitadinha, não dá sinal de si senão por tímidos vagidos.

 

A jornalista, claro, julga, e com ela julgam os leitores a quem este discurso é vendido há décadas, que em perseguindo baby-sitters e picheleiros poderá ser aliviado o que ela paga de impostos. Não lhe ocorre que o aparelho que persegue incumpridores é o mesmo que persegue os cumpridores e lhes inferniza a vida; que este aparelho tem custos inteiramente improdutivos; que os grandes evasores continuarão tranquilamente a sê-lo ou, se não puderem ser, mudam-se; e que, pior que tudo, o Estado gasta sempre mais do que o que tem - se cobrar mais gasta mais, ponto, na exacta medida em que os credores deixem, e mesmo estes só desde que acordaram.

 

Suponhamos que em Portugal nunca tinha havido um cêntimo de evasão fiscal. Qual seria o rácio da dívida pública sobre o PIB? Vou revelar o segredo, que é também um palpite: 129%.

 

Estudos a comprovar o ponto não tenho. Mas podia ter, se os quisesse comprar: é o bom que têm os estudos sobre economia - demonstram quase sempre aquilo em que acreditamos.

publicado por José Meireles Graça às 00:10
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter