Quarta-feira, 11 de Novembro de 2015

Aguardemos

Ando por estes dias a ler Uma História do Japão, de Conrad Totman, que não recomendo. Quem quiser inteirar-se da história do Japão, ou doutro país relevante qualquer, quer que lhe expliquem como nasceu, porque nasceu, que elementos se conjugaram para que aquele país tenha uma identidade que o faz único, que contributos deu, se alguns, para o edifício da civilização, quais as personalidades que pela espada, pela pena, por obras valerosas, ganharam lugar na memória dos vindouros, e um imenso etc.

 

Claro que a gente sabe que as historiazinhas de reis, imperadores, guerreiros e personalidades, invenções, sucessos, obras de arte e de cultura, desastres, têm um pano de fundo; e que este pano de fundo uns o pintam duma maneira, e outros de outra, e vai ficando mais rico à medida que se empilham monografias. Por outro lado, se o passado não muda, muda às vezes o acervo conhecido de factos, objectos e testemunhos; e muda sobretudo a interpretação do historiador, que vai elaborando sobre as pistas que outros deixaram antes dele, ou encontra as suas, e aqui e além apresenta um ângulo novo, mais convincente, para explicar uma parte do processo histórico.

 

Não sei se Conrad faz alguma destas coisas porque o homem escreve para especialistas, ou ao menos conhecedores avisados da história do país. E assim o livro que comprei, fiado na recensão que o apresentava como obra de divulgação, é um equívoco - não se fica a conhecer senão mal a história do Japão, através das teses que o autor vai desfiando sobre factos que não descreve por assumir que o leitor os conhece. Por exemplo, em determinada altura, que durou séculos, os imperadores, polígamos, reformavam-se, e um novo era escolhido de entre a parentela. Porque era assim, quais os critérios da escolha, como nasceu o sistema, que necessidades preenchia - nicles.  

 

Nos prefácios, na introdução, o apresentador e Conrad Totman falam muito de ecologia, e de como as circunstâncias geográficas e climatéricas influenciaram decisivamente a história do país. Tanto que torci o nariz: queres ver que este substitui a luta de classes pela ecologia? - vamos ter aqui uma história martelada para caber dentro de mais outra teoria na moda. E, de facto, o autor não cessa de ligar os progressos na agricultura ao número e riqueza material das pessoas integrando a cúpula social, e evidencia a evolução demográfica como dependente de epidemias, por sua vez tributárias da circulação de pessoas que o aumento do comércio origina, até que certas doenças deixem de ser mortais, por a população ter desenvolvido resistências.

 

As personalidades concretas não são, neste livro, até ao ponto a que já cheguei, agentes históricos de grande relevo - como se a história fosse uma decorrência inevitável das circunstâncias e de forças às quais é impossível resistir.

 

Não é, senão com muitas qualificações, o meu ponto de vista. E este longo intróito, que de resto ficou assim comprido porque me fugiu da mão, serve, embora não pareça, para interpretar o que se passou ontem no Parlamento.

 

Se o governo em funções continuasse, apesar de forçado pelas circunstâncias a pôr uma surdina na pulsão reformista, que de resto nunca foi exuberante, é razoável pensar que a trajectória da redução do endividamento, do desemprego, dos défices, da irracionalidade da presença pública na economia - continuaria. E mesmo que o nosso pano de fundo seja a UE, o preço do petróleo, os imprevistos das guerras, da imigração para a Europa e do mais que não adivinhamos, sempre estaríamos mais bem preparados para as curvas da história com um país em recuperação do que com um país novamente em cacos.

 

E em cacos vamos ficar. Não me dou ao trabalho de explicar porquê, porque quem precisar da explicação não acredita nela, e portanto não a aceita. Mas o que nos vai suceder nos tempos mais próximos não era inevitável, não era uma decorrência fatal do resultado eleitoral, nem está acima da vontade das pessoas.

 

A explicação mais simples, mais básica, é a meu ver a boa: Costa, esse pútrido pote de banha ambiciosa, como há dias lhe chamei com uma propriedade que me incita a repetir a qualificação, podia ter optado por copiar o procedimento de todos os que antes dele foram derrotados em eleições, quando o resultado ficou demasiado aquém das expectativas, próprias e de terceiros, e demitir-se. Mas não: inventou toda uma teoria de quebra de muros de Berlim e outras tretas sortidas para embarcar numa aventura que pode custar a importância do PS como charneira do sistema (o que a prazo nem seria mau, se deslocasse o espectro partidário para a direita), reforçar a importância da minagem comunista no aparelho de Estado, e causar um quarto resgate, por definição mais duro que o terceiro.

 

É claro que tudo isto que estamos a viver não é histórico, senão no sentido de que poderá valer um quarto de página, quando muito, numa história futura do nosso país. E é claro que para o nosso futuro a longo prazo esta novela não terá grande importância - tem-na muito mais a UE, em todos os sentidos, incluindo o da implosão.

 

Mas a longo prazo, como dizia o outro, estamos mortos. Entretanto, há desempregados, e falidos, e aflitos - precisamente a gentinha que terá ajudado Costa a chegar onde está, e que verá as suas esperanças defraudadas.

 

As pessoas contam - não é indiferente que a personalidade concreta de um político determinante em certos momentos seja assim ou assado. Temos tido azar: Costa, um intelectual de pacotilha mas dotado de capacidades maquiavélicas de manipulação, e assinalável ausência de coluna vertebral, sucede a Sócrates, o tribuno da plebe venal mas dotado de capacidades de persuasão e sedução.

 

Resta Cavaco, que certamente não tem pretensões de homem de cultura e sobre cuja sedução, por pudor, não me pronuncio. Pode ser que conte - ou não. Aguardemos.

publicado por José Meireles Graça às 12:01
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Don’t try to have the last word. You might get it....
Se calhar não percebeu.E o seu interesse por espre...
A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter