Sexta-feira, 10 de Julho de 2015

Arriscamos um gigantesco erro (mais uma vez) para os povos da ZE

kicking-the-can-down-the-road.jpg

Muita água ainda vai correr até à aprovação da proposta grega no domingo próximo. Mais ainda, correrá depois para aprovação por parte dos restantes parlamentos nacionais onde a proposta deve passar por força da lei.

Mesmo com a aprovação de todos os parlamentos, não há qualquer garantia sólida de que os gregos cumpram o escrito. A hipótese é que a Grécia seja irreformável, liderada por um partido contra a austeridade, obrigado a aceitar um acordo de austeridade sem precedentes, depois de um referendo contrário à austeridade e depois de a dívida pública grega (vai subir!) ter sido declarada iníqua pela comissão do parlamento grego.

Neste momento, não há na oposição grega quem se apresente como alternativa defendendo a austeridade. Esta, vai durar mais do que o actual ciclo legislativo e há o sério risco de radicalização ainda maior, por parte do eleitorado grego. A Aurora Dourada (extrema-extrema-direita) espera que o poder lhe caia nas mãos, com a ajuda do sofrimento da classe média grega.

Há muito mais incerteza no resultado positivo do que probabilidade de sucesso e o menor risco, é que daqui a quatro anos estejamos de novo a questionar toda a organização da zona euro, com a radicalização ainda maior das posições de todos (notemos como nos últimos dias a opinião pública esteve em autêntica efervescência).

A economia europeia está há 3 semanas parada no que diz respeito a decisões de investimento. As empresas simplesmente não sabem com o que contar. Vamos ter nova recessão? O Euro vai continuar? Em limite, arriscamos uma nova guerra com o perigo geopolítico representado por uma saída da Grécia da UE?

Dito isto, em termos práticos, o que poderia ter sido feito?

A pergunta do referendo grego poderia ter sido:

- É a favor de uma saída organizada, mesmo que temporária, da zona euro com apoio dos restantes 18 estados?

Assim, os gregos decidiriam em consciência ficar ou partir, sendo responsáveis pelas futuras reformas se quisessem ficar ou sair do Euro. Os restantes ajudariam, a Grécia reformar-se-ia, ou não, e o Euro seria fortalecido podendo continuar a tímida retoma.

Tal como está agora previsto, somos todos nós, Europeus, responsáveis e fiadores das acções que não controlamos, de um povo obrigado a fazer algo muito doloroso, contra a sua própria vontade.

Tem tudo para correr mal, mas deixámos que um grupo de radicais, interessados em rebentar com tudo por motivos ideológicos, nos manobrassem durante seis meses. E vão andar por aí, alimentando-se de todas as fragilidades da integração europeia.

Estamos prestes a dar-lhes mais uma fragilidade com a aprovação do acordo: a ideologia alimenta-se do sofrimento e da emoção ressentida.

publicado por João Pereira da Silva às 09:16
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Se calhar não percebeu.E o seu interesse por espre...
A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...
Kamarada Makiavel, sua pergunta é muito important...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter